Oi pessoal! Recebi o relato da Pryscila e ela muito gentil me deixou postar aqui para que mais mulheres possam ver que riscos na gravidez há em todos os períodos. A importância de um pré natal bem feito é essa, embora ela tenha sido bem assistida, mesmo assim houveram intercorrências para que tudo pudesse a ser fatal para a pequena Helena. Eu também tive um caso de bolsa rota, porém, felizmente a Joana teve um final feliz. Hoje ela está aqui comigo, linda e forte. Se você está grávida e percebe um corrimento constante, não deixe passar impune. Vá sim ao médico e exija exames de ultrassom e também de toque para verificar. Fiquem com o depoimento dessa moça guerreira e corajosa que enfrentou a perda mais dolorosa da vida de uma mulher. Vamos lá...

“Tenho certeza que ao escrever esse depoimento poderei ajudar muitas mães que assim como eu também passou pela dor de perder um filho. O que senti e como tento superar esse momento? Meu nome é Pryscilla tenho 27 anos e aos 17 descobri que tinha endometriose, o que levou à retirada de uma trompa e do colo do útero. Passados anos já tinha em mente que engravidar naturalmente seria algo “impossível”. Mas Deus me concedeu essa honra em 13/01/2013 com meu POSITIVO.

Uma surpresa maravilhosa e uma alegria sem fim! No início tive pequenos sangramentos, fui recomendada repouso e introduzia Ultragestan até as 14 semanas de gestação. Passado o susto do primeiro trimestre, tive uma gravidez normal. Achava que nada mais poderia acontecer e na minha cabeça o risco era apenas de aborto espontâneo.

Descobri com 17 semanas que estava grávida de uma linda menina que se chamaria Helena. Uma felicidade sem tamanho! Helena era a primeira neta para os meus pais. Daí para frente mantive minha rotina normalmente, estudava e trabalhava e me sentia a mulher mais bonita do mundo… rs Me lembro que em cada ultrassom ficava preocupada com o colo do meu útero e fazia sempre o exame de toque nas consultas. Meu medo era do colo não aguentar. Porém, minha médica disse que não havia necessidade de uma cerclagem porque estava normal.

Completamos 30 semanas e tudo pronto para sua chegada, agora era só esperar. Estávamos quase na reta final. Comecei a perceber que estava muito úmida então procurei no Google e percebi que era normal essa umidade para minha idade gestacional. Não me preocupei e por ser mãe de primeira viagem, achava que estava tudo OK. Fizemos uma ultra 12/07 eco com Doppler, estava tudo perfeito. Helena estava sentada, liquido amniótico em volume normal, tamanho e peso também ok. Ufa… passamos por mais uma etapa. Mas continuava sentindo que estava muito úmida, nesse momento com mais intensidade. Dia 15/07 minha bolsa rompeu, após um dia de trabalho. Entrei em desespero, pois, sabia que ainda era muito cedo para ela vir ao mundo.

Cheguei ao hospital e fui diagnosticada com “bolsa rota” e eu leiga no assunto nunca tinha ouvido falar nisso. Fiquei em observação e tomando corticoide para amadurecer o pulmãzinho dela. Minha cesárea foi feita 16/07 e Helena nasceu às 17:59 com 1345kg e 41 cm. Ouvir o choro da minha filha foi à coisa mais maravilhosa do mundo, sabia que seria uma batalha e o médico me avisou que ela era muito prematura e que ficaria na UTI neonatal para ganhar peso. Foram os 3 dias mais angustiantes até que recebi a temida notícia… Helena se foi! E com ela um pedaço da minha vida. Ela teve 7 paradas cardíacas e seu coração não resistiu. Meu mundo caiu naquele momento, tudo pronto e do nada me vejo sem chão.

Dias longos de choros e desespero, voltar para casa sem seu filho é a pior coisa do mundo. Pensei que não fosse conseguir sobreviver. Dia 19/11 fazem 4 meses que ela se foi e hoje percebo que tudo Deus tem um propósito em nossas vidas e não cai uma folha de uma árvore sem a vontade do Pai. Minha vida mudou e muito depois da Helena, a saudade sempre vai existir, mas decidi lutar pela vida e dar a volta por cima para em breve tentar novamente. Peço a Deus todos os dias que acalme o meu coração e me dê conforto e discernimento para continuar. Ser mãe de anjo é uma tarefa diferenciada, pois amamos além dessa vida. É isso.. tentei escrever tudo bem resumido para não ficar um texto muito longo, beijinhos e espero de coração que ajude.”

Veja também: Relato de parto da Joana com bolsa rota

Foto: Acervo Pessoal