A amamentação pode ser um assunto que gera inúmeras dúvidas, sobretudo nas mães de primeira viagem. Entretanto, quando falamos de certas doenças que aparecem com a amamentação, esse assunto parece ficar ainda mais confuso.

Um dos exemplos mais claros disso é quando falamos da candidíase mamária, um tipo de doença que pode aparecer de diversas formas em uma mulher, inclusive por conta da amamentação, mas que independe de fatores como a pega e a saúde do bebê, por exemplo. E por ser um assunto tão delicado e não tão discutido, é necessário entendermos melhor o que é essa doença, por que ela surge e o que ela tem a ver com a amamentação.

O Que é a Candidíase Mamária?

A candidíase mamária se caracteriza por uma infecção nos seios que pode atingir somente o mamilo, o mamilo e a aréola ou até mesmo os ductos lactíferos. A infecção é causada geralmente por fungos e pode causar feridas de difícil cicatrização. O fungo causador da doença tem o nome de Candida albicans.

A doença ocorre geralmente quando o sistema imunológico da mulher está muito baixo, ou seja, ela pode ser uma doença autoimune, mas também pode ser passada do bebê para a mãe durante a amamentação, o que é bastante comum.

Nesse caso, o bebê pode ter o que é chamado de candidíase oral, doença conhecida também como sapinho que causa manchas brancas ao redor da boca e também internamente, mas o bebê pode passar a doença para a mãe sem que ele possua algum tipo de infecção.

Principais Sintomas da Candidíase Mamária

Podemos citar os principais sintomas da candidíase mamária como:

Grávida 4 anos depois do 1°!
"Lutei quase 4 anos para engravidar de novo! Saiba o que mudou a minha história." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida 4 anos depois do 1°!
"Lutei quase 4 anos para engravidar de novo! Saiba o que mudou a minha história." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
  • Fortes dores no mamilo;
  • Sensação de queimadura dentro das mamas;
  • Coceira;
  • Vermelhidão;
  • Feridas nos seios que demoram a cicatrizar;
  • Fissuras na divisão do mamilo com a aréola;
  • Pele avermelhada na região dos seios

Esses sintomas podem aparecer juntos ou separadamente e nem sempre todos acontecem com todas as mulheres que possuem a doença, tudo depende do sistema imunológico da mulher, da gravidade da doença e até mesmo da forma que ela está ou não sendo tratada.

Esses fatores também influenciam para que o processo de cura seja mais rápido ou mais demorado e qual o tratamento ideal a ser feito.

Tratamento da Candidíase Mamária

O tratamento da doença normalmente é feito à base de antifúngicos, que são tomados por cerca de 3 semanas até os sintomas desaparecerem completamente. Além disso, o uso de pomadas tanto para combater os fungos quanto para ajudar na cicatrização das feridas também é feito no combate à doença.

Algumas atitudes devem ser adotadas durante o tratamento, sendo a mais importante delas manter a região da mama seca no intervalo entre as amamentações do bebê. Isso porque o Candida albicans se prolifera muito bem em ambientes úmidos, o que pode acabar dificultando o processo de tratamento da candidíase mamária.

Se o bebê apresentar sintomas da candidíase oral, o tratamento dos dois precisa ser feito ao mesmo tempo para evitar que haja uma nova infecção e a doença volte.

Como Prevenir a Candidíase Mamária?

Apesar de ser um doença indesejável e que pode se desenvolver com certa facilidade, dependendo do caso, existem algumas atitudes que podem ajudar a prevenir que a candidíase mamária apareça. Elas são:

  • Não dar de mamar com bicos artificiais, já que eles facilitam a proliferação de fungos.
  • Manter as mamas sempre secas
  • Sempre lavar as mãos
  • Manter as mamas arejadas
  • Não utilizar produtos que deixem as mamas abafadas ou úmidas

Essas pequenas atitudes ajudam na prevenção da candidíase mamária e também na candidíase oral no bebê, já que quando você tem menos contato com fungos, o bebê consequentemente também vai ter. Vale lembrar que essas atitudes não te livram totalmente do risco de desenvolver a candidíase mamária, já que ela também é uma doença autoimune.

O Bebê Pode ser afetado?

Você já percebeu que a doença pode ser transmitida do bebê para a mãe. Mas será que ele pode ser afetado de outra forma? A resposta é sim. Não como uma doença, mas infelizmente a hora da amamentação não vai ser tão prazerosa enquanto a mãe estiver com candidíase mamária.

As dores nos seios, que são sintomas comuns da doença, costumam piorar na hora da amamentação, o que acaba dificultando e, indiretamente, afetando o bebê de alguma forma. Ainda assim, isso não é nada que vá prejudicar a alimentação nem a nutrição do bebê, mas lembre-se de fazer o tratamento de forma rigorosa para que o processo de cura seja feito de forma mais rápida.

Doenças como a candidíase mamária são mais comuns do que imaginamos, mas também são doenças que podem ser tratadas e que não oferecem um risco tão grande à sua saúde. Apesar disso, uma doença desse tipo com certeza causará certo incômodo, além de fazer com que você tenha que ter uma preocupação a mais além das diversas que já possui com o bebê.
Por isso é tão importante receber apoio nessas horas e poder contar com pessoas que possam te ajudar. Com certeza em pouco tempo você estará boa de novo e podendo retomar sua rotina comum como mãe e com as preocupações que todas elas possuem.

Veja Também: Bico do Peito Rachado – O Que Fazer?
Foto: Nikon D90