À medida em que a gestante chega perto da data prevista do parto, pode ter uma pergunta em mente, que é: Como saber se estou dilatando? Essa dúvida é normal, principalmente para as mães de primeira viagem. Mas não se preocupe! Existem vários sinais que mostram que você está caminhando para o trabalho de parto.

O que é a Dilatação?

O colo uterino é a abertura do útero e fica no topo do canal de parto (vagina). Durante a gravidez, se parece com a ponta do nariz, mas, durante o trabalho de parto torna-se mais suave, como lábios franzidos.

Durante o trabalho de parto, o colo do útero se abre. Isso porque as contrações têm a função de apertar o músculo uterino fazendo com que esse colo apertado e fechado se abra em até 10 centímetros.

Esse processo é chamado de dilatação. Às vezes, algumas mulheres estão dilatadas um, dois, ou mesmo mais centímetros antes que o trabalho de parto realmente comece.

Como Verificar Minha Dilatação?

A pergunta de como saber se estou dilatando é respondida geralmente quando há chances de verificar a dilatação. Mas, tal como acontece com qualquer intervenção no trabalho de parto e no nascimento, os exames para verificar a dilatação trazem riscos que incluem:

  • Aumento do risco de infecção,
  • Rompimento prematuro de membranas,
  • Leituras falsas (erro na leitura dos centímetros)
  • Arrependimento ou decepção na possível “falta” de dilatação.

Independente dos motivos que a mulher precisa para saber sobre sua dilatação, os exames são úteis para se ter uma noção do que está acontecendo, e do que ainda está por vir.

Métodos de Verificação

Alguns métodos que podem ajudar a gestante a verificar sua dilatação incluem:

  • Autoexame de toque
  • Tampão mucoso
  • A linha púrpura
  • Sons de nascimento
  • Emoções
  • Indicadores físicos

Todos estes métodos são observacionais. Foram desenvolvidos e ajustados em conjunto com inúmeros profissionais da saúde que assistem a partos todos os dias.

É importante lembrar que mulheres não são máquinas, são organismos evoluindo em um trabalho de parto. Nem todos estes métodos podem ser aplicados a todas as gestantes pois cada mulher é única.

Auto exame de toque

A melhor maneira de fazer o autoexame é na DPP ou próximo. A gestante sentada no vaso com um pé no chão e o outro em cima do assento, introduz dois dedos na vagina e faz um movimento em direção ao ânus.

O colo do útero de uma mulher grávida é como lábios franzidos como se fossem dar um beijo. Quando a mulher está dilatando, um dedo desliza facilmente para o meio do colo do útero (da mesma maneira que se pode deslizar na boca).

Com a dilatação avançando, esse orifício torna-se mais parecido com um elástico esticado e a dilatação total acontece quando no toque não se sente mais nada do colo, apenas a cabeça do bebê.

Tampão Mucoso

Uma mulher pode ou não mostrar qualquer secreção com sangue no início do trabalho de parto, mas sangue e muco muitas vezes vêm em grandes quantidades, durante as contrações, principalmente quando a mulher se aproxima de 6 a 8 cm de dilatação.

Linha Púrpura

Um estudo realizado e publicado pela revista Lancet mostrou que uma linha roxa “cresce” entre as nádegas indicando a dilatação cervical. A linha começa na margem anal no início do trabalho e ergue-se como um “termômetro de mercúrio”. Quando atinge o topo, a mulher está em dilatação total.

Os autores afirmam que um “aumento da pressão intra pélvica provoca congestionamento nas veias ao redor do sacro, que, em conjunto com a falta de tecido subcutâneo sobre o sacro, mostra os resultados nesta linha de coloração roxa”.

Sons de Nascimento

Um indicador que pode ajudar a detectar o progresso são os sons característicos que uma mulher faz em trabalho de parto. Normalmente, na primeira fase do trabalho de parto (0-4cm) há pouco ou nenhum ruído de “nascimento”, a gestante pode falar sem ou com algum esforço durante uma contração.

Por volta de 4-5cm de dilatação, conversar passa a ser bastante difícil ou quase impossível durante uma contração. A gestante passa a emitir ruídos que soam como vogais abertas ou um zumbido ressonante.

Com 5-7cm os ruídos são mais altos, praticamente impossível falar durante uma contração, e os sons podem tornar-se repetitivos. Se uma mulher tem um trabalho de parto silencioso, uma boa maneira de ter uma ideia sobre como anda o seu progresso é esperar até que uma contração comece e fazer uma pergunta que exija uma resposta de uma frase completa.

A maneira pela qual ela é capaz ou incapaz de responder durante a contração é o indicador da evolução do parto.

Emoções

O trabalho de parto prematuro ou pré trabalho de parto (1-4cm de dilatação) muitas vezes faz com que as mães pensem “É agora”, e se sintam felizes, excitadas, e até mesmo em negação sobre o real trabalho de parto.

Movimentar-se no trabalho de parto ativo (4-6 cm de dilatação), muitas vezes ainda mantêm a mãe sorridente e ela pode até rir entre uma contração e outra, participando da conversa entre elas.

No trabalho de parto ativo (5-7cm de dilatação) geralmente a mãe fica mais irritada com a conversa banal ou com pessoas que tentam distraí-la.

Pode levar algum tempo após uma contração para que ela volte ao mundo exterior, ou ela pode optar por simplesmente permanecer no seu espaço de parto conhecido como “partolândia”, dentro de sua bolha, e não interagir com o ambiente que a rodeia.

Por volta da etapa de transição (em geral, 7cm de dilatação), mesmo entre as contrações, a mãe pode tornar-se duvidosa, incapaz de tomar decisões concretas (“Eu não sei”, em resposta a perguntas), ou irracional. Esta inquietação, estas dúvidas são um bom indicador de que a mãe está na reta final.

Este método pode ser complicado de perceber, porque este ‘mapeamento emocional’ pode ser distorcido pela posição do bebê ou pelo emocional da mãe.

Indicadores Físicos

Muitas mulheres vão descobrir que perto do expulsivo, podem apresentar sinais semelhantes aos da gripe. Se uma mãe de repente sente vontade de vomitar ou queixa-se de náuseas, tem rubor na face, se sente quente, ou começa a tremer incontrolavelmente, ela pode estar evoluindo para a segunda fase do trabalho de parto.

Vômitos sozinhos podem ser apenas emoções, ou fadiga, rubor facial é um bom sinal de dilatação, e tremer incontrolavelmente, pode significar cansaço ou febre. Estes indicadores são mais confiáveis quando dois ou todos os 3 são notados juntos.

  • Ondulação involuntária dos dedos do pé durante as contrações, mesmo quando o resto do corpo está solto e relaxado (6 a 8cm).
  • Se de pé, em vez de encolher os dedos dos pés, a mãe ficar na ponta dos dedos enquanto se inclina sobre algo (6 a 8cm).
  • Arrepios na parte inferior das costas, nádegas e coxas (9 a 10cm).

Conclusão

Os métodos apresentados podem dizer-nos o quão dilatada uma mulher está, mas não pode afirmar se está perto de dar à luz ao seu bebê. Ouvir o seu corpo e os sinais que ele dá, ajuda-nos a saber em que fase a mãe se encontra nesse árduo trabalho.

A jornada de algumas mulheres durante o trabalho de parto pode ser como um curto passeio, já para outras pode ser como uma longa viagem. Mas, acima de tudo, esses métodos podem ajudar as mães a saberem qual será a próxima etapa para trazer seu filho ao mundo!

Veja Também: Colo do Útero Apagado – Chegou a Hora do Parto!
Fotos: Senado Federal