Laços afetivos são ligações de afeto que se constroem no decorrer da vida. Os primeiros laços afetivos criados normalmente são entre mães, pais e filhos. A família é o primeiro lugar onde são criados os laços afetivos e os mais fortes, que durarão por toda a vida.

O apego e os laços afetivos fazem parte dos pontos importantes da vida de qualquer ser humano. São criados naturalmente, sem esforço algum e normalmente se constroem com base na reciprocidade de sentimentos.

Laços Afetivos e o Desenvolvimento da Criança

Focando no desenvolvimento físico e emocional de uma criança, as ligações dos laços afetivos interferem com muita força. Desde bebê necessitam de muita atenção e cuidados com firmeza e amor, que vai além das obrigações. Precisam se sentir seguros e acolhidos para ultrapassar cada fase e descoberta da sua vida.

Ninguém conhece um filho como os pais, portanto fortalecer essa ligação e os laços afetivos a cada dia, regado com muito amor, atenção e carinho é essencial. Todo laço afetivo é alimentado através da confiança, do cuidado diário, da atenção e principalmente do afeto. Se desprenda dos olhos julgadores e olhe sempre como olhos de amor.

O maior erro dos pais, é permitir que os laços afetivos se abalem no decorrer dos anos. Toda atenção dada na fase do bebê, vai se perdendo com o crescimento do filho. O lugar onde deveria ser o porto seguro da criança, onde a confiança era acima de tudo, começa a se perder.

Normalmente na fase da adolescência, fase complicada de qualquer ser humano, os pais costumam sentir maior dificuldade no relacionamento com o jovem, que por sua vez também se distancia. Parece mesmo que os laços afetivos são totalmente abalados nessa fase e valores tão importantes da família acabam se perdendo nesse momento, ou pelo menos parece que se perderam.

Grávida 4 anos depois do 1°!
"Lutei quase 4 anos para engravidar de novo! Saiba o que mudou a minha história." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida 4 anos depois do 1°!
"Lutei quase 4 anos para engravidar de novo! Saiba o que mudou a minha história." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!

Por isso é tão importante sempre alimentar esses laços, ajustar os erros e procurar corrigir e alinhar o que está fora do que era normal da família. Os laços afetivos com o passar dos anos vão se fortalecendo através da confiança e da presença, e é necessário como qualquer relacionamento cuidar para que se mantenha.

Traumas Da Infância

A infância é regada de muitas mudanças e transições diárias e com elas podem ocorrer situações traumáticas e que fazem marcas por toda a vida. Situações dentro da família, algum episódio presenciado na rua, separações de pais, agressões físicas ou verbais e até violências de todos os tipos.

As vivencias da infância são o que proporcionarão boas histórias, experiências e formarão o que a criança será no futuro. Tudo que é vivido na infância colaborará ativamente para o desenvolvimento da personalidade, o que determinará escolhas importantes por toda vida.

Traumas na infância podem atingir o desenvolvimento e fazer marcas profundas no caráter de uma criança, como por exemplo:

Baixa autoestima

Traumas podem afetar diretamente a segurança da personalidade da criança. Problemas de baixa autoestima são observados em crianças que sofreram traumas da infância. Muitas vezes, desenvolvem dificuldade no relacionamento, tem uma visão distorcida de si mesmo e com a sensação de que nunca será bom o bastante para fazer qualquer atividade.

É muito importante que crianças que sofreram algum trauma, tenham um acompanhamento psicológico adequado, além do apoio e cuidado familiar. Quanto mais cedo acompanhado o trauma, menores são as chances de a criança desenvolver problemas com baixa autoestima.

Dificuldade de se relacionar

Crianças que sofreram traumas graves e que afetam completamente o psicológico como os casos de abuso sexual, abusos físicos e psicológicos, afetam totalmente a forma de se relacionar com os demais, além do seu comportamento com o mundo.

A desconfiança com os demais, a insegurança e o receio de se relacionar com novas pessoas é um dos problemas mais graves. Mas pode ser solucionado com acompanhamento psicológico.

Medo de falar em público

Dependendo do tipo de trauma, normalmente relacionado a humilhações em público, a criança desenvolve medo de falar em público. Tem muita dificuldade em se expressar, conversar em grupos mesmo que pequenos e pode ter dificuldades em relacionamentos interpessoais ao longo da vida, afetando também futuramente na profissão.

Os traumas ocorrem devido a incapacidade da criança ou até mesmo do adulto de superar certos acontecimentos na sua vida. Mas todo e qualquer tipo de trauma pode e deve ser tratado através de tratamentos com especialistas em traumas, normalmente psicólogos e terapeutas.

Algumas crianças e jovens, vítimas de traumas graves e quadros intensos de medo, podem se adaptar e se recuperar de maneira incrível. E essa recuperação pode variar de acordo com o amadurecimento do psíquico, que em alguns casos pode ocorrer de forma precoce nas crianças.

O processo de tratamento não é nada fácil e obviamente não faz nenhum milagre. Mas com um acompanhamento de um profissional capacitado, os resultados surgirão. Outro método para tratamento de traumas alternativo é a hipnose.

Através de sessões de hipnose muitos pacientes conseguiram ter uma visão diferente do problema, superando traumas e conseguindo seguir suas vidas completamente curados.

Veja Também: Maternidade Envelhece?
Foto: VAB02040