Psiu tentante! Conheça aqui a loja do Trocando Fraldas!

Estudo: Gravidez Indesejada no Brasil - Estatísticas, Motivos e Consequências12.000 brasileiras relataram suas experiências

Brasil, Julho, 2017 - A decisão de ter um bebê é considerado o máximo de demonstração de amor em um relacionamento entre homem e mulher. Porém nem sempre a geração de um bebê foi de livre vontade dos pais devido o fato já ser consumido antes – é quando se fala da gravidez indesejada. Todo mundo sabe que existe, mas ninguém consegue especificar quantas mulheres e casais passam por essa situação ou como lidam com ela.

Por isso, o Trocando Fraldas investigou essa circunstância, seus motivos e também consequências para todos os envolvidos. Afinal como acontece essa tal de gravidez não planejada?


Resultados

Você já engravidou de
forma não planejada?
profissionais?

 

Prevalência da Gestação Indesejada

  • Mais da metade das entrevistadas (56%) engravidou pelo menos uma vez de forma não planejada.
  • Mulheres da região Norte liderada pelo Amazonas são as que mais engravidam sem querer com 60%, principalmente adolescentes grávidas, tendo apenas o Pará abaixo desse valor.
  • Todos as demais regiões estão uniformemente próximo da média nacional.
  • Rio Grande do Norte Ceará e Minas Gerais são os únicos estados onde menos da metade das mães já engravidou inesperadamente.
  • Entre as capitais, Macapá lidera as capitais com 77% seguidos por Manaus e Teresina nas gravidezes indesejedas.
  • Em Fortaleza, Florianópolis e Belo Horizonte vivem mais mulheres com gestações planejadas.

Nascimento de Bebês Indesejados

  • Em média 76% dos bebês não planejados chegam a nascer enquanto o restante não consegue devido abortos espontâneos, não espontâneos e outras complicações.
  • A menor taxa de nascimentos vivos foi registrada entre mulheres do Norte com 72% e a maior na nordestinas com 78%.
  • No Acre, Distrito Federal, Piauí, Pará, Maranhão e Amazonas menos de 70% das gestação são concluídas.
  • Rondônia (87%) e Goiás (84%) têm as menores taxas de gravidez sem bebê.
  • Na capital de São Paulo, 3 a cada 7 bebês indesejados não nascem.
 

Motivo da Gravidez
Não Planejada

 

Motivos da Gravidez Não Planejada

  • 3 em cada 5 gestações não planejadas ocorrem porque o casal não se preveniu e outros 19% são atribuídos a uma falha do anticoncepcional
  • Em 1 de cada 11 casos, a mulher que engravidou não soube identificar o motivo.
  • A falta de prudência na hora de se prevenir e falta de conhecimento do motivo, são maiores no Nordeste com 64% e 14% respectivamente.
  • Na região Centro-Oeste, a maior parcela de mulheres atribuiu à gravidez a falha de anticoncepcional com 24%, enquanto apenas 5% não souberam identificar o motivo de forma alguma – o menor valor de todas as regiões.
  • Exceto em Minas Gerais, todas as mulheres do Sul e Sudeste engravidaram menos por falta de método contraceptivo do que o resto do país.

Adoção de Método Contraceptivo após Gravidez Indesejada

  • Enquanto 36% não mudaram nada em seus hábitos contraceptivos, 41% das mulheres passaram a usar o anticoncepcional depois da gravidez não planejada.
  • As mulheres do Norte aderiram a um novo método contraceptivo e ao anticoncepcional com apenas 37%, mas adotaram a camisinha como método principal com 15%.
  • No Centro-Oeste apenas 7% começaram a usar a camisinha, mas 44% iniciaram com a pílula.
  • Os 19% das mães do Sul procuraram por método alternativos como métodos injetáveis, maior valor entre todas as regiões.
  • No Piauí e Amazonas, o anticoncepcional teve a menor aceitação mesmo depois da gravidez indesejada, mal ultrapassando a camisinha como novo método.
  • Vitória é a capital com menor adesão ao anticoncepcional depois da gestação não planejada enquanto Rio Branco tem a maior.

Método Contraceptivo
Diferente após a Gravidez

 

 

Relacionamento com o Pai ao Engravidar

  • Mais da metade das mulheres estava casada com o pai ao engravidar indesejadamente e outros 32% tinham um relacionamento fixo, deixando 16% fora de qualquer relacionamento.
  • 65% das mulheres não se preveniram no ato sexual com parceiro não fixo, valor maior do que com parceiros fixos ou casados.
  • As mulheres do Sul em maior número engravidaram casadas e menos fora de relacionamento.
  • Menos da metade das mães nordestinas e do Norte estava casada quando engravidou, 24% das nordestinas não mantinham relacionamento algum.
  • No Sudeste o relacionamento fixo sem ser casado é mais comum.
  • Amapá, Paraíba e Amazonas são os estados com menos relacionamentos fixos ao engravidar indesejadamente e Espírito Santo, Santa Catarina e Paraná com mais.

Assumir Paternidade

  • 11% de pais de filhos indesejados não assumiram a paternidade deixando a responsabilidade somente da mãe sozinha, mas 35% daqueles que não mantinham relacionamento fixo com a mãe.
  • A taxa de rejeição com abandono paterno com 7% é menor na região Sul, maior no Norte com 16% e próximo da média nas demais.
  • No Maranhão e Rondônia, com 20% e 19%, tem maior fuga da responsabilidade do pais, enquanto mal chega a 7% no Rio Grande do Norte e Santa Catarina.
  • Em São Paulo e no Rio de Janeiro 90% e 91% respectivamente assumem a paternidade.


Metodologia

Na busca por respostas, o Trocando Fraldas conduziu um estudo com mais de 12.000 mulheres de todo país entre os dias 24 e 29 de maio por meio de um questionário em seu site. As respostas foram de livre e espontânea vontade das respondentes. As primeiras duas perguntas se referiram à localização das entrevistadas. Mulheres que não têm filhos ou não engravidaram de forma indesejada não tiveram de responder as perguntas restantes.

Opções de respostas que podiam ser convertidos em números, como por exemplo "sim" igual a 1 ou "não" igual a 0 , foram utilizados para computar médias para fins de comparação. Desta forma pode-se comparar resultados entre regiões, estados e capitais com relevância e representatividade estatística.


Perguntas

Foram feitas as seguintes perguntas após levantamento de dados geográficos das entrevistadas:

  1. Você tem filhos? (fim do questionário em caso não afirmativo)
  2. Você engravidou de forma não planejada com um deles? (fim do questionário em caso não afirmativo)
  3. Você teve o bebê não planejado? (fim do questionário em caso não afirmativo)
  4. Qual foi o motivo da gravidez não planejada?
  5. Após a gravidez indesejada você aderiu à algum método contraceptivo diferente?
  6. Em que tipo relação você estava com o pai do filho não planejado?
  7. O pai assumiu a paternidade do filho não planejado?
Newsletter popup => 22 sec delay