Olá pra quem está lendo! Gostaria de me apresentar:  meu nome é Patricia, tenho 34 anos (faça as contas ai, nasci em 1980, eu sei já estou ficando velha)  e sou mamãe orgulhosa de 3 filhos. Meus gremlins são duas meninas e 1 menino de idades distintas 13, 8 e 3 anos. Quero aqui neste site, passar um pouco da minhas experiências como mulher, mãe e amiga dos meus filhos. Relatando e também trocar experiências com quem quiser interagir comigo.

O nascimento tão esperado foi cheio de sustor e surpresas.

A primeira vez a gente não esquece mesmo! Desde pequena queria ser mãe, meu instinto materno sempre foi muito evidente e sonhava no dia em que eu viria a ostentar e acariciar um barrigão onde moraria por algum tempo a pessoa mais importante da minha vida! Aos 18 anos encontrei o grande amor da minha vida, aos 20 nos casamos e aos 21 estava grávida da minha primeira filha.  A gravidez ocorreu sem maiores problemas, com exceção de um cálculo renal que inventou de sair logo na gravidez, e isso estava no 6º mês de gestação.

Quando estava com 35 semanas, comecei a perceber que minha calcinha ficava molhada e mais do que seria normal.  Fomos meu marido e eu pra maternidade várias vezes, até que no dia da consulta com meu GO(ginecologista obstetra), ele me passou uma ultrassom para ver se estava tudo normal. Mas antes de ir para a ultrassonografia, ele fez um exame de toque que não conseguiu detectar nada. Enfim, na sala de ultrassom sendo examinada pelo médico especialista que fez várias perguntas e toda aquela situação foi me preocupando, até que ele disse que o liquido estava realmente diminuído e que o melhor a fazer seria levar imediatamente o resultado ao meu médico.

Chegando lá, ele leu o laudo e com olhar preocupado me mandou tomar 3 injeções de Celestone, (um corticoide que faz o pulmão do bebê amadurecer com maior rapidez) e que faríamos o parto dali a 3 dias, no sábado! Meu coração ficou pequenininho de preocupação, será que minha filha estava sofrendo?

O Grande Momento Mágico se Tornou Preocupante…

Enfim o grande dia chegou! Fomos eu (claro! dãaaa kkkk) meu marido e minha sogra pra maternidade. Um clima gostoso pois, sabia que logo veria minha filha. Mas no fundo meu coração não estava tranquilo…

Cheguei na maternidade e esperando pela internação,  cada minuto parecia uma eternidade. Enfim meu médico chegou e me levou pra sala de pré parto e uma enfermeira me pediu que colocasse uma camisola bem interessante, dessas que deixa a retaguarda completamente desprotegida. E eu ali me despedindo da barriga que eu tanto amei, e logo veria minha filha tão amada, esperada e querida…

Entrei no centro cirúrgico, sentei na mesa de cirurgia e lá veio o anestesista que se apresentou. Um senhor com cara de boliviano. Estatura baixa, mas de olhar muito carinhoso e conversando comigo para me tranquilizar. Foi contando histórias que  me faziam rir. Em dado momento ele pediu pra que a enfermeira viesse e me segurasse. Eu sentei com costas retas e lá veio a picada que eu temia, mas sinceramente?

Não senti nadinha!  A anestesia foi a raqui e foi tranquilo demais e logo senti minhas pernas esquentarem e ficarem pesadas. Aí entra meu médico e diz que eu já iria ver minha pequena garotinha. Dali uns 10 minutos, não mais que isso eu escuto um resmungo bem fraco e a equipe correndo de um lado pro outro e como não tinha experiência nenhuma no assunto, afinal, era minha primeira filha, achei normal! Fiquei tranquila mas senti que havia algo de errado naquela situação, levaram-na pra outra sala e veio a pediatra me fazer algumas perguntas. Eu já estava aflita quando ouvi minha filha chorar lá looonge…

Veja Também: Segunda parte do relato de parto

Foto: c.o.m.a.t.o.s.e