Quando pensamos em gravidez, sabemos de quão grande é a importância da saúde da mulher para se levar uma gestação saudável. Com isso, um problema que vem crescido diariamente, a gravidez e obesidade vem se tornado uma grande preocupação para os ginecologistas e também para as famílias.

Quando uma mulher planeja a gravidez, ela tem o desejo de fazer tudo da melhor maneira possível. Marca consulta com o médico ginecologista, pede exames para verificar se está tudo bem com seu corpo e sua saúde, mas a questão do peso é um fato alarmante.

O problema é que atualmente a grande maioria vêm se deparando com uma questão cada vez mais comum: a obesidade, que afeta 36% das mulheres que estão em idade fértil. E com isso a gravidez e obesidade se tornou um grande perigo!

Problema crescente

Você pode pensar que um diagnóstico de obesidade é reservado apenas para casos extremos. Mas segundo as mais recentes pesquisas, 3 entre cada 10 mulheres são clinicamente obesas, o que significa que elas têm um índice de massa corporal (IMC) de 30 ou acima.

O IMC, é uma medida que compara peso x altura, e é a ferramenta que médicos e nutricionistas usam para identificar obesidade. Infelizmente, a porcentagem de mulheres que entram em um quadro de gravidez e obesidade juntamente é muito grande.

Enquanto a maioria das mulheres ainda se apega aos aspectos: emocional e estético, poucas realmente entendem a realidade médica da obesidade e ainda mais os riscos da gravidez e obesidade ao mesmo tempo.

Uma frase que se ouve muito: “Você pode ser gordinha e saudável”, mas a verdade é que, não é possível ser obeso e saudável. Estamos falando de um transtorno médico que tem grandes implicações para a gravidez, para a saúde do bebê e principalmente para a vida da gestante.

Riscosda Gravidez Com Obesidade

A obesidade além de dificultara fecundação, está relacionada a uma soma de dificuldades e riscos durante a gestação e durante o parto. Entre elas, estão, a hipertensão, a diabetes gestacional, a pré-eclâmpsia e ainda ao aborto espontâneo. Como resultado, muitas necessitam passar por uma cesárea de emergência devido aos riscos para mãe e bebê.

Riscos do Bebê

Os bebês gerados dentro de um quadro de gravidez e obesidade, no geral têm maiores possibilidades de desenvolverem más formações ao longo da gestação e correm risco de morte durante o parto ou após ele.

Muitos deles desenvolvem hipertensão arterial e obesidade ainda na infância. Algumas mulheres com sobrepeso vêm de uma segunda gestação e atribuem o ganho de peso após o nascimento do primeiro, pois é nessa fase que geralmente se come bastante e se faz pouca atividade física.

Diabetes Gestacional

Mulheres que passam pela gravidez e obesidade ainda possuem o risco de desenvolver a diabetes gestacional. Neste caso, a probabilidade de ter um bebê considerado grandeé ainda maior, o que pode resultarna indicação de uma cesariana.

Hipertensão Arterial e Pré-eclâmpsia

Tanto a hipertensão arterial como a pré-eclâmpsia aumentam as chances de indicação de cesariana. Já que quando a pressão arterial da mãe sobe durante o trabalho de parto, ela pode sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) e o bebê pode ser privado de seu sangue. Para evitar estas consequências, o médico não tem escolha a não se realizar uma cesariana para garantir e resguardar pela vida da mãe e do bebê.

A cesariana quando indicada para gravidez e obesidade é considerada um pouco mais complicada. Isso porque a gordura extra sob a pele, torna mais difícil a localização das vertebras para a aplicação da anestesia e mais difícil para encontrar uma veia para administração de medicamentos intravenosos. Além da grande dificuldade para transferência da paciente em caso de alguma emergência.

Estou com sobrepeso e grávida, o que faço?

Se você está com excesso de peso ou é obesa e estásem ânimo para mudar seus hábitos, a gravidez é o momento perfeito para fazer um esforço. Seria a motivação de que precisa.

As complicações médicas também podem dar-lhe a visão que você precisa mudar. Por exemplo: o diabetes gestacional oferece um gosto do que é viver todos os dias como diabético. Monitorando constantemente seu açúcar no sangue e enfrentando uma grande quantidade de possíveis problemas médicos. Com certeza depois de lidar com isso, você pode estar pronta para fazer o que for possível para evita-la.

Existe Dieta para Gestante?

Sim, existe uma dieta balanceada para que a gestante siga e controle o ganho de peso e dessa forma preserve sua saúde e do bebê. Se você está pensando em fazer uma mudança, comece devagar, tomando medidas sensatas em direção a hábitos que levarão a uma perda ou controle gradual do peso.

Ter uma alimentação rica em vegetais, frutas, grãos integrais, carnes magras, lacticínios, além de cortar refrigerantes, frituras e fast-foods. Tente comer várias pequenas refeições ao longo do dia em vez de uma ou duas grandes refeições, e esqueça o ditado: “comer por dois”.

Faça atividadesFísicas

Fazer atividades físicas é uma das recomendações mais importantes para te auxiliar nesse momento. Inicialmente uma caminhada é uma boa escolha!

Comece andando regularmente cerca de15 a 30 minutos por dia. Esse tempo é algo que você pode fazer com segurança.

Outros esportes são ótimos para essa fase, como a natação e a hidroginástica. Dança e algumas técnicas de concentração e alongamento como Pilates e Yoga também são ótimos para auxiliar na perda de peso e ainda garantir o bem-estar.

A Dieta Ideal para a Grávida e oBebê

Comer a quantidade certa de alimentos de cada um dos cinco grupos de alimentos, irá garantir que você e seu bebê consigam os nutrientes necessários. Mas para isso é interessante que se entenda o cardápio.

Se você tem três grandes refeições por dia ou seis pequenas, é importante comer consistentemente. Você também pode estar mais confortável comendo pequenas refeições mais tarde em sua gravidez, pois seu bebê coloca mais pressão no seu abdômen. Veja como sua dieta se divide:

Os grãos –  fornecem carboidratos, a principal fonte de energia do seu corpo. Tente trabalhar com o máximo de grãos inteiros possível. Eles fornecem fibras e aliviam a constipação, um problema comum durante a gravidez. Uma porção de grãos é aproximadamente uma fatia de pão ou um copo de arroz cozido, cereais ou macarrão.

Frutos e vegetais –  são fonte de vitaminas e nutrientes essenciais, bem como fibras. Esses alimentos permitem que você use ferro de forma mais eficiente e ajude seu bebê a construir o tecido. Uma porção de vegetais pode consistir em uma xícara de vegetais secos ou cozidos.

Uma porção de frutas de tamanho médio ou um copo de suco de frutas. A futura mamãe deve se esforçar para comer pelo menos uma porção diária de produtos ricos em vitamina C, como cítricos e tomates.

Proteína – é encontrada em alimentos como carne, peixe e feijão, e é crucial para o crescimento do tecido do seu bebê. Cem gramas de carne magra, aves ou peixe são considerados uma porção. Um ovo, ou 1/3 de xícara de nozes também podem contar como uma porção de carne.

Se você é vegetariano, certifique-se de atender às suas necessidades de proteína comendo ovos; Tofu e outros produtos de soja, como hambúrgueres de soja e leite de soja; E feijões secos, como ervilhas divididas. É importante verificar com seu médico para garantir que você esteja recebendo proteína suficiente.

Laticínios – dá ao seu corpo o cálcio necessário para ajudar a construir os ossos e os dentes do bebê. Uma porção de 1 xícara de leite ou iogurte, dois pedaços pequenos de queijo fresco ou 80 gramas de queijo amarelo equivalem a ingestão diária de cálcio de pelo menos 1.000 miligramas. As gestantes que não podem comer produtos lácteos, devem consultar seu médico sobre tomar um suplemento de cálcio.

As gorduras devem ser abordadas do mesmo modo que quando você não estava grávida – com moderação. Não estamos falando sobre as gorduras saudáveis ​​encontradas nos peixes e no azeite.

Os tipos que você precisa tomar cuidado é com os alimentos como manteiga, carnes gordas e produtos lácteos completos. Durante a gravidez, as gorduras devem representar 30 por cento das suas calorias diárias. Eles lhe dão energia e ajudam seu corpo a usar certas vitaminas cruciais.

Nutrientes Indispensáveis na Gestação

Uma dieta bem equilibrada fornecerá a maioria dos nutrientes que você precisa, com as seguintes duas exceções:

Ácido fólico: este importante nutriente ajuda a reduzir o risco de defeitos congênitos sérios do cérebro e da medula espinhal (chamados defeitos do tubo neural) durante a gravidez, para evitar a má formação nos lábios e céu da boca (lábio leporino e fenda palatina). Também é essencial para apoiar o crescimento rápido do seu bebê

Ferro: Sua necessidade deste mineral crucial duplica durante a gravidez, de 15 a 30 miligramas por dia para prevenir a anemia. É especialmente importante tomar um suplemento de 30 miligramas por dia durante os dois últimos trimestres de sua gravidez, quando o feto está crescendo rapidamente e o volume sanguíneo materno aumenta. No final da gravidez, seu bebê também está armazenando ferro para uso nos primeiros meses de vida.

Assunto Importante!

Muitos médicos afirmam que se sentem desconfortáveis ​​ao abordar o problema de peso. A maioria se preocupam emà gestante se sentir ofendida, e ao término da consulta sair do consultório procurando outro médico.

Mas eles enfatizam o quão importante é para pacientes e médicos que conversem sobre esse assunto. Se a gestante conversar livremente com o seu médico sobre o seu peso e todos os riscos da gravidez e obesidade, manter o diabetes e a hipertensão sob o controle é o alvo para que tudo ocorre bem e dentro do esperado.

Veja Também: Glicemia na Gravidez – Como Cuidar?

Fotos: Anna Langova, kaistachowiak