A cirrose é uma doença progressiva, que se desenvolve lentamente ao longo de muitos anos. É resultado de inflamações e agressões crônicas como o ataque de vírus (hepatites A B,C) ou abuso de bebidas alcoólicas. O acúmulo de tecido cicatricial pode eventualmente parar a função do fígado trazendo uma insuficiência hepática.

Condições de Desenvolvimento da Cirrose

Para que a cirrose se desenvolva, deve ocorrer um dano contínuo ao fígado. Quando o tecido hepático saudável é destruído e substituído por tecido cicatricial, a condição torna-se séria, pois pode começar a bloquear o fluxo de sangue através do fígado.

Função do Fígado

O fígado desempenha várias funções essenciais como, o processamento de nutrientes e medicamentos e remoção de substâncias nocivas do corpo. Também purifica o sangue, fabrica proteínas e nutrientes vitais, e ainda produz a bile, que atua na digestão.

Se a cirrose é leve, o fígado pode fazer reparos e continuar funcionando adequadamente. Se a cirrose é avançada, a formação de tecido cicatricial no fígado traz um dano irreparável.

O tecido do fígado é substituído por tecido cicatricial fibroso e podem também existir a formação de nódulos regenerativos. São partes que aparecem quando o fígado tenta curar o dano.

Causas da Cirrose

A cirrose pode acontecer por diversos fatores, mas alguns são apontados como as principais causas pelo grande número de pacientes confirmados.
As causas comuns de cirrose são:

Abuso de Álcool a Longo Prazo

Toxinas, incluindo álcool, são quebradas pelo fígado. No entanto, se a quantidade de álcool for muito alta, o fígado estará sobrecarregado e as células do fígado podem eventualmente se tornar danificadas.

Os bebedores pesados, regulares e de longo prazo são muito mais propensos a desenvolver cirrose, em comparação com outras pessoas saudáveis. Normalmente, o consumo excessivo de bebidas deve ser mantido durante pelo menos 10 anos para a cirrose se desenvolver.

Em geral, alguns estágios são alcançados antes que ocorra de fato a cirrose induzida por álcool, são eles:

Gordura no fígado – é um acúmulo de gordura nas células do fígado, também chamada de infiltração gordurosa ou doença gordurosa do fígado.

Hepatite por álcool – cerca de 35% daqueles que bebem muito desenvolverão uma hepatite alcoólica, onde as células do fígado incham e se inflamam.

Aproximadamente 10% dos bebedores compulsivos desenvolverão posteriormente a cirrose.

Infecção por Hepatite

A hepatite C é uma infecção transmitida pelo sangue, pode danificar o fígado e eventualmente levar a cirrose. A cirrose também pode ser causada pela hepatite B e D.

Esteatose Hepática Não Alcoólica (Gordura no Fígado)

A Esteatose Hepática em seus estágios iniciais, é um acúmulo de gordura nas células do fígado. Essa gordura causa inflamação e cicatrizes, resultando em uma possível cirrose mais tarde, caso não tenha tratamento adequado.

A Esteatose Hepática é mais provável ocorrer em pessoas obesas, pacientes com diabetes, com níveis elevados de lipídios (gordura) e pessoas com hipertensão arterial (pressão alta).

Hepatite Autoimune

O próprio sistema imunológico da pessoa ataca órgãos saudáveis no corpo como se fossem substâncias estranhas. Às vezes, o fígado é atacado. Eventualmente, o paciente pode desenvolver cirrose.

Doenças Genéticas

Hemocromatose – o ferro se acumula no fígado e em outras partes do corpo.

Doença de Wilson – o cobre se acumula no fígado e em outras partes do corpo.

Bloqueio de dutos biliares

Algumas condições e doenças, como câncer de canais biliares ou câncer do pâncreas, podem bloquear os canais biliares, aumentando o risco de cirrose.

Síndrome de Budd-Chiari

trombose (coágulos sanguíneos) na veia hepática, o vaso sanguíneo que transporta sangue do fígado. Isso leva ao aumento do fígado e ao desenvolvimento de vasos colaterais.

Outras doenças e condições que podem contribuir para cirrose incluem:

Fibrose cística – doença genética herdada dos pais

Colangite esclerosante primária – endurecimento e cicatrização das vias biliares.

Galactosemia – incapacidade de processar açúcares no leite.

Esquistossomose – um parasita comumente encontrado em alguns países em desenvolvimento.

Atresia biliar – dutos biliares malformados em bebês.

Doença de armazenamento de glicogênio – problemas no armazenamento e liberação de energia vital para a função celular.

Sintomas da Cirrose

Os sintomas não são comuns durante os estágios iniciais da cirrose. No entanto, à medida que o tecido cicatricial se acumula, a capacidade do fígado para funcionar corretamente é prejudicada. Podem ocorrer os seguintes sinais e sintomas:

  • Vasinhos de sangue tornam-se visíveis na pele do abdômen superior.
  • Fadiga
  • Insônia
  • Coceira na pele
  • Perda de apetite
  • Perda de massa corporal
  • Náusea
  • Dor na área onde o fígado está localizado
  • Palmas das mãos vermelhas ou manchadas
  • Fraqueza

Sinais da Cirrose Mais Avançada

Os seguintes sinais e sintomas podem aparecer à medida que a cirrose hepática progride:

  • O abdômen enche-se de líquido, dando ao paciente uma grande barriga (ascite).
  • Batimentos cardíacos acelerados
  • Personalidade alterada (as toxinas no sangue se acumulam e afetam o cérebro)
  • Sangramento nas gengivas.
  • Perda de peso
  • Dificuldade de o corpo processar álcool
  • Dificuldade do corpo em processar outros tipos de drogas
  • Confusão mental
  • Tontura
  • Acumulo de fluido nos tornozelos, pés e pernas (edema)
  • Perda de cabelo
  • Tendência para formar hematomas com facilidade
  • Icterícia (amarelamento da pele, brancos dos olhos e língua)
  • Perda de libido (desejo sexual)
  • Problemas de memória

Outros sintomas mais frequentes na cirrose mais avançada, são: fezes mais frequentes (suscetível a infecções), cãibras musculares, hemorragias nasais, dor no ombro direito, falta de ar, fezes pretas, ou muito pálidas, urina escura (cor de Coca-Cola) e sangramento do trato gastrintestinal.

Diagnóstico da Cirrose

Um dos principais métodos de diagnóstico é através do exame de sangue. Como raramente existem sintomas no início da doença, a cirrose é frequentemente diagnosticada quando o paciente está fazendo exames por alguma outra condição ou doença.

Os seguintes exames também podem ser solicitados:

Transaminases – estas enzimas residem dentro das células do fígado. Mas quando o fígado está com problemas, estas enzimas são derramadas no fluxo de sangue. O exame solicitado, verifica se os níveis de ALT ou TGO (alanina transaminase) e AST ou TGP (aspartato transaminase) estão elevados.
Exames de Imagem – ultra – sonografia, tomografia computadorizada ou varredura de ressonância magnética. Além de ver se o fígado está aumentado, o médico também poderá detectar cicatrizes ou nódulos.
Endoscopia – um tubo longo e fino com uma câmera de luz e de vídeo no final, desce pelo esôfago do paciente até o estômago. Lá o médico verifica se existem vasos sanguíneos inchados (varizes), um sinal distinto de cirrose.
Biópsia – uma pequena amostra de células do fígado é extraída e examinada sob um microscópio. A biópsia pode confirmar a cirrose e sua causa.

Tratamentos Para Cirrose

Se a cirrose é diagnosticada suficientemente cedo, os danos podem ser minimizados pelo tratamento da causa que levou a esta condição.

Tratamento de Dependência de Álcool

É importante que o paciente pare de beber se sua cirrose foi causada por um consumo intenso e regular de álcool a longo prazo. Em muitos casos, o médico recomendará um programa de tratamento para o alcoolismo.

Medicamentos

O paciente pode utilizar de medicamentos para controlar o dano das células do fígado causado pela hepatite B ou C.

Transplante

Casos mais graves de cirrose acabam sendo encaminhados para o transplante de fígado — o órgão perdido é substituído por outro, de um doador. Os médicos, no entanto, tentam o possível para não chegar a essa solução. Daí a importância da detecção precoce.

Prevenção da Cirrose

No caso do álcool, deve-se evitar o seu uso excessivo. Indivíduos que têm cirrose devem abster-se completamente do álcool. O álcool acelera a progressão da doença.

Apesar de apenas uma minoria das pessoas que bebem demais terem cirrose, o risco aumenta proporcionalmente à quantidade e ao tempo de consumo. Sabese, também, que doses menores de álcool podem provocar cirrose em mulheres.

A melhor prevenção das cirroses de origem viral é através da vacinação contra Hepatite B e dos rigorosos critérios de controle do sangue usado em transfusões.

É necessário o tratamento dos portadores das hepatites crônicas B e C, antes que evoluam para cirrose. E nos portadores de cirrose inicial, para prevenir que cheguem a estágios mais avançados. Infelizmente, até o momento não há vacina para Hepatite C.

Veja Também: Síndrome do Alcoolismo Fetal
Fotos: Bruceblaus