O leite materno é a principal fonte de nutrientes para o início de vida dos bebês. Isso faz com que a amamentação se torne uma fase delicada e especial, já que as mamães se preocupam em oferecer o máximo de nutrientes para seus bebês.

Entretanto, nem tudo é um mar de rosas, alguns desafios podem surgir ao longo dessa fase, o que faz muitas mães desistirem de amamentar seus filhos.

Em um estudo feito pela Famivita em julho de 2021, 31% das brasileiras não conseguiram amamentar seus filhos, exclusivamente, por seis meses. Confira o estudo realizado aqui.

Pensando na importância da amamentação e no cuidado que se deve ter nessa fase tão especial, trazemos aqui as 7 principais dificuldades que podem surgir durante a amamentação. Se você precisar de ajuda urgente, você pode usar a nossa consultoria de amamentação de 45 minutos online por apenas R$ 49,90 clicando aqui.

1. Dores constantes nos seios
2. Não esvaziamento correto do peito e leite empedrado
3. Pouca quantidade de leite
4. Rachadura nos seios
5. Posições desconfortáveis
6. Problemas com os mamilos
7. Falta de apoio e preparo

1 – DORES CONSTANTES NOS SEIOS

A amamentação não deveria ser um processo doloroso e sofrido, mas muitas mamães passam por isso durante essa fase tão delicada.

Os motivos para as dores nos seios podem ser diversos e podem ser ocasionadas por rachaduras nos bicos dos seios ou, até mesmo, seios muito cheios.

A forma como o bebê “pega” o mamilo também pode ser uma causa das dores constantes nos seios. Normalmente, alguns bebês colocam somente o mamilo na boca, ocasionando dores e ferimentos. Para isso, é importante colocar toda a aréola (a parte mais escura do peito) na boca do bebê para que, assim, ele possa realizar a sucção de uma forma mais correta.

É COMUM QUE ALGUMAS MULHERES SINTAM DORES NOS SEIOS DURANTE O PERÍODO DA AMAMENTAÇÃO

Protetores de seios podem também ser utilizados, auxiliando no alívio da dor e oferecendo maior conforto para os mamilos.

Nunca use buchas nas mamas ou quaisquer outros produtos que possam ser abrasivos para as suas mamas. Além de não ajudarem, tais ações podem prejudicar ainda mais a situação.

2 – NÃO ESVAZIAMENTO CORRETO DO PEITO E LEITE EMPEDRADO

Durante os primeiros dias da amamentação, é normal que o corpo produza mais leite do que o bebê é capaz de sugar; afinal, o corpo ainda está se adaptando à essa nova fase.

Entretanto, pode ocorrer um excesso de acúmulo de leite nas glândulas mamárias, ocasionando o que chamamos de ingurgitamento mamário, deixando as mamas com uma sensação de que estão “empedradas”.

O INGURGITAMENTO MAMÁRIO É CAUSADO PELO ENCHIMENTO EXCESSIVO DAS MAMAS COM LEITE.

Sintomas mais comuns do ingurgitamento mamário

  • Mamas duras e cheias de leite
  • Aumento do volume das mamas
  • Presença de áreas vermelhas
  • Escape de leite pelas mamas
  • Pode haver febre

Para evitar que ocorra esse excesso de acúmulo de leite nas glândulas mamárias, é necessário que toda a auréola seja direcionada à boca do bebê – não somente o mamilo em si. Dessa forma, o bebê acaba pegando mais a parte da aréola e conseguindo sugar uma quantidade maior de leite.

Massagens na auréola e compressas frias também podem ajudar a “soltar” esse leite que está preso nas glândulas mamárias, aliviando esse sintoma de empedramento e possibilitando que o bebê possa sugar corretamente.

3 – POUCA QUANTIDADE DE LEITE

A sensação de que há pouco leite ou de que o leite é “fraco” é uma queixa comum de muitas mães. Geralmente, as mulheres relatam isso devido ao bebê não parar de chorar após as mamadas ou estarem com baixo ganho de peso.

É importante levar em conta que algumas situações podem sim provocar uma produção menor de leite, mas o que se deve ter em mente é que não existe leite fraco.

O leite materno é composto de todos os nutrientes que o bebê precisa durante os seus primeiros 6 meses de vida. A composição do leite materno pode até mesmo modificar-se ao longo do primeiro mês, adequando-se às necessidades do bebê.

Algumas condições que causam diminuição da produção de leite

  • Perda de sangue excessivo durante o parto
  • Histórico de síndrome dos ovários policísticos
  • Histórico de condições como diabetes, distúrbios na tireoide ou outros distúrbios hormonais
  • Hipoplasia mamária (a mama não se desenvolveu adequadamente)

A dica para aumentar a produção de leite é respeitar a livre demanda, evitar o uso de chupetas e optar por escolhas que sejam confortáveis para você e o bebê. Os seios produzem leite a partir do processo de “oferta e procura”, o que significa que quanto mais o leite é removido (seja por meio da sucção bebê ou por extração), mais ele será produzido.

A AMAMENTAÇÃO FUNCIONA A PARTIR DO PROCESSO DE OFERTA X DEMANADA.

4 – RACHADURA NOS SEIOS

Os mamilos podem ficar doloridos nos primeiros dias de amamentação. Porém, dor em excesso e prolongada deve ser um sinal de alerta, ainda mais quando aparecem fissuras, marcas e até mesmo bolhas nas mamas.

Para evitar isso, é essencial que se descubra posições confortáveis (veja no próximo tópico) para que o bebê possa fazer a “pega” correta. Além disso, evite usar produtos que retirem a proteção natural do seio para que o problema não se torne pior.

Dicas como aplicar o leite antes e depois do bebê amamentar, além de deixar os mamilos expostos por um tempo para ventilação, são possibilidades para evitar as rachaduras nos seios.

5 – POSIÇÕES DESCONFORTÁVEIS

O bebê precisa se sentir confortável e seguro para poder amamentar corretamente. Por isso, é importante que se esteja atenta à forma de pegá-lo e segurá-lo durante a amamentação.

Muitas vezes, leva-se um tempo até descobrir a posição mais confortável para o bebê e você. Por isso, é importante experimentar algumas posições até encontrar a ideal.

MUITAS MAMÃES PRECISAM ENCONTRAR A MELHOR POSIÇÃO NO MOMENTO DA AMAMENTAÇÃO.

Quando os bebês se sentem confortáveis, eles conseguem realizar a “pega” correta, que é quando ele consegue colocar toda a aréola (a parte mais escura do peito) na boca, realizando a sucção de uma forma mais correta.

Por isso, uma posição confortável proverá, também, menores chances de que ocorram ferimentos ou dores nos seios. No caso de mamilos invertidos e planos (veja o tópico a seguir), muitas vezes é necessário uma ajudinha extra para que o bebê possa fazer a pega correta.

6 – PROBLEMAS COM OS MAMILOS

Uma dificuldade muito comum de quem está começando a amamentar, é quando o bebê não consegue fazer a “pega” corretamente, como vimos no tópico anterior. Essa dificuldade pode ter alguns motivos: o bebê talvez precise de um pouco mais de tempo para se adaptar, pode ser que ele não esteja confortável, ou pode ser, também, que a mãe tenha mamilos planos ou invertidos.

Você sabia que o formato do mamilo pode dificultar a amamentação?
Em resumo, há quatro tipos de mamilo: alongado, invertido, plano e normal. Os que mais provocam dificuldades no momento da amamentação são os de formato plano e invertido. Eles não são tão fáceis de “pegar” e, por isso, o bebê pode ter uma certa dificuldade em realizar a sucção.

TIPOS DE MAMILO

Embora o formato do mamilo possa dificultar a amamentação, nem tudo está perdido. Mulheres com bico invertido podem encontrar soluções para amenizar o problema, como usar bomba de sucção para ajudar na projeção do mamilo.

Já para mulheres com formato do bico plano, a orientação é aplicar compressas frias e realizar massagens nas auréolas para auxiliar no momento da amamentação.

7 – FALTA DE APOIO E PREPARO

A amamentação vai além de ser apenas alimentação. A amamentação envolve um conjunto de cuidados que auxiliam a criança a se desenvolver e crescer de forma saudável.

Para passar por qualquer dificuldade durante a amamentação, é essencial que a mulher se sinta apoiada e com a ajuda necessária para que essa fase seja o mais tranquila possível. Afinal, toda mãe precisa de tempo e apoio para continuar amamentando.

Mesmo mães que já tiveram um primeiro filho, podem experienciar uma situação diferente com o segundo filho. Assim, vale ressaltar que cada experiência com a amamentação é única e singular de cada mulher, e isso deve ser respeitado.

A melhor forma de se preparar para a amamentação é procurar informações confiáveis e buscar ajuda profissional. Hoje em dia, é possível contar com ajuda especializada para a fase da amamentação, como é o caso das consultorias em amamentação.

As consultorias em amamentação visam propiciar à mulheres um suporte individualizado e personalizado acerca dessa fase tão delicada e cheia de desafios que é a amamentação.

Pensando nisso, a Famivita disponibiliza Consultoria em Amamentação 100% online. Com esta consultoria é possível obter todas as orientienções de amamentação no conforto de casa em uma sessão de 45 minutos. Você pode agendar a sua consultoria aqui neste link.

É consenso entre todos a importância da amamentação para o bebê; afinal, nenhuma fórmula é capaz de se aproximar de todos os nutrientes que só o leite materno contém. A mulher, então, se torna protagonista nesse processo, pois somente ela é a fonte provedora desse alimento rico e tão especial necessário para o bebê.

Entretanto, a falta de informação e suporte, além do excesso de julgamento e cobranças, podem tornar a amamentação uma fase complicada. Por isso, buscar informação, suporte e acolhimento para passar por essa fase é essencial para tornar a jornada mais leve tanto para a mãe, quanto para o bebê.

SOBRE A MARCA: A Famivita reinventa e abre caminhos para chegar à gravidez sem necessidade de recorrer a tratamentos complexos e caros. Todos os produtos são desenvolvidos em conjunto com especialistas em fertilidade, médicos e as próprias mães, tendo o devido reconhecimento perante a Anvisa. Você pode encontrar todos os produtos Famivita aqui e pode verificar histórias reais e de sucesso de mulheres que conseguiram engravidar usando os nossos produtos aqui.

SOBRE A AUTORA – PATRICIA AMORIM: Mãe de Joana, de Eduardo e de Melissa com um total de 7 anos de experiência em tentativas para engravidar. Ela é a idealizadora da marca Famivita e de um dos maiores portais de maternidade do Brasil, o Trocando Fraldas, que conta mais de 3 milhões usuárias mensais. Seu canal do YouTube possui mais de 250 mil inscritas.