A clamídia pode comprometer a fertilidade se não tratada.

Muito mais comum do que se pensa, a clamídia que é causada pelo vírus Chlamydia trachomatis. Essa doença venérea afeta muito mais a fertilidade do que pode-se esperar. Por isso, quanto antes descobrir a existência dela e iniciar o tratamento, melhor. Uma das principais DSTs, a Clamídia tem um fator que faz com que ela seja uma das mais perigosas das doenças sexuais. Ela é silenciosa e na maioria das vezes não se manifesta claramente com sintomas específicos como o HPV, sífilis e outras.

A clamídia é uma doença infecciosa e afeta os órgãos genitais de forma agressiva, inclusive o útero que é o órgão principal da fertilidade. No organismo feminino, quando a clamídia afeta o útero, pode formar coleção de líquidos causados pela infecção. Esse liquido se espalha pelas trompas, colo do útero e podem interferir diretamente na fertilidade da mulher. Como? As trompas com coleção de líquidos causados pela clamídia sofrem de hidrossalpinge. Essa, que pode dificultar a permanência do óvulo e também da passagem do esperma após a relação sexual. A hidrossalpinge em sua grande maioria dos casos, causa infertilidade e se não tratada, pode deixar a mulher estéril como complicação grave do quadro infeccioso.

Além das trompas, o liquido acumulado no fundo do útero também pode causar problemas para gravidez acontecer. Mesmo que a clamídia não tenha chegado às trompas, se houver um acúmulo dessa secreção infecciosa no local onde acontece a implantação, o zigoto pode não sobreviver ao PH ácido e não chegar a desenvolver. A clamídia provoca em vários casos, uma infecção pélvica que na gravidez, poderá causar aborto ou parto prematuro. Portanto, a recomendação médica mais correta é o tratamento ainda que seja demorado. O médico também pode optar por desobstruir as trompas cheias de líquidos além do tratamento convencional para clamídia.

Porém a clamídia não atinge somente as mulheres. Ela também pode causar problemas no organismo masculino. Assim como na mulher, ela causa infecção e pode atingir a próstata e os dutos venosos que levam o espermatozoide à ejaculação. Quando atinge este estágio, algumas atividades simples para os homens como urinar, se tornará dolorosa. Na fertilidade o impacto não é tão evidente quanto para a mulher, mas pode sim afetar a potência sexual devido ao prejuízo na próstata.

Quais os Sintomas e Tratamentos Para Clamídia?

Em mulheres os sintomas podem ser mascarados por diversas outras possibilidades de doenças. Os sintomas da clamídia são semelhantes aos de outras, por isso o diagnóstico pode vir tardiamente. Entre os sintomas mais recorrentes em mulheres estão:

  • Dor ao urinar
  • Dor e ardência na relação sexual
  • Corrimentos com odor forte ou semelhante à cloro de cor esverdeada
  • Sangramentos de escape após a relação sexual
  • Dor retal
  • Dor abdominal

Para os homens é mais difícil o diagnóstico pela resistência que eles têm a médicos e exames. Normalmente a clamídia em homens se manifesta em forma de dores no testículos e inchaços, corrimento peniano com mau cheiro e dores abdominais. Tanto para o homem como para a mulher, o diagnóstico vem através de exames específicos para clamídia. Além do papa nicolau ou citologia oncótica para mulheres, a clamídia é detectada também em exames de urina. Para os homens com corrimento peniano, também se pode fazer uma análise do muco secretado para investigar a presença do agente causador da clamídia.

A porcentagem de pessoas com suspeita de clamídia tem aumentado nos últimos tempos. Cerca de 70% das suspeitas são confirmadas e 55% dos casos são de homens e mulheres em torno dos 25 a 35 anos de idade com vida sexual ativa. A melhor forma de prevenção para a clamídia é o uso de preservativos, porém existe tratamento. É importante dizer que a recidiva da doença é possível, já que o organismo não produz anticorpos contra a doença. É possível que uma única pessoa tenha episódios de pico da doença várias vezes durante a vida.

Na fertilidade o tratamento pode surtir efeito, mas tudo dependerá do grau da doença e também dos órgãos atingidos. O uso de antibióticos é a principal forma de tratar a clamídia e também para mulheres que querem engravidar. Para gestantes com clamídia o uso de antibióticos também é aconselhável para evitar que a doença seja transmitida de mãe para filho na hora do parto ou intra-útero. É importante dizer que a clamídia tem cura. Tudo depende do tratamento e se ele é levado à risca. Não é impossível que uma mulher com clamídia engravide, nem que um homem com clamídia possa engravidar sua parceira. Porém o tratamento deve acontecer assim que detectado para facilitar quando a vontade de gerar um bebê bater à porta.

Veja também: Qual o Papel das Trompas na Fertilidade?

Fotos: Daniele Patrone, Hey Paul Studios