São diversas as doenças que atingem especificamente as mulheres. Por essa razão, elas precisam estar muito mais atentas aos problemas de saúde o tempo todo. O motivo de existirem essas doenças específicas está muitas vezes ligado ao sistema reprodutivo e os órgãos que o compõe.

O útero é um ótimo exemplo disso, pois ele é atingido por diversas doenças como a endometriose, o câncer do colo de útero, a cervicite e a hiperplasia endometrial também. Sobre essa última, é uma das doenças mais complexas e que, consequentemente, gera mais dúvidas nas mulheres.

E é exatamente por isso que vamos falar aqui sobre suas principais causas, sintomas e tratamentos. Mas antes de mais nada, é necessário entendermos o que é a hiperplasia endometrial afinal.

O que é a Hiperplasia Endometrial?

A hiperplasia endometrial nada mais é do que o aumento do tecido que reveste o útero de uma mulher, o endométrio. Muitas vezes essa doença aparece quando a mulher está fazendo algum tipo de tratamento hormonal, já que as causas da doença estão diretamente ligadas ao excesso de estrogênio.

Por essa razão é importante que, durante esse tipo de tratamento, ficar atenta aos sintomas e também realizar exames para saber se não há nenhum problema do tipo.

Tipos de Hiperplasia Endometrial

Existem 4 principais tipos de hiperplasia endometrial. Eles são:

Grávida após 3 anos!
"Após 3 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." Lidyane, grávida de 3 meses
Saiba mais!
  • Hiperplasia Simples do Endométrio
  • Hiperplasia Cística do Endométrio
  • Hiperplasia Focal do Endométrio
  • Hiperplasia Atípica do Endométrio

Vamos falar sobre cada um deles especificamente para que você entenda melhor como eles agem no corpo de uma mulher.

Hiperplasia Simples do Endométrio

É o tipo mais comum e mais simples de se tratar. Nesse caso o espessamento do tecido acontece de maneira menos grave, tornando possível o tratamento apenas com remédios e acompanhamento médico. Tal acompanhamento deve ser feito entre 6 meses e um ano para que a doença seja totalmente curada.

Hiperplasia Cística do Endométrio

Em casos graves, esse tipo de hiperplasia pode estar relacionado ao câncer de endométrio. Ele reveste a parede do útero de forma que a deixa com um aspecto de “queijo suíço”, com alguns buracos não preenchidos.

O tratamento também pode ser feito com medicamentos e é necessário um acompanhamento médico por até um ano para que a doença esteja totalmente curada.

Hiperplasia Focal do Endométrio

É um tipo de hiperplasia que tem como principal característica o estreitamento do útero. Isso ocorre porque o tecido endometrial cresce de uma forma localizada, se estendendo através de uma camada.

Hiperplasia Atípica do Endométrio

É o tipo mais grave de hiperplasia endometrial. Ocorre quando o crescimento do tecido endometrial está fora de controle e muitas vezes pode estar associado ao câncer de endométrio. Dependendo do estágio em que a doença se encontra, a retirada do útero pode ser necessária.

É necessário destacar que, apesar da hiperplasia endometrial se tratar do crescimento de um tecido no corpo de uma mulher, não significa que esteja ligado a algum tipo de câncer. A hiperplasia é uma condição benigna, já que se trata apenas de uma resposta do corpo a um estímulo hormonal, embora exista a possibilidade dessas duas doenças estarem interligadas.

Quais são as Causas da Hiperplasia Endometrial?

Como já dissemos anteriormente, a principal causa da doença está ligada a exposição excessiva de estrogênio. Isso pode acontecer em alguns casos, como:

  • Tratamentos com Medicamentos à base de Hormônios
  • Histórico de Tumor no Ovário
  • Ciclo Menstrual Desregulado
  • Terapias de Reposição Hormonal

É necessário frisar que, a doença está ocorrendo porque o corpo entende que precisa repor aquele tecido por alguma razão. É uma resposta natural e que pode ser equilibrada, principalmente se for detectada em seu início. Por isso, pessoas que se encaixam em algum desses casos precisam visitar um médico e realizar exames constantes para evitar qualquer problema mais grave.

Principais Sintomas da Hiperplasia Endometrial

Podemos afirmar que os principais sintomas da hiperplasia endometrial são:

  • Sangramento Uterino
  • Fortes cólicas e dores abdominais
  • Aumento do tamanho do útero
  • Estreitamento do útero

Apesar de nem todos os sintomas serem facilmente detectáveis, deve-se prestar atenção especialmente nos dois primeiros, já que são um forte indicativo da doença.

Diagnóstico da Hiperplasia Endometrial

O diagnóstico da doença é feito principalmente através de exames de imagem como o ultrassom transvaginal, já que os exames ginecológicos comuns não são capazes de detectar a hiperplasia endometrial.

Com o diagnóstico em mãos, o médico pode verificar qual é o tipo de hiperplasia e qual se nível de gravidade, para então poder receitar o tratamento adequado para cada caso.

Tratamento da Hiperplasia Endometrial

O tratamento da doença varia de acordo com o tipo de hiperplasia endometrial que a mulher possui, além de outros fatores como idade e a vontade da mulher de engravidar. Baseado nessas informações e no diagnóstico, um médico pode receitar medicamentos que podem ser orais, intramusculares ou até mesmo intrauterinos.

O tratamento pode durar de 6 meses a um ano, dependendo da gravidade da doença. Após terminado, um médico faz uma biópsia para verificar se obteve bons resultados ou não.

Ainda é necessário que seja feito um acompanhamento semestral ou anual para verificar se a doença não voltou e se está tudo bem com o útero da mulher. Esse acompanhamento é necessário para que o quadro clínico de uma mulher não piore bruscamente e para evitar que outras doenças se desenvolvam.

Possíveis Complicações

As duas principais complicações da doença são as chances aumentadas de câncer do endométrio e do colo de útero, além de também possíveis problemas para engravidar. Por essa razão é ideal que o acompanhamento pós tratamento seja feito corretamente.

Se uma mulher desejar engravidar depois de ter passado por um caso de hiperplasia endometrial, é necessário um acompanhamento médico mais rigoroso. Isso não significa que uma mulher que teve a doença necessariamente terá problemas para engravidar. Na verdade, é esperado que esses problemas não apareçam, porém, por conta do histórico médico, é importante que haja a prevenção.

Lidar com certas doenças pode ser desgastante e até mesmo complicar a vida de uma mulher. Porém, uma vez que essas doenças existem, é necessário saber exatamente como elas se desenvolvem e quais são as melhores formas de trata-las.

Não se esqueça de sempre ter um médico de confiança por perto com quem você possa conversar e tirar todas as suas dúvidas. Ler e pesquisar é muito importante, mas ninguém melhor que o seu médico para tirar dúvidas específicas e te acalmar em relação a diversos aspectos de doenças de mulheres.

Por isso tenha sempre em mente que a luta contra a doença não acontece sozinha, mas em conjunto com pessoas de confiança e que te ajudam a passar por essa fase.

Veja Também: Endométrio Espessado – Causas, Sintomas e Tratamento
Foto: episy2