Criar um filho é uma grande responsabilidade em nossas vidas. Não só porque estamos preparando uma outra vida para o mundo, mas porque somos responsáveis por fazer parte do futuro, definir o que aquela criança vai ser e, mesmo que inconscientemente, deixar parte de nós para as próximas gerações.

Essa responsabilidade aumenta significativamente quando falamos de criar crianças especiais. Crianças com algum tipo de necessidade e que precisam de uma atenção maior são um desafio para os pais.

A maioria não sabe como lidar direito com esse tipo de situação e aprende ao longo da vida como fazer isso. Mas o importante é, acima de tudo, aprimorar-se para fazer com que seu filho seja capaz, não importa qual seja sua necessidade especial.

O Que são Crianças Especiais?

Quando falamos de crianças especiais, logo percebemos que é um termo bastante abrangente. Normalmente quando se usa esse termo, refere-se a crianças que necessitam de determinadas necessidades, como crianças cegas, surdas, paraplégicas, autistas, criança com deficiência intelectual ou deficiência mental também. Imaginarmos todas as crianças que possuem esses problemas como um grupo só tem seu lado positivo e seu lado negativo.

Positivo porque quando falamos de direitos e necessidades de crianças especiais, falamos sobre direitos que tornem todas as crianças iguais perante os olhos da sociedade, independentemente de sua condição física, intelectual ou mental.

Já o lado negativo acontece exatamente por conta de certo preconceito que está em muitas pessoas que acabam deixando de enxergar as particularidades que cada caso de deficiência possui.

Apesar de existirem esses dois lados da moeda, é necessário entendermos que eles existem e, a partir desse entendimento, pensar em soluções para criar um mundo melhor para todas as crianças especiais.

As Conquistas das Crianças Especiais

Se fizermos uma pequena revisão história sobre inclusão de pessoas deficientes no Brasil, iremos perceber que as conquistas são relativamente recentes, mas extremamente importantes para toda a comunidade de pessoas que possuem algum tipo de deficiência no Brasil.

Durante muitos séculos e, mais precisamente até perto do fim do século passado, pessoas com deficiência eram vistas como inferiores e inúteis para a sociedade. Esse sentimento passava por um grande preconceito que até hoje precisa ser combatido.

O quadro começou a mudar a partir dos anos 90 onde diversos grupos formados por pessoas com deficiência que começaram a reivindicar seus direitos e a incentivar a criação de leis que fizesse com que diversos setores da sociedade se adaptassem às necessidades de cada grupo.

É graças a essas conquistas que hoje em dia crianças especiais tem uma perspectiva de futuro muito melhor do que as crianças especiais nascidas há 30 ou 40 anos atrás. É claro que ainda há muito o que se conquistas, mas não se pode negar que há um certo avanço nesse sentido.

Inclusão nas Escolas

A inclusão de diversas crianças especiais na escola é um processo que necessita de uma atenção especial do professor, mas sempre acompanhado de perto pelos pais. É necessário lembrar que a aceitação da condição da criança, bem como a forma de fazê-la se sentir bem com sua condição, começa em casa.

Uma criança que está bem resolvida com suas dificuldades dentro do ambiente familiar, vai ter muito mais apoio moral e mais autoestima para lidar com os obstáculos que é se adaptar à uma escola.

Quando falamos de educação inclusiva, estamos falando de um processo que visa incluir praticamente todo tipo de crianças dentro de escolas com ensino regular, ou seja, um tipo de educação que visa acabar com a segregação da educação entre crianças com e sem deficiência.

A lei número 9.394/96 é um grande marco para a educação inclusiva e uma grande conquista para as crianças especiais, já que é a lei que permite que esse tipo de educação seja feito em todo território nacional.

A educação inclusiva possui diversos benefícios, sendo o principal deles a integração de crianças com deficiência no convívio social com crianças de todo o tipo. Isso é extremamente importante para que crianças não cresçam com preconceito e também para que as crianças especiais tenham o mesmo nível de ensino e de oportunidades que as outras crianças.

São benefícios que parecem pontuais, mas que mudam a forma como as pessoas veem o mundo. Aos poucos, essas conquistas vão fazendo com que a sociedade seja cada vez mais igualitária.

Lidando com os Preconceitos

Apesar dos muitos avanços dos últimos anos, não é de uma hora para a outra que os preconceitos vão acabar. Isso significa que uma criança especial inevitavelmente e infelizmente, irá ter que lidar com algum tipo de preconceito durante a sua vida. O papel dos pais aqui é de extrema importância para que esses momentos não afetem a criança negativamente a ponto de ela se sentir mal e de isso afetar sua formação de alguma forma. É
importante mostrar o lado positivo, mostrar todas as crianças e amigos dela que não tem preconceito e também explicar a história e as conquistas de crianças especiais durante os últimos tempos. Caso ocorra algum tipo de preconceito dentro da escola, os pais devem conversar com a professora, diretora ou coordenadora para que algo seja feito em relação á isso.

Crianças especiais podem viver uma normal. É importante afirmarmos e reconhecermos isso como uma verdade para entendermos que muitos dos pensamentos que foram passados por nós durante décadas, são ultrapassados e não tem a ver com a realidade da comunidade de pessoas com deficiência.

É preciso aprender a conviver com as diferenças e, por isso, tanto os pais de crianças especiais quanto os pais de crianças sem nenhuma deficiência, devem ensinar e principalmente mostrar para seus filhos que todos possuem diferenças, mas que todos também possuem direitos, deveres e dignidade. Não é de um dia para o outro que vamos construir uma sociedade melhor e sem preconceitos, mas com certeza criar uma criança com essa consciência já é um grande trabalho.

Veja Também: Autismo Infantil – Vivendo Dentro do seu Próprio Mundo
Foto: Senado Federal