As idas ao consultório ginecológico são iniciadas desde a pré-puberdade ou pelo menos deveria ser assim. É o ginecologista que acompanha, avalia, indica tratamentos sempre visando à saúde feminina. Algumas mulheres tem a sorte de encontrar um que lhe passe confiança e acima de tudo deixe à vontade durante todas as consultas. Já outras podem ser obrigadas a trocar inúmeras vezes de especialista por não se sentir confiantes. E outra parte é obrigada a passar pelo trauma de sofrer abuso sexual de ginecologista.

Abuso Sexual de Ginecologista, Como Assim?

O especialista que deveria te examinar com olhos clínicos te constranger com toques e palavras eróticas? Sim, essa é a situação que milhares de mulheres em todo mundo sofrem todos os dias. Muitas com medo do que pode acontecer ou da situação se reverter contra ela, deixam de denunciar. O que permite que esses “monstros” continuem abusando cada dia mais e mais de outras mulheres e fazendo novas vitimas.

Perguntas desnecessárias, esquisitas e que fogem do padrão e da ética não devem ser encaradas de forma natural, muito menos toques íntimos e comentários constrangedores sobre o corpo, intimidade e principalmente sexualidade. Recentemente lemos em alguns sites uma denúncia de uma mulher que ao se trocar para ser examinada recebeu perguntas como “Quantas vezes faz sexo por semana?” ou “você tem namorado?” e na hora do exame foi masturbada descaradamente. Outra que recebeu um comentário sobre o estilo da sua calcinha e sua depilação afirmando que era uma depilação de quem gostava muito de sexo. Essas são perguntas ou uma conduta correta de um médico ginecologista?

Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! No vídeo conto a história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Assistir agora!
Dra. Andrea: Engravidar com FamiGel
"Secura vaginal complica a vida de quem quer engravidar. FamiGel resolve esse problema" (Dra. Andrea Gomes - Ginecologista e Obstetra)
Saiba mais no vídeo
Dra. Andrea: Engravidar com FamiGel
"Secura vaginal complica a vida de quem quer engravidar. FamiGel resolve esse problema" (Dra. Andrea Gomes - Ginecologista e Obstetra)
Saiba mais no vídeo

Sempre escutamos sobre casos de abuso sexual, mas normalmente eram ligados a parentes e amigos da família próximos.  Já o abuso sexual de ginecologistas era uma ocorrência inédita, rara, mas atualmente tem crescido o número de casos diariamente e cada dia mais as mulheres estão deixando o medo de lado e denunciando os abusadores. E devido ao grande número de casos se alastrando por todo mundo cada dia mais as mulheres optam por se consultar com ginecologistas mulheres ou até mesmo temerem em levar suas filhas aos consultórios de ginecologistas homens.

Os bons ginecologistas, éticos e profissionais que tem sofrido com essa repercussão, perdendo cada vez mais suas pacientes simplesmente por medo de passarem por essa situação também. Será por isso que no geral maioria das mulheres prefere ser atendidas por ginecologistas mulheres? Informando se sentir mais à vontade e por saberem exatamente o que nós mulheres sentimentos em uma consulta ginecológica.

No caso de meninas na adolescência que irão passar por consulta ginecológica, algumas precauções são recomendadas. A menina jamais deve ir desacompanhada da mãe ou algum adulto responsável e não permitir que a filha fique só com o médico durante a consulta. Normalmente ginecologistas possuem a ajuda de uma enfermeira ou auxiliar, caso não tenha a presença da mãe é indispensável.

Algumas meninas se sentem constrangidas com a presença da mãe durante a consulta e se neste caso for solicitado que a mãe se retire é válido respeita-la. Após a consulta deve-se conversar sobre o procedimento e como a menina se sentiu e verificar se tudo ocorreu dentro do esperado.

Sofri Abuso Sexual do Ginecologista, o Que eu Faço Agora?

Milhares de mulheres, vitimas do abuso sexual de ginecologistas após passarem por esse momento traumático acabam se fechando, sofrendo caladas e inclusive escondendo da própria família com medo de não acreditarem. Em muitos casos esses próprios ginecologistas abusadores ameaçam a vitima indicando que algo acontecerá caso seja exposto o ocorrido.

O primeiro passo: Não se cale jamais! Será através da sua denúncia que esse abusador será impedido e que não ocorram novas vitimas. Se não se sente à vontade para compartilhar com algum familiar ou amigo procure diretamente a delegacia mais próxima e registre um Boletim de Ocorrência.

Você pode denuncia-lo também no Conselho Regional de Medicina e acionar um advogado para dar sequencia a um processo de assédio sexual. Vale alertar que se você tem dúvidas sobre o ocorrido e sobre os procedimentos adotados durante a sua consulta onde se sentiu constrangida, você pode procurar outro ginecologista para tirar dúvidas. Para realizarmos uma denúncia e darmos sequencia a um processo tão sério como este, é necessário ter plena convicção do ocorrido.

Veja Também: Carta de Uma Mamãe ao Seu Ginecologista Obstetra

Foto: George Hodan