Esse é tema muito delicado e que requer muita atenção na sua abordagem devido a toda complexidade de sentimentos que se relacionam com essa situação. Se você já passou por isso ou conhece alguém próximo que já sofreu um aborto, sabe bem do que estamos falando.

Um aborto espontâneo tem causas diversas, podendo ser relacionadas com a idade da mulher, fatores genéticos ou até infecções. Normalmente, o aborto espontâneo ocorre devido ao desenvolvimento anormal do feto e, por isso, o próprio corpo se encarrega de eliminá-lo. Por isso, é importante realizar um acompanhamento com um médico para que seja avaliado se há quaisquer fatores de risco de abortamento, e em caso de qualquer sinal de abortamento, deve-se procurar ajuda médica com urgência.

Esta é uma situação muito difícil para todos que a enfrentam. O sonho de ser mãe é interrompido e, devido às complicações que envolvem esta situação, em muitos casos é necessário um acompanhamento psicológico no intuito de prover maior suporte à mulher que passa por isso.

Um luto diferente

Algumas pessoas podem pensar que, pelo fato de a gravidez ter sido breve, não há motivos pelo qual o casal deva se sentir triste pela perda. Mal sabem que, mesmo não tendo sido uma gravidez que foi até o fim, as pessoas idealizam e criam expectativas para com o filho desde o momento em que recebem o resultado positivo.

O aborto espontâneo provocará um tipo de luto diferente daquele que sofremos por quem já conhecemos. É um luto de um futuro, ou seja, um luto das expectativas que foram depositadas naquela gravidez. Não somente a dor física do aborto em si, mas também os procedimentos que precisam ser feitos, são aspectos que tornam a situação ainda mais difícil.

É importante lembrar que não há um “jeito certo” de lidar com essa situação. As pessoas reagem de formas diferentes e, mesmo um aborto espontâneo logo no início da gestação, pode ser o suficiente para impactar profundamente, pois depende do apego e vínculo que já havia sido criado com o futuro bebê.

Da mesma forma, não há um tempo preestabelecido que diga por quanto tempo se deve elaborar esse luto pela gravidez perdida. Pode ser que, mesmo quando a mulher já começa a se sentir bem, alguns momentos sejam mais difíceis de lidar, como por exemplo, quando ocorre a primeira menstruação após o aborto, ou quando se sabe que outra pessoa está grávida.

É importante levar em conta os sentimentos do parceiro também. Pode ser que ambos sintam a perda diferente, mas isso não quer dizer que um sente mais que o outro. Pode ser que em um dia a mulher esteja se sentindo um pouco melhor, mas o parceiro não, e vice-versa. Ou pode até ser que o homem perceba a situação muito mais pesada, pois a maior parte da atenção geralmente é dirigida para a mulher, sendo que os sentimentos dele podem ser, muitas vezes, ignorados.

 casal segurando as mãos

Outros sintomas relacionados

Um aborto espontâneo pode ser um desencadeador de problemas mentais devido a todo o turbilhão de sentimentos que envolvem esta situação e, por isso, tem sido relacionado com condições psiquiátricas como a ansiedade, depressão e estresse pós-traumático. Isso não quer dizer que todo mundo que passa por um aborto espontâneo irá desenvolver alguma destas condições, mas há chances maiores de apresentarem sintomas relacionados.

Além disso, outros sintomas como os listados abaixo podem estar presentes:

  • Crises de pânico: sentimento de que você está desconectado e fora de controle, com a frequência cardíaca alta, sudorese e dificuldade para respirar.
  • Insônia ou problemas para dormir: você não consegue “desconectar” e fica preocupada pensando no problema o tempo inteiro.
  • Pesadelos: é comum ter pesadelos com a situação que você passou.
  • Cansaço constante: mesmo se você conseguiu dormir bem, você se sente cansada com frequência.

Como buscar ajuda?

Pode ser difícil de buscar ajuda após sofrer um aborto espontâneo. Muitas vezes pensamos que vamos conseguir lidar com tudo sozinhos, mas nem sempre isso é possível. Ter alguém para conversar sobre a situação é de grande importância para aliviar toda a dor que um aborto pode trazer.

É importante que saibamos a quem pedir ajuda ou com quem desabafar, pois às vezes as pessoas que estão ao redor podem fazer comentários no intuito de ajudar, mas acabam minimizando a situação. Mesmo que às vezes tais comentários sejam feitos nas melhores das intenções, eles podem machucar. Frases como “Pelo menos vocês ainda são jovens”, “Talvez não era pra ser mesmo” ou “Ainda dá tempo de tentar outra vez” são dolorosas de ouvir e afetam bastante quem está passando por isso.

A psicoterapia pode ser uma solução para quem deseja encontrar suporte e apoio para passar por isso. Muitas mulheres escolhem outras possibilidades, como escrever e contar suas histórias por meio de blogs como forma de amenizar a dor e compartilhar suas experiências. É possível também encontrar grupos de apoio, sejam onlines ou não, bem como fóruns de discussão sobre o tema. Eles permitem o desabafo e compartilhamento de experiências, aliviando o sentimento de solidão ao passar por isso.

Encontrar o jeito certo de passar por isso não é realmente uma tarefa fácil, mas como você pode ver, cada pessoa pode encontrar a sua forma única de lidar com a situação! O importante é não passar por isso sozinha. Por isso, seja gentil consigo mesma e procure a ajuda necessária para que o fardo não seja tão pesado.