Daltonismo é uma deficiência visual que impossibilita o portador deste distúrbio a diferenciar algumas cores específicas. Em muitos casos ela só é percebida bem tarde, afinal, como saber que não está percebendo cores que nem conhece, não é mesmo?

Daltonismo é uma Doença?

Apesar de não ser considerada uma doença grave, não podemos ignora-la e muito menos diminuir a importância de suas consequências no cotidiano. Imagine a confusão na hora de combinar roupas, colorir um desenho, decifrar objetos e até sentimentos que associamos com cores. O mundo é colorido e é assim que todos nós queremos vê-lo.

Ainda não existe cura para o daltonismo, mas a boa notícia é que é possível conviver com esta deficiência sem grandes traumas. Existem várias técnicas e exercícios indicados pelos oftalmologistas que ajudam o paciente a lidar bem com esta limitação no decorrer da vida.

Conheça um pouco mais sobre esta doença e saiba quais são suas causas, sintomas, diagnóstico e as formas de tratamento.

O que é Daltonismo

Daltonismo é uma deficiência visual que impacta a percepção e a capacidade de distinguir algumas cores (em alguns casos todas as cores), com maior incidência na dificuldade de diferenciar o vermelho do verde.

Também conhecida como discromopsia ou discromatopsia, o daltonismo recebeu este nome em homenagem ao primeiro cientista a estudar este distúrbio, o inglês John Dalton, que inclusive era daltônico, o que o motivou a entender mais profundamente a doença.

O daltonismo de origem genética é o mais comum, apesar de não ser a única forma de se manifestar. Atinge mais homens que mulheres, devido a sua relação com o cromossomo X, o que diminui as chances da mulher apresentar este distúrbio.

O daltonismo pode de certa forma dificultar o aprendizado além de atrapalhar a realização de tarefas simples do cotidiano, como escolher frutas e legumes, combinar roupas e até mesmo no trânsito para distinguir as cores do semáforo, por exemplo. Mas apesar de todos estes problemas, a medicina não considera este tipo de deficiência como grave, uma vez que o daltônico costuma se adaptar sem grandes dificuldades à essas limitações.

Tipos de Daltonismo

O daltônico pode se enquadrar em um dos três tipos da doença:

– Protanopia: Este tipo de daltonismo é o mais comum. Sua característica principal é a redução ou até a perda total do pigmento vermelho. O daltônico com o distúrbio deste tipo enxerga no lugar do vermelho a cor marrom, verde ou cinza, geralmente tudo que for verde vai parecer com vermelho, vai depender dos pigmentos do objeto visualizado.

– Deuteranopia: Já este tipo de daltonismo é quando a pessoa não consegue perceber a cor verde, no lugar geralmente é vista com tons de marrom. Imagine um daltônico com deuteranopia vendo uma árvore? Acaba vendo tudo com a mesma cor, o tronco e as folhas. Confuso né?

– Tritanopia: Esse tipo de daltonismo é o mais raro. Ele provoca a distorção na percepção das cores amarelo e azul. Um daltônico com este tipo de deficiência não enxerga a cor laranja e ainda o que for amarelo vai enxergar um tom de rosa claro.

Principais Causas do Daltonismo

A causa mais comum do daltonismo é realmente a genética. Ele é causado quando ocorre um distúrbio no cromossoma X que prejudica o pigmento de algumas cores nas células nervosas do olho localizada na retina.

Além da má formação genética, o daltonismo pode ser provocado por alguns outros fatores como algumas doenças no sistema nervoso como Parkinson e Alzheimer, pela anemia falciforme, leucemia e diabetes. Outras doenças da vista também podem provocar o Daltonismo, como o glaucoma e degeneração macular.

Grande exposição a determinados produtos químicos, alguns medicamentos utilizados no tratamento de problemas psicológicos e de hipertensão podem também provocar o daltonismo. Ainda com o avanço da idade, quando a capacidade de enxergar é reduzida, dificuldades para diferenciar as cores ocorre naturalmente, caracterizando o daltonismo.

Diagnóstico de Daltonismo

Existem algumas técnicas utilizadas para diagnosticar o Daltonismo. A mais utilizada é o Farnsworth, que é um teste que utiliza de bandejas plásticas com capsulas com cores diferentes, o paciente precisa organizar estas cápsulas respeitando a ordem de cor indicada. Se o avaliado errar a ordem ou a posição das cores, o daltonismo é diagnosticado.
Já o diagnóstico nos pequenos é primeiramente realizado pelos pais, que devem observar se a criança apresenta alguma dificuldade com as cores, fácil de perceber durante as atividades escolares. Se notado alguma dificuldade, a recomendação é que procure o mais breve possível um oftalmologista para que ele possa realizar o teste passar as recomendações necessárias.

Teste de Daltonismo

Um dos testes realizado para diagnosticar o daltonismo utiliza figuras de Ishihara. Durante o exame é exibido diversos cartões coloridos com círculos de várias cores e um número no centro de uma cor diferente, porém somente as pessoas que não são daltônicas podem distinguir. Caso o paciente não consiga visualizar este número é diagnosticado com o distúrbio visual. A quantidade de erros e acertos é relativa ao grau e tipo de daltonismo.

Veja abaixo uma figura de Ishihara utilizada nestes testes:

Depois de realizar este teste, caso o diagnóstico seja positivo, não há razões para preocupações excessivas. Lembre-se que existem formas de driblar estas limitações, como diminuir a luminosidade para facilitar a percepção das cores, por exemplo. O mais importante neste momento é se certificar se é de fato um daltônico e se a origem é genética ou adquirida.

Para os casos genéticos, não existem ainda nenhum tipo de tratamento, já para os casos onde o daltonismo é consequência de alguma outa doença a dica é tratar a doença para melhorar a condição da visão. Uma questão importante é que os daltônicos não devem escolher profissões que exigem muito da visão, como motoristas, pilotos de avião e tantas outras de resto, vida normal.

Veja Também: Olhos de Cores Diferentes – Por que Isso Acontece?
Fotos: 12019, Ishihara 11