Quando se tem o positivo em mãos, a vida se torna uma verdadeira festa, afinal a tão sonhada gravidez está a caminho. Porém há problemas que podem acontecer e que algumas vezes não se tem a noticia tão bem vinda e esperada, como é o exemplo da gravidez anembrionada, anembrionária ou ovo cego. É um problema que pode acontecer com qualquer mulher em qualquer gestação em que há fecundação.

O que é Gravidez Anembrionária?

Para entendermos melhor o que é a gravidez anembrionada, temos que ir ao momento em que a fecundação acontece e inicia-se o processo de divisão celular. Quando a mulher ovula e tem relações sexuais. O esperma fecunda o óvulo e esse começa a multiplicar as células e dá origem a duas partes.

Uma parte do aglomerado celular se torna o suporte da gravidez, placenta, saco gestacional e líquido amniótico e a outra parte forma o bebê em si. O problema se dá nesse momento, o zigoto pode não se desenvolver corretamente e apenas formar a gravidez parcial, ou seja, o ovo cego. O saco amniótico está presente, a vesícula vitelínica também, porém o feto não está em formação ou não se desenvolveu como deveria.

Gravidez Anembrionada – Sintomas

Não há sintomas diferenciados que indiquem a gestação anembrionada, por isso é detectável apenas em exame de ultrassonografia. A partir do final da 6º semana de gestação, é provável que o feto seja avistado no saco gestacional, porém em gravidez com ovo cego, não é possível encontrar o bebê mesmo com um saco gestacional com mais de 25mm.

Como Confirmar a Ausência do Bebê

Para confirmar a ausência de feto é preciso esperar até a oitava semana de gestação para ter certeza da gravidez anembrionada. Quando há suspeita de ausência de um bebê recomenda-se repetir a ultrassonografia em alguns dias ou semanas e se ainda sim apenas tiver o saco gestacional, a curetagem é indicada pelo medico ou indução sempre no hospital para acompanhar de perto o processo.

É importante dizer que se feita precocemente, a ultrassom pode mostrar uma gravidez incipiente, ou seja, em estágio muito inicial e aí pode haver certo pânico por parte da gestante. Todos os médicos obstetras recomendam que se faça a ultrassom a partir da sétima semana de gestação, assim mesmo com as chances de uma ovulação tardia, pode-se ver mais do que um saco gestacional, mesmo que não dê para ouvir ou ver os batimentos cardíacos. O ideal é fazer a primeira ultrassom após a oitava semana caso esteja tudo normal, ou se houver dores, no final da sexta semana para descartar a gravidez tubária.

Causas da Gravidez Anembrionada

Devemos lembrar que a gestação anembrionada não é hereditária e nem há fatores externos que façam com que ela aconteça. O ovo cego é realmente uma fatalidade e não tem histórico que aconteça repetidamente como outros problemas, porém caso venha a acontecer, é recomendado a investigação dos gametas do casal para verificar a saúde e compatibilidade. Estudos recentes mostraram que a maior incidência de gravidez anembrionada acontece após gestações em mulheres acima de 38 anos de idade com parceiros acima de 40 anos.

Como Prevenir

A prevenção para a gravidez anembrionada é o uso de ácido fólico e boa alimentação com alimentos ricos em ferro e vitamina B6. A maioria das mulheres que passam por uma gravidez anembrionada podem engravidar naturalmente em alguns ciclos, recomenda-se o repouso do corpo por pelo menos 3 meses e ai tentar uma nova gestação.

O problema maior da gravidez anembrionada ou ovo cego é o banho de água fria que acontece para o casal. Não é fácil saber que aquela gravidez que está sendo desejada, na verdade não dará origem a um bebê. Lidar com esse sentimento pode ser difícil no diagnóstico e eventualmente com procedimentos que complementam a interrupção da gravidez anembrionada. Saber que são casos isolados pode tranquilizar e ajudar a não deixar que traumas aconteçam na mulher ou no casal que quer tanto uma gravidez.

O importante é manter os exames em dia queridas amigas, força na peruca e muita fé!

Veja também: Mitos e Verdades Sobre Gravidez – Superstições e Crenças

Foto: Henrik Betnér