Gravidez de Risco – Quais os Casos Que São Considerados?

A gravidez de alto risco pode-se enquadrar em vários casos. Normalmente uma gravidez tranquila é aquela em que a gestante passa por ela sem maiores problemas, ausência de aumento de pressão, quedas, pré-eclâmpsia e vários outros problemas.

Porém há casos em que o pré-natal deve ser reforçado porque a gestante pode apresentar problemas de saúde e até mesmo o bebê ter problemas detectados através de exames como a ultrassom por exemplo. As doenças que podem tornar a gravidez de risco são cada vez mais comuns, tanto pelo fator das mulheres engravidarem mais tardiamente como pelo modo de vida adotado. Os problemas de saúde podem aparecer mesmo antes da gravidez e já outras mulheres ficarem doentes durante a gestação. Exemplos de doenças que podem levar à uma gravidez de risco:

 

Hipertensão:

Quando a mulher já apresenta problemas de pressão alta mesmo sem estar gestante, a gravidez se caracteriza de risco. A DHEG é a forma que a pressão se apresenta elevada durante a gravidez, por isso o pré-natal deve ser acompanhado bem de perto pelo ginecologista obstetra.

gravidez de risco

A gravidez gemelar é considerada de risco pela condição extraordinária ao útero.

A pré eclampsia é o maior motivo de preocupação dos médicos em uma gestação de mulheres hipertensas. Ela acomete 1 mulher em cada 1500 casos no Brasil. Por isso exames como de proteinúria, uréia, potássio e outros devem fazer parte dos exames de rotina do pré natal de alto risco.

Diabetes: A mulher diabética deve fazer o pré-natal para gravidez de risco. Controlar rigorosamente a glicemia ameniza consideravelmente problemas que podem aparecer com a diabetes durante a gestação. Mulheres diabéticas podem dar origem a bebês grandes assim como as mulheres que apresentam diabetes gestacional, exclusiva daquela gravidez.

Mas nem toda gravidez de risco é causada por problemas de saúde. Algumas mulheres podem apresentar a gestação de risco devido a particularidade da situação. Mulheres que estão à espera de gêmeos, múltiplos, são consideradas gravidez de risco pelos médicos. Isso porque o útero está sobre uma condição diferenciada além da qual estaria preparado para acontecer. O útero de uma mulher foi projetado para um bebê por vez, e quando há dois, três e algumas vezes mais fetos, a gestação se torna delicada obrigando ao médico o máximo cuidado com a gestante.

Na gravidez múltipla, o útero se expande muito mais do que em uma gravidez de feto único. Geralmente o útero pode se expandir 20 vezes o seu tamanho original e em gravidez gemelar, pode chegar a 25 vezes o seu tamanho! O risco de ruptura uterina se dá em mulheres com cesarianas anteriores também. Normalmente o médico indicaria no máximo de três cesarianas, a quarta traria um sério risco de ruptura por em qualquer sinal de esforço por trabalho de parto. Como os cortes são feitos em um espaço mínimo de diferença entre eles na parede uterina, pode ficar muito fino e propenso a romper.

Outros Problemas que Levam à Gravidez de Risco

Outro caso também considerado gravidez de risco são mulheres portadoras de úteros em diferentes condições como didelfo (mulher que possui dois úteros e dois colos uterinos), bicorno (é um útero dividido em dois, mas com um colo apenas) útero septado (útero que possui uma parede que o divide ao meio). O maior risco para essas mulheres é não conseguir levar a gravidez até o fim, porém com a evolução da medicina e dos exames, o médico conseguirá descobrir o problema ainda em fase inicial da gravidez e tratar adequadamente a possibilidade de um parto prematuro.

Incompetência istmo cervical leva á uma gravidez de risco, pois o colo uterino não tem capacidade suficiente para aguentar o peso da gravidez e se abre precocemente e leva a gestação à um parto prematuro. A mulher com ICC deve fazer a cerclagem por volta da 12ª semana de gestação e fazer repouso absoluto durante toda a gestação. Mulheres que possuem problemas com contrações verdadeiras durante toda a gestação também são consideradas como gravidez de risco. Essas contrações são a fase inicial do parto e são passiveis de serem medicadas durante os meses de gestação que se apresentam como um risco.pré natal

A placenta prévia também é um fator de gravidez de rico por apresentar sangramentos durante toda a gestação. Porém de menor relevância, a placenta prévia somente causaria problemas caso a paciente deseje um parto normal. Se a placenta prévia for completa, impedirá que o parto seja via vaginal. O aumento considerável de líquido amniótico ou queda também pode caracterizar a gravidez como de risco. Para tal o médico deve fazer um controle rigoroso do aumento (polidramnia) e ainda maior em casos de perda do líquido, pois pode levar à um quadro de morte do bebê e risco de infecção para mãe e bebê.

Adolescente muito novas também são consideradas como gravidez de risco, por exemplo uma menina de 12 anos grávida ainda não desenvolveu totalmente seu aparelho reprodutor por isso deve ser monitorada com cuidado. Mulheres acima de 38 anos também são encaradas como passiveis de uma gravidez de risco, devemos lembrar que o corpo está preparado para a gravidez até os 35 anos quando o risco de doenças é menor pela qualidade dos óvulos.

Mamães com problemas renais, de coração, portadoras de hepatite e de doenças transmissíveis como HIV e sífilis são consideradas de alto risco, portanto devem fazer o pré natal com um médico especializado em alto risco. Histórico de aborto de repetição é um prognostico que é levado em consideração e encarado como gravidez de risco pelo ginecologista. Ele certamente irá acompanhar de perto aquela gestante que já teve abortos anteriormente. Mulheres que possuem trombofilia (doença sanguínea que causa trombose) também são consideradas de risco.

Mulheres com gravidez de risco devem fazer exames constantemente. Enquanto em uma gravidez considerada normal, a mulher faz cerca de cinco ultrassons, uma gestação de alto risco pode fazer cerca de 10, 12 por gestação. A ultrassom com doppler é a mais pedida pelos médicos, por ela acompanhar o fluxo de sangue da placenta para o bebê. Exames de sangue são feitos à cada 2 meses assim como os de urina.

Nota da autora: Às 23 semanas de gestação fui diagnosticada com diabetes gestacional. Meu bebê era grande demais para a idade gestacional. Sem nenhum exame lá ia eu com o encaminhamento para a médica de pré natal de alto risco! Chegando lá com medo e insegura, tive a melhor surpresa de todas! Após um exame de curva glicêmica não apresentava alto risco mas continuei fazendo o pré natal por lá mesmo. Fui muito bem atendida e tive na dra Patricia o melhor pré natal possível. Os médicos de alto risco são todos bem treinados e fazem tudo para deixar a mãe tranquila e segura. Se eu pudesse colocaria uma lei para que todos os obstetras fossem treinados para alto risco, assim as gestantes estariam em boas mãos sempre!

Está com encaminhamento para pré-natal de alto risco? Não se preocupe, estará em ótimas mãos!

Veja também: Incompetência Istmo Cervical e Cerclagem Uma Gestação Delicada

Foto: Gabi Butcher, Alison Curtis