Eu e meu marido planejamos tudo, porém não é na hora que nós queremos e sim na hora que Deus quis… Estávamos casados cerca de alguns meses quando decidimos que queríamos um bebê, então em agosto de 2010 parei com os comprimidos e já achamos que no mês seguinte eu já estaria grávida, porém não foi bem assim… Passou setembro, outubro, novembro e dezembro e nada aconteceu. Então pensamos que tínhamos problemas para engravidar, mesmo sabendo que todos os resultados deram normais, pensamos que não era para ser. Resolvemos então deixar quieto e nem pensar mais no assunto. Passamos as festas de final de ano e curtimos muito e na véspera de ano novo era para eu ter menstruado, porém como já havia atrasado outras vezes então eu nem me preocupei que tivesse atrasado de novo. Aliás, nem ligamos mesmo pois em novembro chegou há atrasar 14 dias e do nada menstruei. Então, deixei para lá.

Bom entrou janeiro de 2011 e com ele a correria do dia. Um belo dia, mais precisamente no dia 10 de janeiro 2011, nem me lembrava de quanto tempo estava atrasada, aliás nem lembrava que eu estava atrasada, me deu um estalo na cabeça, então depois do trabalho eu passei na farmácia e comprei um teste de gravidez e fui para casa. Meu marido já havia chegado e então ele estava tomando banho e eu fazendo o jantar ( como era de costume). Então comentei:  Fábio eu comprei um teste de gravidez…

Então ele me disse: Josy, nós já fizemos esse teste e não deu certo…

Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! No vídeo conto a história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Assistir agora!
Dra. Andrea: Engravidar com FamiGel
"Secura vaginal complica a vida de quem quer engravidar. FamiGel solve esse problema" (Dra. Andrea Gomes - Ginecologista e Obstetra)
Saiba mais no vídeo
Dra. Andrea: Engravidar com FamiGel
"Secura vaginal complica a vida de quem quer engravidar. FamiGel solve esse problema" (Dra. Andrea Gomes - Ginecologista e Obstetra)
Saiba mais no vídeo

Então eu disse:  Ah sei lá, me deu vontade de comprar e fazer…

Fábio: Então faça vamos ver…

Então segui as instruções e fiz o teste e deixei no banheiro e esperamos os mais longos 5 minutos da nossa vida… E depois de passado corremos para o banheiro para ver. Nossa mãe… Tive um susto enorme! As duas linhas que aparecem estavam rosa bem forte. Nossa, pulamos de alegria! Em seguida o Fábio pediu para eu não pular rsrsrsrs, mas como evitar né?

Então imaginem a situação: A janta largada por fazer e então corremos para o Hospital Beneficência Portuguesa e passamos com o clinico Geral e solicitei o exame de sangue para comprovar o teste de farmácia, porém a médica que nos atendeu disse que eles não realizavam esse exame lá. Eu deveria estar passando mal para poder fazer, porém ela me passou pedido e encaminhamento para que fôssemos em uma clinica para fazer o exame.  Saímos do hospital super chateados, pois queríamos pegar o teste de sangue e comprovar, mas dentro de nós já sabíamos que eu estava grávida mesmo.

No outro dia consegui marcar para fazer o exame e então constatou que eu realmente estava grávida. Já marquei consulta com um ginecologista que eu sempre passava, porém a consulta não foi agradável como deveria ter sido. Para começar que o médico disse que não realizava parto pelo convênio e que só faria particular e então ele me cobrou o valor de R$ 2.000,00, mas ai eu desconfiei e fui investigar. Liguei então no convênio e descobri que aquele médico safado iria sim receber do convênio e que eu não precisaria pagar pelo serviço dele. Ele, (o médico) iria receber do convênio e receber de mim! Nossa fiquei chocada e preocupada, pois não tinha médico nenhum para acompanhar meu pré-natal, então chorava demais, fiquei nervosa e preocupada, pois queria saber se meu bebê estaria bem, foi então que na consulta que eu já tinha agendado com o endocrinologista, pois eu fazia acompanhamento da minha tireoide por conta do hipotiroidismo que tenho. Foi então que a secretária do médico me indicou o ginecologista dela que era muito bom.

Eu marquei e fui à consulta. Chegando ao médico com o meu marido, eu fui atendida e então contamos tudo que se passou e ele nos acalmou. Disse que iria acompanhar o meu pré-natal, porém que ele não realizava mais parto, pois ele tinha se aposentado nisso. Afinal, ele trouxe 12 mil bebês ao mundo, mas ele disse que quando chegasse a hora certa ele iria me encaminhar para um amigo dele obstetra e que fazia um ótimo trabalho, então dali eu já fiquei aliviada e feliz por ter um apoio médico do meu lado.

Lembrando quando fui fazer a 1° ultrassonografia, nossa é uma emoção indescritível, você ouvir o batimento cardíaco pela primeira vez… Que sensação gostosa! Eu chorei, meu marido chorou e até o médico que fez a ultrassom ficou com os olhos marejados, e o médico falou:

– Nossa da para ver que essa criança já é muito amada…

Eu disse: Nossa doutor sem dúvidas…

Passamos no meu médico e ele disse que o bebê estava super bem e que era para eu ficar tranquila. Os primeiros meses se passaram e um dia, estava eu em casa de folga, pois o carnaval desse ano tinha sido em março, então estava o feriado em casa e à tarde eu fui ao banheiro fazer xixi e quando fui me limpar percebi que tinha um pouco de sangue no papel. Nossa, eu entrei em pânico naquele momento e liguei para o meu marido, pois ele estava trabalhando e em lágrimas pedi para ele voltar para casa e para irmos ao médico. Ele chegou super-rápido e então fomos ao hospital.

Chegando ao hospital que por sinal estava superlotado, e em prantos eu cheguei à recepção e falei para a moça que eu achava que estava perdendo o meu bebê, ela me passou na frente e então já passei com o ginecologista de plantão e ele me encaminhou para um exame de transvaginal urgente naquele hospital mesmo, e então entramos na sala do exame e então começou o exame. O médico que estava fazendo não dizia nada e só observava as imagens. Daí um respiro de alivio e disse:

– Mãe fique calma, seu bebê está super bem. Olha ele aqui que esta se mexendo por conta do aparelho da trans. Já sabem o sexo?

Eu disse: Como assim doutor dá para saber já, eu estou com três para quatro meses de gravidez…

Ele disse: Pela minha experiência dá sim… E pela posição do feto e da linha da coluna vertebral…

Eu disse: Nossa o que é então?

E finalmente ele respondeu com certeza: É uma menina! E se nota que ela vai mexer muito na sua barriga…

Imagina a minha alegria! Fui para o hospital chorando e saio do hospital com o sorriso de orelha a orelha. Meu marido não acreditava e ria muito sozinho, depois do susto, podemos relaxar e curtir a nossa pequena e já escolher o nome dela. Entre muitas opções nós decidimos que se chamaria Sabrina. Passou mais 1 mês e eu já estava de 5 meses e então fizemos um novo ultrassom e nesse constatou e confirmou a afirmação do médico de plantão no qual afirmou que seria uma menina.

Agora certa com o nome, a Sabrina já mexia muito e já ficou na posição de nascimento logo no 5° mês de gestação. Estava tudo indo de vento em polpa e cada dia que se passava eu comprava mais e mais coisas para ela. Em abril peguei minhas férias e então viajamos para um cruzeiro de quatro dias. Preparamos tudo e então saímos de viagem. Eu já tinha passado da fase de enjoos constantes e da fase crítica de perigo, curtimos ao máximo a nossa gravidez.

No 7° mês foi um mês muito conturbado, era julho e fazia muito frio. Então imagina eu com uma barriga enorme e ainda cheia de roupa para aquecer. Estava eu indo trabalhar, estava já no metrô e sentada no preferencial. Duas moças na minha frente fascinadas pela a minha barriga perguntavam empolgadas: Que sexo é o bebê?

Eu respondia alegremente: É uma menina…

Então conversa vai e conversa vem quando de repente uma idosa antes de descer em sua estação, passou o braço entre as duas moças e me deu uma tapa na cabeça e me falou com uma voz arrogante: Parabéns pela sua gravidez…

Nossa fiquei furiosa, pois a idosa achou que fosse mentira minha para eu poder ficar sentada no preferencial, não deu outra eu desci atrás dela e peguei-a pelo braço e disse: A senhora esta louca? Como assim me agride desse jeito? Eu fiz algo para a Senhora?

Ela me respondeu: Você só esta gorda e não grávida, não tem barriga de gravidez…

Eu disse assim: Como assim sua louca, olha o tamanho da minha barriga sua louca. Então, levantei a blusa de frio e abaixei a parte de tecido da calça jeans para grávida e mostrei a minha enorme barriga…

Nisso o guarda do metrô veio até nós e perguntou: O que esta acontecendo?

Eu disse: Essa senhora me acusa de eu não esta grávida e ainda me agredir com uma tapa na cabeça antes dela sair do vão do metrô, só porque não dei o lugar para ela…

Ele disse: Minha senhora como pode fazer isso com a moça? Ela tem o mesmo direito de sentar no preferencial igual à senhora… Ela ficou sem reação e não disse nada, o guarda do metrô virou para mim e disse: A senhora quer registrar uma queixa contra a senhora?

Eu disse: Não moço, mas que para ela sirva de lição… Eu só a repreendi, mas outra pode não ter a mesma paciência que eu e enfiar a mão na cara dela!

Nisso veio o metrô, e eu entrei e continuei o trajeto para o trabalho. Passado algum tempo, deitada fiquei refletindo sobre tudo e a imagem ecoava na minha mente e passava como se fosse um filme, não consegui dormir. No outro dia eu nem tive força para sair para trabalhar, então fiquei em casa e pensando sobre tudo. Passou tudo isso e então finalmente chegou a ultima consulta com o ginecologista que me acompanhou e então ele me passou para o obstetra. Já fui à consulta e levei o ultimo ultrassom, então ele disse: Então eu vou sair para uma convenção nos Estados Unidos, e é provável que eu não volte antes do dia 19 de setembro, vamos tirar já o bebê?

Eu disse: Nossa doutor, mas já?! Meu chá de bebê esta marcado para o dia 04/09/2011 (domingo) e não posso desmarcar.

Ele disse: Vamos marcar então para o dia 06/09?

Eu falei: Tudo bem então, vamos fazer isso…

Sai do consultório feliz da vida, pois faltava uma semana para eu ver minha bebezinha! O chá de bebê foi ótimo e ganhamos muitas coisinhas lindas.Então chegou o grande dia, o dia mais esperado! Chegamos ao Hospital Brasil rede São Luiz e já logo me internaram. Então me levaram para a sala de anestesia e me aplicaram a peridural, eu já um tanto nervosa a primeira aplicação não havia pegado, então o doutor deu mais uma anestesia e então eu não sentia nada da minha cintura para baixo, aí meu marido entrou e então os médicos começaram o procedimento. Quando ele fez a incisão no baixo ventre, a Sabrina em vez de descer ela resolveu subir, então o outro médico apoio subiu quase em cima de mim e fez uma força para empurrar ela para baixo e então o obstetra enfiou a mão e retirou ela, ele me trouxe e eu já me derreti…

Depois o meu marido saiu e eles me levaram para a sala de recuperação, lá eu estava tão exausta que apaguei completamente. Um tempo depois eles me levaram para o apartamento onde eu iria ficar. Então logo meu marido chegou e então eu fiquei mais calma. Alguns minutos mais tarde, a enfermeira veio e trouxe a nossa gatinha. Ai meu Deus eu me lembro de cada detalhe e do cheirinho gostoso e do rostinho de anjo. Nossa uma perfeição! Ela nasceu com 51 cm e 3.400 kl uma bebezona. Na primeira tentativa de colocar no seio para ela começar a sugar, ela pegou de primeira e já começou a sugar, mesmo que só tinha colostro.Então foram tudo normal, os primeiros dias de muita preocupação e de muito amor.

Saímos do hospital e fomos direto para casa, eu estava super bem e não sentia dor alguma e então eu não quis que viesse ninguém para me ajudar em casa, pois eu vi que não precisava disso. As pessoas iam para me fazer companhia e não para fazer as minhas tarefas de casa, e mais o meu marido me ajudava muito com tudo e ele fazia comida para mim, então era só descansar e cuidar da minha bebezinha linda.

Passado 15 dias após o parto, fui à consulta com o obstetra e ele me explicou porque ele adiantou o parto, ele me disse que o cordão umbilical estava com duas voltas no pescoço dela e que se ocorresse o parto normal que poderia ser perigoso para minha bebê e eu. Eu fiquei chocada e agradeci ao médico por ter omitido essa informação, pois era capaz de eu ficar nervosa com a situação. A minha gravidez foi bem tranquila só tive alguns estresses, mas não me prejudicou em nada. Eu tirei de letra, como eu tenho tirado até hoje.

Bom chegando à nova fase, noites sem dormir e varias trocas de fraldas, mas não trocaria nada disso por nada e mais faria tudo de novo. E a melhor sensação é sentir que você colocou no mundo um ser maravilhoso no qual te ama sem interesse e te beija com amor. Hoje minha filha esta com 4 anos, ela é super esperta e me faz muitas alegrias. Graças a Deus tive uma gestação super abençoada e um decorrer dos dias seguintes abençoados também, até hoje me pego lembrando-me de cada minuto e de cada detalhe que vivi da primeira vez que a senti mexer na minha barriga, ela mexia muito principalmente quando o pai passava a mão e conversava com ela. Era mágico… Hoje ela é um super grudinho e sempre tenta agradar o pai e eu com mimos e cartinhas.

E para finalizar eu quero agradecer muito a minha Amiga Rosane, que me deu essa oportunidade de colocar aqui um pouco da experiência que vivi e que vivo até hoje, essa experiência é única e perfeita…

Veja Também: Nascimento de João Pedro – Relato de Cristiane Fonseca

Foto: Acervo Pessoal