O óvulo é escolhido pelas características físicas da doadora e da receptora

Quando a gravidez se torna uma meta e um sonho a ser realizado, para alguns casais a tarefa é simples. Porém em alguns casos nem tanto… Algumas mulheres têm limitações que o seu corpo lhe impõem e também a vida pode ter proporcionado. Em alguns casos a alternativa para a infertilidade feminina pode vir de um gesto simples e de amor, a ovodoação.

A ovodoação nada mais é do que a doação de óvulos de mulheres saudáveis para o banco onde se armazena esses gametas e dali é repassado à mulheres que estão a espera de engravidar através de doação de óvulos. O passo para doar é simples e exige da mulher que está fazendo a doação um pequeno sacrifício, a estimulação ovariana. Por outro lado, para quem recebe o óvulo doado, a vida se torna melhor, pois as chances de conceber se tornam concretas.

Mulheres que necessitam de ovodoação são aquelas em que sofreram algum trauma como câncer dos ovários, ou alguma outra doença que a impeça de ovular e então engravidar. Normalmente esse procedimento é autorizado no Brasil desde que o processo seja cercado de alguns cuidados e regras tais como:

  • Anonimato da doadora
  • Nenhum tipo de comercialização ou troca pelos óvulos
  • A clínica tem autonomia para escolher a doadora
  • A receptora deve ter no máximo 50 anos e a doadora 35

Como é Feita a Ovodoação?

A ovodoação é feita através da estimulação ovariana, seja para um tratamento da própria doadora ou mesmo exclusivamente para a doação dos óvulos. O médico fará a estimulação semelhante ao procedimento de inseminação artificial e coito programado. Assim, a mulher produzirá óvulos bons e suficientes para a doação. A ovodoação é feita em clínicas especializadas em fertilidade ou hospitais que façam o procedimento de ICSI ou FIV.

Medicamentos como indutores injetáveis são de responsabilidade da clinica e a doadora não arcará com qualquer custo. Após a estimulação ovariana, ela é submetida à uma aspiração dos óvulos assim que chegam ao tamanho ideal e maturidade. O procedimento é relativamente simples e exige apenas uma sedação leve para evitar a possível dor que venha a existir. Para a receptora, o procedimento é diferenciado, ela tem o seu útero preparado para receber o embrião formado em laboratório. Geralmente é feita a junção do óvulo doado com o espermatozoide do seu companheiro, caso esse não tenha maiores problemas. A medicação usada pela mulher é a mesma das mulheres que fazem a fertilização in vitro. A diferença é que e a etapa de estimulação ovariana é pulada e vai direto ao ultimo passo que é a transferência dos embriões.

Normalmente a transferência se dá com dois ou três embriões que se desenvolveram bem até o 5º dia de desenvolvimento celular. O risco para quem faz esse tipo de procedimento é a gravidez múltipla e para a doadora apenas as dores durante o processo de estimulação. Para a doação de óvulos compatível, o perfil da receptora é levada em consideração e então os óvulos de uma doadora com as mesmas características físicas é selecionado. A cor da pele, olhos e até mesmo os cabelos. Devo lembrar que a ICSI ou FIV podem não ter sucesso na primeira tentativa, o risco é o mesmo que para outras mulheres que façam o procedimento total, de coleta dos óvulos e transferência para o útero. A chance de dar certo é de 45% em mulheres que tem um endométrio receptivo. Por saber que o procedimento pode não dar certo, o medico pode manter mais óvulos fertilizados para uma segunda etapa. O procedimento custa por volta de R$ 14 mil reais para a receptora e zero para a doadora.

Doar óvulos é doar vida à outras pessoas, doar um sonho, certamente a recompensa de ver alguém alcançar a felicidade plena e ajudar a outra mulher a realizar o desejo de gerar!

Veja também: Fertilização in Vitro – Como é feita Com Dr Felipe Lazar Junior

Foto: Prescott Pym