No dia 20 de marco de 2014 tive a notícia que seria mamãe novamente. O medo então bateu mais forte em mim, pois em março de 2013 fiquei grávida e perdi o bebê dia 09 de abril. Parecia um filme se repetindo novamente na minha vida!

Marquei minha primeira ultra sem falar nada pra ninguém, queria ter a certeza que estava tudo bem com meu bebê, pois na gestação que perdi avisei todo mundo que estava indo e voltei arrasada com a notícia que meu bebê não se desenvolvia. Liguei no consultório e a data que me deram pra fazer foi 9/04, parecia que tudo se repetiria. Sai de casa cedo e quando cheguei ao laboratório pra fazer a ultra o dr Luiz Fernando que já me conhecia me atendeu. Eu não olhei para o monitor de tanto medo até escutar o som mais lindo do mundo. O coração do meu bebê batia forte e o dr me disse então:

Pode olhar mamãe, esta tudo bem com seu bebê.

Eu chorei muito ali sozinha! Quando sai liguei pra minha mãe e contei que estava tudo bem e que eu havia acabado de fazer a ultra, ela ficou brava porque queria estar comigo nesse momento, mas eu tive tanto medo de não ter boas notícias que não quis que ninguém ficasse sabendo. Eu já estava fazendo meu pré natal e cada semana que passava era um alivio, tudo ia bem, eu continuava a fazer meus exercícios, com menos intensidade e a professora Cris passava coisas que eu podia fazer sem prejudicar a gestação.

Fui fazer a TN com 12 semanas e mais uma vez o frio na barriga me acompanhava, parecia que eu ficava tensa 24 horas com medo de algo acontecer. Graças a Deus mais uma vez DEUS não me desamparou e meu bebê estava bem e perfeito. Eu enjoava muito kkkkk… todos os dias, era raro ter um dia que eu não vomitasse. Nem dramin fazia efeito!

Eu estava louca pra saber o sexo do bebê (como toda mãe kkkkk) na TN o médico nem arriscou palpite. Marquei então a morfológica em uma clínica na cidade vizinha. Desta vez fui com meus dois filhos mais velhos (Dyohana,14 – Vinicius,7) e meu pai e minha mãe. Meu marido estava no trabalho. Quando chegou minha vez corremos para sala e adivinhem? Não conseguimos ver o que era. O médico disse q 70% de chance era uma menina mas que não ia me dar certeza porque o cordão estava passando na frente.

Bom, o mais importe foi que tudo ainda corria bem, resolvi relaxar um pouco mais e curtir minha gestação, foi ai que os problemas começaram. Acordei no meio da noite com uma forte dor no lado esquerdo do peito, era quase insuportável, não acordei meu marido e fiquei esperando a dor passar. Dois dias depois tinha pré-natal e levei uma bela bronca da médica porque não fui correndo ao hospital. Ela disse q a dor que relatei era semelhante a um princípio de infarto, como assim. Infarto aos 31 anos? Bom lá se foi meu sossego e fui atrás de um cardiologista e fazer vários exames pra saber o que acontecia, nessa hora minha calma e tranquilidade acabaram.

Fiz os exames e não foi constatado nada, o cardiologista me orientou a correr imediatamente ao hospital caso a dor voltasse a se manifestar por mais fraca que fosse. Graças a Deus o susto passou. Marquei nova ultra com dr Luiz Fernando queria saber o sexo do meu bebê e começar o enxoval. Desta vez fui sozinha era perto de casa mesmo e mal ele começou me examinar já me disse É UMA MENINA, mais lágrimas vieram em meus olhos.

Tudo ia bem, 6 meses de gestação, enjoos ainda fortes kkkk, minha menina já começava ganhar suas roupas, até que fui atravessar a rua e senti uma travada no quadril, não liguei muito e achei normal. Na próxima consulta falei pra medica o que estava acontecendo, e ela disse que eram contrações de treinamento. Ela foi me examinar e minha paz novamente veio abaixo. Meu colo estava abrindo e minhas contrações não eram de treinamento e sim porque minha filha queria vir ao mundo antes da hora.  Parecia que era só eu relaxar que tudo mudava. Ela me mandou fazer repouso e passou um medicamento pra que minha filha não nascesse prematura.

Minha mãe estava comigo e passamos na farmácia, quase cai de costas quando vi o preço do remédio. Era quase 70 reais a caixinha que dava pra 5 dias, eu fiquei desesperada. Minha mãe me disse pra ter calma que daríamos um jeito. E assim foi, ela comprava uma caixa, depois meu sogro me comprava uma e depois eu. A maioria foi meu pai e minha mãe. Tive até ajuda de uma pessoa da internet a Leticia Murta que me enviou uma cartelinha do remédio que ela ainda tinha sem me cobrar nem o frete.

Assim foi o final da gestação, remédios e repouso. Minha mãe que lavou todas as roupinhas pra mim e sempre do meu lado me ajudando com tudo. Desde o início da gestação eu queria um parto o mais natural possível, não queria anestesia nem corte nenhum a não ser que não tivesse escolha e fosse pelo bem da minha filha nascer de parto cesáreo. Quando a medica me liberou pra parar de tomar o remédio foi um alivio, cheguei as 36 semanas kkkk ai minha filha resolveu que não ia nascer agora kkk a médica até brincava que inibimos tanto a chegada dela que agora ela não queria vir kkk

Fiz book e tudo esperando por ela e no dia 11/11 dia do aniversário do meu filho fui a uma maternidade e mandaram eu voltar pra casa que não era hora. Dia 12/11 tinha consulta, a medica não acreditou quando me viu, cheguei as 39 semanas e 5 dias. Eu estava enorme, minha barriga ficou gigante kkk eu dormia sentada porque deitar era impossível, pois bem ela descolou minha bolsa e disse que era pra ver se minha filha resolvia vir ao mundo ainda hoje. Ela me orientou a ir no hospital as 4 da tarde pra me examinarem.

Fui pra casa e arrumei minhas coisas, almocei, tomei um banho bem quente pq minhas costas doíam. As 4 chamei meu sogro que me levou no hospital, fui só com uma bolsinha com documentos não avisei nem meu marido, achei q seria rotina. Cheguei no hospital 16:30 e quando fui examinada estava com 6 de dilatação e o médico me disse que minha filha ia nascer . Eu fiquei tão feliz e disse e agora dr eu não trouxe nada nem avisei ninguém, nem o pai está sabendo , ele disse depois a gente avisa. Fui para o pré parto e ele rompeu minha bolsa e me colocou no soro, vieram as contrações e eu sorria com cada uma delas. Liguei pro meu marido era 17:45 pedindo que ele fosse ao hospital e levasse as coisas porque a bebê ia nascer, ele assustou e disse que horas, eu respondi, não sei mas é logo kkkkk Cheguei aos 8 dedos e fui encaminhada pra sala de parto. Eu ria muito . Uma enfermeira perguntou se eu não estava sentindo dor, eu disse assim:

A dor de perder um filho foi a maior dor que senti, isso que estou sentindo não é nada. Só quero segurar minha filha e estou muito feliz. Ela sorriu e disse assim – nunca vi um parto tão animado!!!

Na sala de parto eu achei que não ia conseguir. Mas não desisti. Eu pedia que minha filha me ajudasse e ouvi do dr que ela estava ajudando que agora só ia depender de mim. Eu me enchi de forças e consegui, minha filha nasceu as 18:15, parto normal sem corte, sem anestesia pesando 4150kg e 51 cm. Foi do jeito que sonhei, eu e ela. Dependia apenas de nós duas sem ninguém pra interferir. Ela nasceu e não chorou, olhava todos com uma cara brava e eu via nela a cara de bravo do meu marido. Perguntei ao médico se era normal, ele disse, calma, ela está reconhecendo o terreno. Depois ela chorou teve seus primeiros cuidados e a trouxeram pra mamar. Com é magico esse momento. Quando ela nasceu eu ria muito e agradecia a Deus, tudo que passei na gestação valeu a pena. Tive um parto magico. Meu marido já estava aflito do lado de fora sem notícias e então fui pro quarto e o levaram pra lá. Ayla olhou pro pai e sorriu, ele ficou com uma cara de bobo kkkk

Sai da sala de parto e no quarto já liguei pra minha mãe falando se ia me ver no horário de visita e ela queria saber se a bebê ia demorar pra nascer, eu disse – ela já está aqui comigo, já nasceu. Foram todos pro hospital e foi uma alegria imensa ver minha filha sendo recebida com tanto amor por todos.

As 8:30 da noite eu já estava tomando banho e andando pelo quarto super bem.  Desde então minha vida é só alegria do lado de ayla e seus irmão. Nossa família é completa e abençoada por DEUS.

Veja Também: A Descoberta da Gravidez – Relato de Joseane Simão

Fotos: Acervo Pessoal