mae-e-bebe

Ter um filho e formar uma família é o sonho de grande maioria das mulheres, porém algumas simplesmente possuem o desejo de serem mães e isto basta. Sem a necessidade de serem casadas ou possuírem um parceiro ou companheiro, optam por tratamentos que dão a oportunidade de realizarem seu sonho sem a boa vontade masculina ou até mesmo de um apoio paterno. Mas a maioria ainda sonha em constituir seu lar e ter seus filhos com seu companheiro ao lado, apoiando, curtindo e vivenciando este sonho junto.

Mas infelizmente não é bem assim que acontece e nem sempre o sonho da maternidade se materializa da forma esperada. Maridos, namorados e relacionamentos que pareciam firmes e duradouros se tornam pesadelos e o momento que deveria ser de pura alegria, se torna em uma enorme decepção. Para aqueles que pensam que aborto só pode ser feito pela mãe, esta enganado, um bebê ou um filho não importa a idade que tenha pode ser abortado também pelo pai, quando este opta em retira-lo de sua vida sem nenhuma preocupação.

Eu Vivenciei o Abandono na Gravidez

Aos 18 anos conheci um rapaz em uma festa, parecia que tudo fluía entre nós. Nossos gostos eram os mesmos, nosso desejo de viver e curtir a vida também e vivíamos um relacionamento diferente de tudo que tinha passado anteriormente. Mesmo com o passar dos meses, a mágica continuava e vivíamos “um conto de fadas” todos os dias, até que descobri que estava grávida.

Foi em uma viagem que fizemos juntos que notei que algo diferente estava acontecendo comigo. A mãe dele notou que eu estava “inchada” e que eu comia as coisas com muito prazer e com muita vontade. Como aos 15 anos tive um diagnóstico de diversos problemas uterinos onde havia recebido a notícia que dificilmente seria mãe, não esperava engravidar e ainda por cima eu tomava anticoncepcional para regular minha menstruação que não descia normalmente. Voltando desta viagem, decidi fazer um teste de farmácia a pedido dele, somente para comprovar que não estava e para minha surpresa, recebi meu positivo!!

Naquela manhã liguei para ele para dar a notícia, confesso que estava assustada e feliz ao mesmo tempo, pois eu estava vivendo um milagre. Pelo relacionamento que tínhamos e a ligação tão forte que vivíamos, imaginei outra reação. Ao falar que havia dado positivo, escutei somente sua respiração do outro lado da linha e quando o chamei pelo nome para ver se estava ali ainda, só respondeu dizendo: Não estou preparado para ser pai!mae-e-filho-sozinhos

Eu estava tão em choque com a situação que a principio não consegui me abalar com a reação dele, ele estava assustado e eu também, pensei eu. Foram 4 dias sem aparecer depois da noticia, não atendia mais meus telefonemas e nem me procurava mais. Ao procura-lo para saber o que estava acontecendo, novamente escutei que ele não queria ser pai agora e não estava preparado para isso.  Mas e agora? Já esta aqui e temos que assumir.  E ele acenando com a cabeça concordou! Com a cabeça falou uma coisa, mas com atitudes foram outras…

Nunca mais meu relacionamento com ele foi o mesmo, o encanto foi se acabando dia após dia. O meu desejo de formar minha família ainda era muito forte e com isso eu batalhava, lutava incansavelmente para ele estar perto, acompanhar cada passo da gestação, mas era minha vontade e não a dele!! Ele não estava ali…

Minha companhia já não era agradável para ele, talvez pelo meu humor e pelo turbilhão de hormônios que eu estava passando ou simplesmente porque eu estava forçando toda a situação. Com 5 meses de gestação, em uma discussão em casa minha mãe me obrigou a ir morar com ele por achar que só assim ele assumiria o papel de pai. Fui para o meu desespero! Passei todo tipo de humilhação, abandono e tristeza que uma gestante pode passar. Passava meus dias sozinha, ele saia sem dar satisfação e quando cobrado, me agredia verbalmente e fisicamente! Chorei muito, muito mesmo e sofri mais ainda, não conseguia enxergar um futuro e não conseguia imaginar o que seria de mim e do meu bebê daquele momento em diante. Tudo que eu havia sonhado para mim estava longe de acontecer!

Foram os meses se passando, a gestação chegando ao fim!! Tudo que eu tinha de enxoval havia ganhado de amigos e meus familiares, pois ele não tinha preocupação alguma com o nascimento próximo da nossa filha! No final da gestação com medo de ficar sozinha em casa, voltei para casa de minha mãe decidida a ficar somente até o nascimento do bebê. Com 42 semanas entrei em trabalho de parto, de madrugada, assustada e com medo, liguei para ele para avisar e ninguém atendeu! Decidimos passar na casa dele para que ele fosse junto para a maternidade, mas quando tocamos e ele saiu com cara de sono constatamos que ele havia passado a noite muito ocupado com sua balada! E friamente respondeu para eu ir que iria depois!!

Como estava com dor, não tinha condições de questionar e nem brigar, fomos para maternidade eu e minha mãe, e o único foco era o nascimento da minha bebê. Fui internada e fiquei sozinha, pois naquela época não era autorizada acompanhantes! Após 8 horas de trabalho de parto ativo tive minha filha de parto normal e logo ao sair da sala comunicaram minha família por telefone que após 20 minutos já estavam na maternidade para conhecer minha princesa. E ele? Não foi encontrado para saber que sua filha tinha nascido!

No dia seguinte, horário de visita ele apareceu sem graça, não conseguia falar nada e em como em poucas vezes durante todo esse processo ele tentou ser agradável. Pegou a bebê no colo, a olhou, mas em poucos minutos já disse que tinha que ir embora. Apareceu no momento da alta, me levou para minha mãe e até os 4 meses de vida dela fazia “visitas” como um qualquer. Resolvi acabar com aquilo e encarar a situação sozinha, já que era assim que eu estava e terminei aquele relacionamento que já havia terminado a alguns meses atrás, com a noticia da gravidez. Ele simplesmente desapareceu, não tive mais noticias e muito menos recebi “visitas”. Tudo que era necessário para a bebê era providenciado pelos meus familiares e com o dinheiro que eu tinha de reserva e assim aconteceu até ela completar 1 ano e meio de vida. Sofri muito, chorei demais, questionei a Deus porque eu estava vivendo aquilo e era nela que eu tinha forças e foi nela que me levantei para viver novamente. Consegui emprego, já conseguia sustenta-la sem ajuda de ninguém e comecei a me relacionar com outras pessoas, até que ele apareceu novamente!! Queria sua família de volta!!! Não sei o que pensei, só sei que tudo que fazia era pensando nela e decidi dar mais uma chance a ele. Foram 3 meses e não enxerguei mudanças, ele continuava o mesmo e não tinha amor por ela, alias nem por ele mesmo!

Hoje, treze anos depois de tudo isso, não tenho mais noticias dele. Só sei que mudou de cidade, teve mais filho e simplesmente ABORTOU a filha dele e vive como se ela simplesmente não existisse. Mas Deus é tão bom e misericordioso que ao ver o desejo do meu coração de ter minha família, me colocou um homem de verdade em minha vida!! Me prometeu que não me faria sofrer e que faria tudo diferente do que eu havia vivido. Há 11 anos caminha ao meu lado, assumiu minha filha como sua e a ama com toda sua alma. E melhor ainda, cumpriu tudo que me prometeu, me faz feliz e me deu a minha família!! Homens não são todos iguais, mas sim existem aqueles que fogem de suas responsabilidades e abortam seus filhos mesmo que estejam vivos pelo mundo.

Veja Também: O Que é Alienação Parental – Como Lidar com a Situação

Fotos: Ju Blasina,Cristian Melo Ragazzon