Pode ser assustador ter uma cólica na gravidez já que se passa milhões de coisas pela cabeça. A maioria das mulheres experimentará algumas dores afinal, seu corpo está mudando a cada novo dia. E vamos combinar né! Não é tão fácil carregar um bebê crescendo em sua barriga.

Mas hoje vamos descobrir o que é normal, o que não é, e como saber a diferença

Cólica é um sintoma comum, mas muitas vezes pode assustar, principalmente se ocorrer durante a gravidez. Portanto, pode ser útil saber que as cólicas são a resposta do útero a praticamente qualquer coisa que esteja acontecendo com ele ou próximo dele.

O que é a Cólica?

O útero é um músculo, e a única coisa que um músculo sabe fazer é se contrair, e uma contração é sentida como se fosse uma cãibra. Isso significa que a qualquer momento o útero pode ser estimulado.

Seja por uma bexiga cheia, um exercício mais puxado ou outra coisa, a resposta natural é a contração. O importante é descobrir quando a cólica na gravidez é uma preocupação e quando não inspira maiores cuidados.

O Que Pode Causar Cólica na Gravidez?

Alguns fatores que podem desencadear cólica na gravidez a qualquer momento incluem:

  • Ficar com bexiga cheia;
  • Ter um orgasmo;
  • A prática de exercícios;
  • Relações sexuais;
  • Uma infecção do trato urinário.

A Cólica no Início da Gestação é Normal?

A cólica no início da gestação é comum. A boa notícia é que existem muitas razões normais e não preocupantes pelas quais uma mulher pode sofrer cólicas durante o início da gestação:

Primeiro Trimestre – Para algumas mulheres, a cólica na gravidez é o primeiro sinal de que elas estão grávidas. É comum sentir cólica quando o óvulo fertilizado se implanta na parede uterina. Isso é chamado de cólicas de implantação, ou nidação, e pode parecer que a menstruação está prestes a começar.

O rápido crescimento do útero nos dois primeiros trimestres também pode levar a cólica na gravidez. Além disso, os níveis de hormônio que variam a todo instante podem levar ao aumento dos gases, inchaço e constipação.

A maioria das mulheres terá cólicas na gravidez suaves e intermitentemente durante as primeiras 16 semanas. Uma preocupação que muitas mulheres têm quando experimentam cólicas no início da gravidez é estar sofrendo um aborto espontâneo. Mas, as cólicas em si, não são um sinal de aborto espontâneo e elas também não causam um aborto espontâneo.

Os abortos espontâneos geralmente ocorrem quando há desenvolvimento anormal em um ovo ou embrião (geralmente causado por anormalidades cromossômicas) e o corpo responde eliminando a gravidez.

As cólicas na gravidez associadas ao aborto espontâneo são realmente causadas quando o sangue e o tecido que deixa o útero o irritam, fazendo com que ele se contraia.

Segundo Trimestre – O segundo trimestre pode ser o momento em que é menos provável experimentar cólicas na gravidez ou outros sintomas desconfortáveis deste período.

Uma exceção é com mulheres grávidas de mais de um bebê, uma vez que o útero cresce mais rapidamente e atingirá proporções do terceiro trimestre já no segundo trimestre.

Outra exceção comum é a dor do ligamento redondo do útero, que ocorre quando esse ligamento que suporta o útero é esticado à medida que o mesmo cresce. Esse tipo de dor benigna é geralmente é rápida e afiada.

Uma causa mais séria, mas também mais rara de cólicas no segundo trimestre é a fibrose uterina. Essa condição consiste no crescimento de tumores benignos dentro e nas paredes externas do útero.

Esses tumores podem parar de crescer no segundo trimestre, porque não há sangue suficiente para sustentar seu crescimento. Quando isso acontece, a dor é bastante forte preocupante.

Geralmente acontece entre 15 e 18 semanas de gravidez e qualquer mulher que tenha uma história de fibrose uterina deve estar atenta às cólicas nesta fase da gravidez, porque pode ser preciso internamento hospitalar para administrar a dor efetivamente até que ela passe.

Terceiro Trimestre – O terceiro trimestre é quando as famosas contrações de treinamento (Braxton Hicks) costumam aparecer. Estas são as mesmas contrações que a mulher experimentará quando o trabalho de parto for iniciado, mas a diferença é que elas não vão avançar para ele.

Claro que, quando as cólicas ocorrem no terceiro trimestre ou mesmo no segundo, é importante descartar a possibilidade de estar caminhando para um trabalho de parto prematuro.

Quando a Cólica na Gravidez Não é Preocupante?

Nas Relações sexuais – A relação sexual é uma das causas mais comuns de cólica na gravidez. Isso porque o sêmen contém prostaglandinas que estimulam o útero.

Sem dúvida ter uma relação sexual é um ótimo método para relaxar, mas as mulheres grávidas experimentarão muitas vezes após o ato sexual cólicas que podem ser bem fortes. Então se você sentir cólica logo após uma relação sexual, não se preocupe com ela, isso é absolutamente normal.

Na Mudança de Posição – Se sentir cólica na gravidez, mas ao mudar de posição ela melhorar, não se preocupe! Isso geralmente é um sinal de que a cólica está relacionada ao alongamento do útero ou dos seus ligamentos de apoio.

Antes de ir ao banheiro – Se uma mulher sentir cólica, mas ao soltar um pum ou ir ao banheiro essa cólica passar, isso significa que a dor é mais provável estar relacionada a um problema gastrointestinal ao invés do útero.

Quando Se Preocupar com a Cólica na Gravidez

  • Várias contrações seguidas – Se sentir 6 ou mais contrações em uma hora, pode ser sinal de parto prematuro.
  • Tontura e sangramento – cólicas acompanhadas de tontura ou sangramento (especialmente se ainda a gravidez não foi confirmada com um ultrassom), pode ser um sinal de uma gravidez ectópica. O sangramento também pode ser um sintoma de aborto espontâneo ou placenta prévia, uma condição em que a placenta cobre o colo do útero.
  • Corrimento rosa – é um sinal sério de trabalho de parto prematuro, porque pode significar que seu comprimento cervical está mudando.
  • Cólicas persistentes – quando está grávida de múltiplos (o que aumenta o risco de parto prematuro), tem antecedentes de parto prematuro ou gravidez ectópica ou foi diagnosticada com um colo acostumado baixo.
  • Dor nas costas ou abdominal – se esta dor é intensa e associada a náuseas, vômitos e / ou febre. Estes podem ser sintomas de apendicite, cálculos renais ou doença da vesícula biliar.
  • Dor que não melhora – Se a cólica na gravidez não melhora ao longo do tempo ou com a mudança de posição, então esse é um motivo para se preocupar.

Como Aliviar a Cólica na Gravidez

O primeiro conselho é se desligar, descansar, beber bastante líquido. Se precisar de alívio da dor é importante consultar o médico para saber qual medicamento tomar.

Não use uma bolsa térmica no abdômen, aumentar a temperatura do útero é perigoso durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre.

Reduzir a atividade física, fazer alongamentos e pausas sentadas ao longo do dia. As cólicas tendem a ser piores depois de longos períodos em uma mesma posição. Tomar um banho quente e relaxante todas as noites antes de ir para a cama.

O uso de uma cinta de sustentação para a barriga também pode oferecer algum conforto contra a cólica na gravidez. É recomendada uma cinta elástica com velcro simples, usada sob a barriga que é ajustável e não muito restritiva.

E o mais importante! Você sempre deve se sentir à vontade para entrar em contato com seu médico quando houver preocupações com a cólica na gravidez. Como eu sempre digo: é melhor pecar pelo excesso!

Veja Também: Contrações, Como Perceber Que a Hora do Parto Chegou?

Fotos: Greyerbaby