Dentre todos os problemas que envolvem nossa alimentação, os distúrbios alimentares talvez sejam os que mais nos afetam, já que possuem uma relação direta com o que comemos ou com o que deixamos de comer e a nossa saúde mental. Mas o que exatamente são os distúrbios alimentares? Quais são suas causas? E os sintomas? Como curar cada um dos tipos de distúrbios alimentares? Responderemos essas e outras perguntas sobre o tema no texto de hoje. Confira!

O que são Distúrbios Alimentares?

Também chamados de transtornos alimentares, os distúrbios alimentares nada mais são do que problemas relacionados aos nossos hábitos alimentares, sejam eles de excesso ou da falta da ingestão de alimentos. Esses problemas estão diretamente relacionados com a nossa condição psicológica e, por essa razão, são muito mais comuns em pessoas que estão na adolescência ou no início da idade adulta, já que se trata de uma fase em que pressões sociais são constantes na vida de muitas pessoas.

Apesar de serem muito mais comuns em mulheres, os transtornos alimentares também podem afetar homens de qualquer idade, embora, como já dissemos, é mais comum em adolescentes e jovens. Trata-se de um problema que muitas vezes é negligenciado, mas que deve ser levado a sério para que não haja nenhuma consequência grave.

Causas dos Distúrbios Alimentares

Os distúrbios alimentares podem ser muitos, como veremos mais adiante no texto. Por essa razão, as causas podem ser bastante distintas. Ainda assim é possível listar algumas das principais e que se encontram mais comumente quando uma pessoa é diagnosticada com esse tipo de problema. As principais causas dos distúrbios alimentares são:

  • Distúrbios hormonais
  • Depressão
  • Baixa autoestima
  • Distorção da imagem do próprio corpo
  • Pressões externas para ter um determinado tipo de corpo
  • Problemas familiares

É importante deixar claro que essas são apenas algumas das principais causas, ou seja, a origem dos distúrbios alimentares pode ou não surgir a partir de algum dos pontos dessa lista.

Tipos de Distúrbios Alimentares

Quando falamos em distúrbios alimentares, estamos nos referindo a um grande grupo de problemas que possuem características parecidas com as que acabamos de citar. Isso significa que existem diversos tipos de distúrbios alimentares e que possuem características específicas, assim como formas de tratamento particulares. Os principais tipos são:

  • Bulimia
  • Anorexia
  • Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica

Vamos falar mais profundamente sobre cada um deles, assim como suas causas, tratamentos e principais características.

Bulimia

A bulimia é um tipo bastante específico de distúrbio alimentar em que há a ingestão excessiva de comida seguida de um vômito induzido pela própria pessoa. Tal comportamento tem relação direta com um sentimento de estresse e ansiedade que, de alguma forma é descontado na ingestão dos alimentos, seguido de uma grande culpa por consumir muitas calorias, o que faz com que a pessoa se force a vomitar.

A bulimia está diretamente relacionada a pressões relativas à imagem do próprio corpo e do controle de peso que a pessoa se sente obrigada a manter um determinado padrão de beleza ou mesmo persegui-lo de alguma forma.

A bulimia deve ser tratada com uma psicológa especialista que não apenas fará um mapeamento completo dos sintomas da paciente, mas também investigará as origens dessas pressões para que elas possam ser superadas. Como tais origens podem ser completamente distintas, não é possível estimar um tempo de tratamento, mas é certo que esse não é um problema que se resolve em poucos dias ou semanas, uma vez que estamos falando de uma condição psicológica que afeta diretamente o corpo.

Anorexia

A anorexia é um dos distúrbios alimentares mais conhecidos e também perigosos. Ela se caracteriza por atitudes excessivas de culto ao próprio corpo provindas de uma imagem distorcida de si mesmo. A pessoa, que normalmente se vê como muito acima do peso, evita comer ou até mesmo induz o vômito, toma medicamentos para emagrecer, abusa de exercícios físicos e nunca parece satisfeita com o próprio corpo, ainda que sua aparência seja cada vez mais magra e menos saudável.

A anorexia pode trazer consequências perigosas, como a desnutrição, enfraquecimento dos músculos e dos ossos, convulsões, alterações hormonais, arritmia cardíaca e até mesmo à morte em casos mais graves.

É justamente para evitar esses efeitos que familiares de uma pessoa que possui anorexia precisam procurar ajuda o mais rápido possível. Porém, é importante que a pessoa esteja consciente de que precisa de ajuda e que esteja disposta a melhorar.

Como toda doença que envolve partes psicológicas ou emocionais, não é algo fácil de se lidar, mas com a ajuda de uma psicóloga especializada, é possível que a anorexia seja tratada e completamente curada. O uso de medicamentos pode ou não ser recomendado por um médico e isso vai depender de como cada caso progride. Como a anorexia é um distúrbio que tem relação direta com o que é ingerido, muitas vezes é difícil para um médico receitar algum medicamento logo no início do tratamento. O mais apropriado é que se avalie o quadro aos poucos e que, se necessário, os medicamentos sirvam apenas para auxiliar.

Nunca é demais dizer que tomar remédios por conta própria está totalmente fora de questão. Isso pode não apenas piorar os sintomas, como também afetar gravemente a saúde já grave de uma pessoa que possui anorexia.

Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica

O transtorno da compulsão alimentar periódica (TCA) é caracterizado pela ingestão excessiva de comida em determinados períodos de tempo. No geral, esse período dura cerca de duas horas, mas pode ser mais ou menos dependendo do caso. Essa ingestão de alimentos sem controle ocorre pelo menos duas vezes por semana, pode ter hábitos noturnos e não são acompanhados de vômitos induzidos como ocorre com a bulimia.

A perda de controle pelo que se come normalmente é acompanhada de sentimentos como angústia, culpa e estresse excessivo. Fatores como baixa autoestima e depressão contribuem para que o transtorno da compulsão alimentar periódica de desenvolva.

Assim como os outros dois distúrbios alimentares que já citamos, o transtorno de compulsão alimentar também deve ser tratado com uma psicóloga que ajudará o paciente a compreender melhor as origens do problema e, em seguida, trata-las. O tempo de tratamento depende de diversos fatores como a gravidade do caso e a resposta do paciente às técnicas aplicadas.

Os distúrbios alimentares geralmente são acompanhados de determinados elementos: angústia, culpa, pressão social, pressão interna, baixa autoestima e distúrbios psicológicos. Não é de se estranhar que esse tipo de problema tenha se tornado tão popular nos últimos anos, já que vivemos em um mundo onde o culto pelo corpo parece ser cada vez maior. Além dos três distúrbios alimentares que citamos aqui, muitos outros podem surgir, como a vigorexia e a hipergafia, que são menos comuns, mas que ainda assim podem ser perigosos.

Cuidar do próprio corpo é sempre muito importante, mas é de igual importância nos aceitarmos como somos e manter uma boa saúde mental para que problemas como esses não se desenvolvam.