A gravidez por si só já é cheia de emoções, sentimentos de altos e baixos, mudanças de humor, choro fácil, etc. Quando não é planejada por um casal, o tempo vai se encarregando e o desejo vai se transformando e sendo aceito e bem esperado na maioria dos casos. Quando a gravidez ocorre em mulheres que realmente não pensavam nessa hipótese, inicialmente acaba sendo vista como um problema, como algo que veio para atrapalhar os planos, os sonhos de carreira e estudo, enfim, é indesejada… o que fazer agora com o resultado de positivo nas mãos?

A falta de apoio familiar e de um companheiro acaba por levar algumas mulheres a optarem pelo aborto, que existe e todas sabemos que é clandestino, que infelizmente é algo muito perigoso, justamente por ser criminoso!! E que acaba sendo uma saída imediatista para o problema, e que costuma causar dor, sofrimento e arrependimento após o ato, justamente por ser culturalmente tratado como um tabu!

Há também aquelas que resolvem esconder a gravidez ao máximo de tempo, negando muitas vezes a si próprias à existência de um serzinho em formação em sua barriga não faz acompanhamento pré-natal, não falam sobre o assunto e não aceitam as mudanças corporais que mês-a-mês vão ficando mais salientes. Os danos psíquico-afetivos nestes casos podem ser grandes, uma vez que estudos cada vez mais apontam que o bebê percebe emoções maternas intra-útero e um bebê rejeitado desde a gestação carregará estes sentimentos com ele, sem entender do porque os sente, além do vínculo mãe/bebê, a amamentação e o apego também poderão ser prejudicados por conta destes sentimentos na gestação.

Costumo dizer que a melhor opção é aceitar e viver este momento como uma oportunidade de se reconhecer e de reavaliar suas relações com seus pais, seu parceiro e consigo mesma e a partir daí desenvolver e se permitir sentir o que este momento apresenta de melhor para a mulher e sintonizar com o bebê que está dependente em seu ventre. 

Não digo que será fácil, mas com controle de ansiedades, medos você vai conseguir! Recomendo acompanhamentos especializados de pré-natal e uma terapia para melhor lidar com esse momento, pois este período todo gravídico-puerperal (que se dá em toda a gestação até o final do puerpério, basicamente o primeiro ano do bebê) é uma fase delicada para o psiquismo da mulher, necessitando assim de apoio, atenção, cuidado e carinho, para que o bem-estar seu e do bebê prevaleça durante todo esse processo, auxiliando numa formação vincular sadia e numa aceitação!!

Por Ariela Malaquias

Psicóloga Clínica de tentantes, gestantes, mães/bebês, casais e famílias.

Autora no blog:  Psico Materna

Facebook: www.facebook.com/psicomaterna

Veja também: Medos de Uma Mãe Novata – Psicóloga Ariela Malaquias

Foto: Martin Pilote, ROBERTO CARLOS PECIN