Quando um aborto espontâneo acontece, o mundo da mulher (do casal) vem a baixo. Muitas vezes é uma criança esperada,desejada e amada. Porém, tentar novamente uma gravidez, exige certo preparo do corpo. A gravidez após aborto pode ser mais delicada em alguns casos. Quando a perda é de uma gravidez recente, pode-se não haver maiores problemas quando passa a se tenta novamente, porém, em outros casos onde a gravidez já tem certo estágio avançado, o médico deve ser criterioso para liberar esta mulher. A gravidez após aborto de gravidez inicial por exemplo, de cinco a 10 semanas, não exigiria tanta preocupação por parte do médico que acompanha a mulher. Até 10 semanas é considerado um tempo limite para o corpo, o útero não teria sofrido grandes alterações. Os hormônios teriam maior facilidade para voltar aos níveis originais e então, o médico pede um descanso para o corpo de dois a três ciclos.

Casos acima de 12 semanas de gravidez, e em abortos recorrentes (que acontecem várias vezes) devem ser investigados. Gravidezes com maior tempo de gestação como 20 semanas em que o parto prematuro acontece, necessitam de maior tempo de recuperação do corpo. O útero nesta fase já teria sofrido grandes mudanças. A elasticidade, a placenta que se fixou em uma das paredes uterinas causam feridas, e essas devem se cicatrizar por completo para não haver riscos de infecção e outros problemas. O médico certamente irá recomendar uma quarentena normal como a de um parto e também recomendar que essa mulher abstenha-se de engravidar pelo menos por seis meses.

aborto espontâneo

O aborto espontâneo traz feridas no corpo e na alma…

Neste tempo de espera, cuidados importantes como exames para saber o porquê do parto prematuro ou aborto espontâneo devem providenciados. Para mulheres que já tiveram episódios de perdas, ideal fazer uma bateria de exames entre eles para detectar a uma possível trombofilia. Outra possibilidade que deve ser discutida é a IIC. Ela pode causar perdas com tempo de gravidez avançado já que o colo uterino não suportaria o peso e seria necessário a cerclagem para ajudar com que a gravidez chegue ao final.

Não existe uma regra de quanto tempo a mulher deve evitar a gravidez após aborto, o tempo ideal para cada mulher vai partir da avaliação do médico responsável e as medidas que ele recomendar, devem ser acatadas à risca. O bem estar do corpo para a próxima gestação deve ser a prioridade para a mulher que sofreu a perda. Lembre-se, o corpo saudável dará origem à uma gravidez igualmente saudável e sem riscos.

E o Fator Psicológico, Como Lidar Com Ele Para Engravidar Após o Aborto?

O instinto materno é uma coisa louca! Ele pode nos tendenciar a retomar as tentativas antes do recomendado pelo médico. Porém, engravidar após o aborto requer equilíbrio tanto do corpo quanto da mente. A pressa pode ser inimiga de nós mulheres, ela pode fazer com que nós pulemos etapas importantes de recuperação do corpo. A parte física é essencial e deve estar 100% para uma nova gestação.

A gravidez após o aborto deve chegar sem maiores preocupações, por isso, ouvir as recomendações dos médicos é uma ótima ideia. Ainda sim que a mente diga vá em frente, devemos parar e pensar no melhor para nós naquele momento. A recuperação física deve complementar a saúde da mente. Com certeza a mulher ficará muito mais tranquila sabendo que não há problemas de saúde, e que a nova gravidez ocorrerá de forma saudável. Engravidar novamente em seguida ao aborto e ficar cheia de preocupações e grilos por conta do medo que cerca, é certamente uma das experiências mais frustrantes para a mulher. O aborto ou o parto extremamente prematuro, muitas vezes acontece por fatalidade. Porém se certificar de que tudo está indo bem como o corpo, trará uma nova gravidez com total tranquilidade para a mulher, para o casal.

Veja também: Aborto – Eu Também Já Passei Por Isso

Foto:  Helga Weber