A anestesia raquidiana antes do parto, às vezes parece ser um bicho de 7 cabeças, mas confesso que não é assim esse drama todo. Ultimamente com o desenvolvimento da medicina as anestesias estão mais adaptadas e mais confortáveis ao uso. Dependendo do tipo de parto que você escolha ou precise, é um tipo diferente de anestesia.

Em cesárea é a raquidiana mesmo se bem que no meu último parto a anestesia foi combinada, uma parte raqui e a outra peridural. Confesso que foi a melhor recuperação dos três partos que tive. Mas o medo é comum, ainda mais se for o seu primeiro parto, a gente chega na sala de cirurgia muito apreensiva, mas saiba que todos os médicos são muito bem preparados para o procedimento. Comigo o anestesista fez uma série de perguntas e essas, acredito que são de praxe.

Como é Aplicada a Raquidiana?

Perguntas comuns que são feitas e são de fácil resposta. Raqui ou Raquidiana é aplicada na baixa coluna. Eu mesma tomei mais em baixo, quase na lombar, assim ela não sobe na hora da cirurgia.

A Raqui Dói?

Normalmente a raqui não dói, pois, antes da aplicação, o médico anestesista passa um anestésico tópico, que ameniza ou até mesmo extingue a dor. Daí uma canaleta bem fina e longa, mas maleável é introduzida entre as vértebras da coluna, no liquor. Aí logo em seguida o efeito pode ser sentido. Ora uma sensação de quente descendo pelas pernas, ora uma sensação de peso, mas há quem diga que não sentiu nada.

Aproveitando o espaço, gostaria de contar uma novidade para nossas leitoras gestantes. Eu e a empresa Famivita em parceria, desenvolvemos um polivitamínico gestacional pensando nas necessidades e também nas dificuldades das gestantes. Com todas as vitaminas e minerais importantes para o desenvolvimento fetal e para a saúde da mãe, a vitamina FamiGesta tem um diferencial, que é o tamanho da cápsula que facilita muito engolir durante as fases de constante enjoo e náuseas. Você pode adquirir sua vitamina aqui em nossa loja virtual.

Anestesia Raquidiana Efeitos Colaterais

Os efeitos colaterais da Raqui podem ser sentidos ainda na sala de parto: pressão baixa demais, sensação de não conseguir respirar, peso do peito e tontura. Mas devemos lembrar que o médico está ali justamente para ajudar, e amiga, não se preocupe é passageiro.

Outros efeitos colaterais da Raqui é formigamento no pós-operatório, tremores sem sensação de frio, coceira ou irritação na pele durante algumas horas após a aplicação da anestesia. Algumas mamães sentem muito frio, e é comum também. Eu tive a maioria desses sintomas, mas foram em diferentes ocasiões e não todos ao mesmo tempo. Posso dizer de cadeira que não é nenhum fim do mundo, passa rápido!

Contras da Raqui

Um contra da Raqui é a amamentação pós-cirúrgica. Sabe o por quê? Porque na maioria das vezes após a cirurgia, a mamãe não pode levantar a cabeça pelo risco de cefaleia pós raqui. É uma enxaqueca forte que acomete a paciente e é comum que aconteça, por isso, eles pedem para não levantar o tronco. Esse cuidado evita que esse incômodo apareça. É muito importante o repouso durante um tempo no pós operatório.

Recentemente esse tempo diminuiu de 24 para 12 horas, mas já há algumas que pedem apenas 6 horas de repouso. Há medidas a serem tomadas quando a mamãe apresenta a cefaleia pós raqui que são muito eficazes.

A raqui é indicada para cesarianas mas ela também pode ser usada proporcionalmente em partos normais por ser anestésico imediato. Enfim a raqui parece ser a vilã do parto, mas na verdade ela é ótima. Converse com o anestesista antes do parto, uma consulta para tirar todas as suas dúvidas é uma boa e deixará você mais tranquila!

Dúvidas das Leitoras:

Anestesia raqui pode deixar sequelas?

A substância em si não, mas a forma que é aplicada pode sim provocar sequelas. Se mal aplicada entre as vértebras pode ferir o nervo da coluna e causar dores crônicas na cabeça. Antigamente os riscos se estendiam até para perda de movimentos das pernas pela grossura da agulha utilizada. Hoje em dia, como a agulha é muito fina esse risco é praticamente nulo.

Veja também: Parto cesárea Eu fiz!

Foto: Andres Rueda