Vamos falar um pouco da anatomia feminina! A genitália feminina é formada por diversas partes internas e externas. Internamente é constituída por dois ovários, tubas uterinas, as trompas de falópio e o útero. Externamente, a vagina é o canal de ligação do sistema reprodutor feminino para a parte externa do corpo, que é totalmente comunicável com a vulva – a parte externa da genitália. A vulva, por sua vez, é formada por grandes e pequenos lábios (dobras que servem como proteção da vagina) e o clitóris. Na parte de cada lado da vagina, se encontram as glândulas acessórias responsáveis pela lubrificação vaginal, principalmente durante o ato sexual, que são chamadas glândulas de Bartholin.

Podemos perceber que as glândulas de Bartholin são essenciais no momento das relações sexuais devido à sua importância para a lubrificação vaginal. Para mulheres que apresentam secura vaginal e que, também, estão tentando engravidar, é importante que se faça uso de lubrificantes amigos da fertilidade que além de proverem lubrificação, não sejam prejudiciais aos espermatozoides. Pensando nisso, a empresa Famivita desenvolveu o FamiGel que além de fazer o papel do muco, aumenta a mobilidade dos espermatozoides e propicia aumento do prazer. Você pode encontrar o FamiGel aqui em nossa loja virtual.

Toda essa explicação detalhada sobre a genitália feminina é necessária para entendermos sobre o seu funcionamento e falarmos sobre um problema pouco conhecido e que pode assustar qualquer mulher quando recebe o diagnóstico: os cistos de Bartholin.

O que São os Cistos de Bartholin?

Cistos de Bartholin é o nome de uma inflamação ocasionada nas glândulas de Bartholin. Essa inflamação é ocasionada devido a obstrução da glândula por um acúmulo de líquidos dentro da própria glândula de bartholin, que dá a origem a presença de um cisto ou mais.

Normalmente, o cisto de bartholin é totalmente indolor e sem sintomas que evidenciem que está ocorrendo, inclusive pode se curar naturalmente sem ao menos se ter ciência prévia da ocorrência dele. Porém, quando nesse acúmulo de líquido ocorre, uma infecção com presença de pus pode provocar vermelhidão e muito incômodo na área, além de inchaço e possíveis expulsões de pus no local.

Causas do Cisto de Bartholin

Os cistos de bartholin podem afetar qualquer mulher, em qualquer faixa etária, mas ocorrem com maior frequência em mulheres sexualmente ativas. Os cistos ocorrem devido ao acúmulo do líquido lubrificante vaginal produzido pela glândula, o que gera possibilidades de acumular bactérias no local, resultando na bartolinite.

Essa infecção no local dos cistos de Bartholin pode ocorrer durante o ato sexual desprotegido (sem uso de preservativo), devido ao risco de contágio com as bactérias como a Chlamydia trachomatis ou a Neisseria Gonorrhoeae, entre outras que podem provocar a infecção em conjunto da inflamação.

Além dos riscos através da relação sexual desprotegida, esta condição pode ocorrer devido a maus hábitos de higiene íntima, como a lavagem incorreta da genitália feminina ou o contato de bactérias existentes no trato intestinal com as glândulas de bartholin. Com isso, conclui-se que a higienização adequada (o excesso de higiene também é prejudicial) e manter as relações sexuais com uso de preservativo são as melhores formas de se proteger e reduzir os riscos de ter o cisto de bartholin.

Sintomas do Cisto de Bartholin

O cisto de bartholin não costuma provocar sintomas e muito menos é contagioso. Mas caso seja apalpado, pode ser sentido nas pontas do dedo como uma espécie de caroço ou bolinha interna. Quando esse cisto se agrava, ocorre infecção, dentre outros sintomas que podem acontecer, como:

  • Local avermelhado e quente;
  • Inchaço da área;
  • Saída de pus;
  • Aparência de um furúnculo;
  • Febre

Foram observadas, também, dificuldades para sentar e andar, bem como durante as relações sexuais. Em alguns casos mais avançados, foram notados nódulos bem próximos da entrada vaginal. Caso note qualquer um desses sintomas, e mesmo que suspeite que seja um furúnculo, procure imediatamente um pronto atendimento ou seu ginecologista para avaliação.

Cisto de Bartholin na Gravidez Oferece Riscos?

Durante a fase gestacional, a ocorrência de cisto de bartholin não costuma ser tão preocupante. Primeiramente, porque na maioria das vezes ele se cura naturalmente, sem apresentar sintomas e maiores desconfortos. Além disso, não é nada prejudicial para a mulher e nem para o bebê durante o parto normal.

Mas caso o cisto de bartholin infeccione durante a fase gestacional, é de extrema importância passar pela avaliação do obstetra que indicará o melhor tratamento para a combater a bactéria sem oferecer riscos à gestante e ao desenvolvimento do bebê.

Tratamento do Cisto de Bartholin

O melhor tratamento indicado para a ocorrência de cisto de bartholin deverá ser analisado e indicado por seu médico ginecologista. Porém, normalmente os tratamentos são feitos à base de antiinflamatórios e analgésicos para reduzir os incômodos e sintomas. Em casos mais específicos, onde existe a presença de infecção e pus, podem ser receitados o antibióticos para agir de forma mais acentuada e potente.

Banhos de assento com água morna a quente podem ser indicados, também, para aliviar o inchaço da área e eliminar o pus de dentro do cisto de bartholin. Em casos mais específicos, pode ser recomendada a cirurgia de remoção do cisto de bartholin ou uma drenagem do líquido do cisto, ou até mesmo a retirada das glândulas de bartholin quando nenhum dos primeiros tratamentos proporcionaram um resultado satisfatório. Por isso, é necessária a análise minuciosa do médico ginecologista que estudará cada caso em particular e indicará o melhor tratamento ao caso.

O banho de assento é uma das melhores dicas naturais para aliviar os sintomas e auxiliar no tratamento. É realizado com água com a temperatura de morna a quente (até 35⁰C) por pelo menos 15 minutos e de preferência de 3 a 4 vezes ao dia. Dessa forma, as glândulas recebem um relaxamento o que faz com que o líquido em seu interior seja liberado naturalmente, reduzindo o inchaço e desconforto.

Junto da água para o banho de assento, podem ser utilizadas algumas ervas consideradas medicinais que ajudam no alívio dos sintomas e servem como uma espécie de analgésico. A casca de barbatimão, junto da casca de aroeira, por exemplo, prometem um alivio imediato ao desconforto e ao inchaço do local.
Foto: Tsaitgaist