Para quem está tentando engravidar, conhecer o corpo e o ciclo menstrual é fundamental para aumentar as chances de concepção. Muitas mulheres acreditam que o ciclo leva em média 28 dias, mas é importante destacar que a duração dele varia de mulher para mulher. Por isso, estar atenta ao corpo permite descobrir o período fértil com maior clareza.

Ao longo desse artigo, vamos apontar aspectos importantes relacionados à ovulação e ao período fértil. Também forneceremos dicas sobre como identificar esse período tão valioso para aumentar as suas chances do positivo.

1. Fases do ciclo menstrual
2. Como descobrir o período fértil
3. Testes de ovulação – como funcionam
4. Sintomas da ovulação

1 – FASES DO CICLO MENSTRUAL

O ciclo menstrual compreende diversas fases que são orquestradas pelo trabalho de alguns hormônios. Esses hormônios são marcadores de algumas mudanças no corpo e caracterizam cada fase do ciclo menstrual.

Saber de fato quando ocorre cada fase do ciclo é uma tarefa difícil, mas tendo uma maior atenção às mudanças do corpo tudo fica mais fácil. O uso de testes de ovulação pode ser um grande aliado na detecção da fase ovulatória, indicando que o período fértil se aproxima. Na Famivita você encontra testes de ovulação com sensibilidade 20mUI, o que garante uma maior precisão no uso dos testes.

Sabendo disso, confira conosco quais são as fases que fazem parte do ciclo menstrual e conheça detalhes de cada uma delas.

  • Fase folicular

A primeira fase é a folicular, que se inicia no primeiro dia da menstruação e corresponde à fase antes da liberação do óvulo. Durante esse período, que dura em média 14 dias, há o aumento da produção do hormônio FSH. Ele vai estimular a produção dos folículos (que contêm os óvulos) nos ovários.

Com a produção dos folículos é aumentada, também, a produção de estrogênio. O crescimento nos níveis de estrogênio causa mudanças no corpo da mulher, como uma maior produção de muco e espessamento do endométrio – tudo para criar um ambiente mais favorável a uma possível implantação do embrião. Junto a isso, ocorre o aumento da produção do hormônio LH, que age estimulando o rompimento do folículo, liberando o óvulo e dando início à próxima fase.

Apenas um dos folículos é que será o dominante e amadurecerá por completo, dando origem ao óvulo.

  • Fase ovulatória

Aqui é onde acontece a ovulação. O aumento do LH, iniciado na fase folicular, finaliza o amadurecimento do óvulo que, após ser liberado, encaminha-se para as tubas uterinas.

Durante a fase ovulatória, o muco se torna mais elástico para auxiliar na movimentação dos espermatozoides dentro do corpo.

A fase ovulatória dura pouco tempo, mas o período fértil se estende um pouco mais: cerca de três dias antes e depois da ovulação. Essa fase termina quando o óvulo é liberado.

DURANTE A FASE OVULATÓRIA, O ÓVULO É LIBERADO

  • Fase lútea

A fase lútea tem início logo após a liberação do óvulo. Com o rompimento do folículo, o tecido, que se chama corpo lúteo, produz a progesterona. Esta, por sua vez, favorece o surgimento de algumas mudanças no endométrio, preparando o corpo para receber uma possível gestação.

Quando uma gestação não ocorre, o corpo lúteo regride, a produção de hormônios é interrompida, o endométrio se descama e a menstruação aparece, dando início a todo o ciclo novamente.

FASES DO CICLO MENSTRUAL

2 – COMO DESCOBRIR O PERÍODO FÉRTIL

Saber quando acontece o período fértil é o primeiro passo para quem quer engravidar. É durante o período fértil que há mais chances de conseguir o tão sonhado positivo e, por isso, é importante acompanhar o ciclo para identificar com mais clareza esse período.

Apesar de algumas pessoas acreditarem que é possível engravidar fora do período fértil, isso não é uma verdade. Devido à necessidade de vários fatores, engravidar fora do período fértil é praticamente impossível.

O período fértil está ligado à ovulação. Mas o que é a ovulação? Bom, a ovulação é o momento em que ocorre a liberação do óvulo às tubas uterinas. Se fecundado, o óvulo irá gerar um embrião; caso contrário, o óvulo morre e é expulso junto com a menstruação.

Algumas mulheres acreditam que calcular o período fértil é somente se atentar ao meio do ciclo, ou seja, ao 14º dia após o início da menstruação. Entretanto, sabemos que não é assim! Há muitas mulheres que têm ciclos irregulares e, por isso, imaginar que o período fértil ocorrerá exatamente no meio do ciclo poderá atrapalhar as chances de uma gravidez.

Você sabia que nós, mulheres, já nascemos com a nossa reserva de óvulos para toda a vida? Ao longo da nossa vida vamos liberando-os a cada ciclo e, por isso, quanto mais idade a mulher tem, menos óvulos ela terá disponíveis.

É importante levar em consideração também que, além da quantidade não ser a mais a mesma, a qualidade dos óvulos pode ser prejudicada. Dessa forma, mesmo que uma gravidez ocorra, há chances de que ocorram problemas durante a gestação.

A RESERVA DE ÓVULOS VAI DIMINUINDO AO LONGO DOS ANOS.

Além do tempo interferir na quantidade e até mesmo na qualidade de óvulos disponíveis, é preciso ter em mente que outros fatores, a exemplo de estilo de vida e maus hábitos (como tabagismo e sedentarismo), colaboram negativamente para esse cenário.

Outro quesito muito importante para o qual devemos estar atentas é a nutrição do nosso organismo. E sobre esse tema a nossa sugestão é que se faça uso do polivitamínico FamiFerti. Ele é indicado por vários profissionais da área e tem na sua composição o metilfolato e outras vitaminas importantes que são essenciais para preparar o corpo de modo a deixá-lo saudável, aumentando as chances da concepção.

Mito ou verdade: é verdade que a gravidez só pode ocorrer no período fértil?

Essa é uma dúvida bem frequente, mas muito compreensível no verdadeiro “mar de informações” que precisamos assimilar quando estamos em busca do positivo. A questão é que estando no período fértil, as chances de engravidar crescem aproximadamente 25%.

Sabemos que a fecundação é o encontro do gameta feminino (óvulo) com o gameta masculino (espermatozoide). Assim, mesmo que a mulher mantenha relações sem preservativo, ela não vai engravidar se não existir um óvulo pronto para ser fecundado. E já vimos que o óvulo só é liberado nessa, digamos, “janela” de fertilidade proporcionada por esse período, ou seja, em dias bem específicos.

Logo, é quase que impossível engravidar fora do período fértil porque como isso poderia acontecer se um dos gametas está ausente? Essa é uma das várias particularidades entre o homem e a mulher quando falamos de fertilidade. O homem produz gametas o tempo inteiro, enquanto a mulher ovula apenas uma vez por mês e libera só um óvulo a cada período fértil.

Mito ou verdade: existem posições para engravidar e a elevação ajuda?

Especialistas no assunto concordam: quando o tema é engravidar, as posições que trazem uma elevação ou inclinação da vagina são apontadas como as mais eficientes.

Diversos estudos, aliás, foram empreendidos a respeito disso, alguns usando ressonância magnética, para observar em detalhes tudo que acontecia dentro do canal vaginal, durante a penetração, em determinadas posições.

Entre essas posições consideradas “padrão ouro” para engravidar, pode ser citada, por exemplo, a “missionário”. Nela, a vagina fica inclinada em direção ao colo do útero, assim como a ponta do pênis fica diretamente alinhada nele, impulsionando os espermatozoides a seguirem seu caminho até ao óvulo. A dica é colocar uma almofada por baixo dos quadris para dar um reforço a mais.

Outra posição que costuma ser aconselhada é aquela denominada “cão”, em que a mulher fica de quatro. Como a penetração é mais profunda, a gravidade vai colaborar, e os espermatozoides terão um maior alcance, chegando mais rápido ao colo do útero.

Uma dica que pode ajudar, seja qual for a posição escolhida pelo casal, é que a mulher permaneça um tempinho extra na cama logo depois da relação. Isso porque pesquisas demonstraram que pacientes que passaram por uma inseminação artificial e ficaram deitadas na cama por cerca de 15 minutos apresentaram 50% mais chance de engravidar do que as que levantaram logo em seguida.

Tenho ciclos irregulares, como devo fazer?

Muitas mulheres têm ciclos irregulares e, nesses casos, deve-se redobrar a atenção aos sinais que o corpo dá quando a ovulação e o período fértil estão se aproximando.

Algumas mulheres têm ciclos mais longos, outras mais curtos e, em alguns casos, podem nem mesmo estar ovulando.

Assim sendo, para todos os casos, é importante observar o ciclo ao longo do tempo, percebendo as alterações no corpo que vão surgindo nesse percurso. Os testes de ovulação (ver próximo tópico) são alternativas práticas e rápidas para ajudar na identificação do período fértil.

OS TESTES DE OVULAÇÃO PODEM SE TORNAR ALIADOS NA IDENTIFICAÇÃO DO PERÍODO FÉRTIL

De forma geral, há três sinais de fertilidade muito comuns: o muco cervical, a temperatura basal e a posição do colo do útero. Ao longo do ciclo, cada um desses sinais muda de características, permitindo que a janela fértil seja mais facilmente identificada.

Mulheres que usam anticoncepcional corretamente, não têm período fértil, já que a ovulação não ocorre. A menstruação, nesses casos, é um sangramento de privação que acontece quando os níveis hormonais caem.

  • Muco cervical

O muco cervical é uma secreção que serve de transporte para os espermatozoides. À medida que o período fértil vai se aproximando, o muco se torna mais transparente e elástico, similar à consistência “clara de ovo”.

  • Temperatura basal

Essa é a temperatura do nosso corpo em repouso. Ao se aproximar a ovulação, a temperatura basal aumenta de forma progressiva, atingindo o seu pico quando, de fato, se começa a ovular. Por isso, realizar diariamente a aferição da temperatura basal permite que se tenha um maior entendimento de quando a ovulação ocorre.

Usualmente, as temperaturas variam entre 36º e 37º durante a primeira fase do ciclo, em que ocorre o desenvolvimento do óvulo. Esse método de observação também ajuda na descoberta do próprio corpo e para fazê-lo é bem simples. Basta dispor de um termômetro basal, preferencialmente para uso individual, e de um caderno para fazer as anotações.

E pensando na importância de realizar a medição da temperatura basal, sugerimos o uso do Termômetro Basal da Famivita. Ele tem alto grau de precisão, realiza uma aferição de 32 a 42 graus, mostrando o resultado em visor digital com duas casas decimais. O melhor aliado para quem quer, de fato, descobrir seu período fértil!

  • Colo do útero

À medida que a ovulação se aproxima, o colo do útero se abre, ficando mais macio e aberto. Isso ocorre para facilitar a passagem dos espermatozoides para o útero.

OBSERVAR OS SINAIS DE FERTILIDADE PERMITE CONHECER MELHOR O PRÓPRIO CORPO

Se você está em busca de mais uma ferramenta para auxiliar na detecção do período fértil, no Trocando Fraldas você tem disponível a Calculadora do Período Fértil. Ela não fornece o dia exato do seu período fértil e ovulação, mas é possível ter uma estimativa de quando isso ocorre. Você pode conferir a Calculadora do Período Fértil aqui neste link.

Recomendamos o uso da Calculadora do Período Fértil junto com testes de ovulação para uma detecção mais exata.

O que acontece após a ovulação?

Após o óvulo ser liberado, ele fica entre 12h a 24h nas trompas, aguardando pelo espermatozoide. Devido à presença dos altos níveis de progesterona, o corpo já começa a se preparar para uma possível fecundação: o útero ganha um maior revestimento para que o futuro embrião possa se fixar ali.

Você sabia que o espermatozoide pode sobreviver até 5 dias dentro do corpo da mulher? Por isso, ter relações antes da sua ovulação garante mais chances de que o espermatozoide alcance o óvulo a tempo.

Se o óvulo não for fecundado, os níveis de estrogênio e progesterona diminuirão e o revestimento espesso que se formou no útero se desfaz, dando origem à menstruação e recomeçando o ciclo menstrual.

NA MENSTRUAÇÃO, O ENDOMÉTRIO É EXPELIDO, CONFIRMANDO QUE UMA FECUNDAÇÃO NÃO OCORREU

3 – TESTES DE OVULAÇÃO – COMO FUNCIONAM

Como já sabemos, os hormônios são os principais personagens para tornar possível a ovulação. Aumentado, o hormônio LH é o responsável por finalizar o amadurecimento do óvulo e liberá-lo para as tubas uterinas. Os testes de ovulação detectam, justamente, esse aumento do LH, indicando que a ovulação está chegando.

À MEDIDA QUE SE APROXIMA A OVULAÇÃO, OCORRE UM AUMENTO DO HORMÔNIO LH

É importante que a utilização dos testes de ovulação seja iniciada logo após o final da menstruação, sendo interessante, também, ficar atenta quanto ao uso de indutores de ovulação, pois estes podem influenciar no resultado.

Os testes de ovulação são testes de fertilidade feminina muito simples de serem usados: eles funcionam igual a um teste de gravidez, ou seja, através da urina. Ele deve ser utilizado diariamente e, à medida que a listra vai ficando mais forte, significa que mais LH está sendo produzido e, portanto, mais próxima se encontra a ovulação.

ÀNOS TESTES DE OVULAÇÃO, A LINHA DE TESTE FICA MAIS MARCADA, CONFORME SE ESTÁ MAIS PERTO DE OVULAR

Os testes de ovulação são importantes para confirmar o dia da ovulação, o que permite saber quando inicia o período fértil. Dessa forma, é possível planejar as relações e aumentam as chances de conseguir o positivo.

Para ter mais clareza sobre o seu período fértil, é importante buscar testes de ovulação de alta qualidade. Por isso, a nossa recomendação são os testes de ovulação Famivita que possuem uma alta sensibilidade e disponibilizam o resultado em até 3 minutos!

Entender e acompanhar o período fértil pode ser o empurrãozinho que falta para conseguir o positivo. Conheça a história da Brenda, uma de nossas #mãesfamivita que, após descobrir o seu período de ovulação usando nossos testes de ovulação, conseguiu engravidar! Confira a história completa em nosso site.

4 – SINTOMAS DA OVULAÇÃO

A ovulação é um processo que, devido aos hormônios envolvidos, gera diversas mudanças no corpo da mulher. Embora alguns dos sintomas sejam perceptíveis, muitos deles podem passar despercebidos. É por isso que é decisivo fazer o acompanhamento do ciclo diariamente, para saber quando a ovulação está se aproximando.

Sintomas da ovulação

  • Muco cervical transparente e elástico, tipo “clara de ovo”

O muco cervical é importante para auxiliar no transporte dos espermatozoides dentro do corpo feminino. Assim, quanto mais perto da ovulação, mais o muco se torna propício à facilitar a movimentação dos espermatozoides no corpo.

  • Aumento da temperatura basal

Devido ao aumento da progesterona, ocorre uma elevação da temperatura basal, que pode ser verificada pela aferição diária da temperatura ao acordar.

A TEMPERATURA CORPORAL AUMENTA À MEDIDA QUE A OVULAÇÃO SE APROXIMA

  • Aumento da libido

É possível que algumas mulheres sintam um aumento da libido, afinal, a natureza é muito inteligente e acaba dando um empurrãozinho para que uma gravidez ocorra.

  • Dór pélvica leve

Também chamada de “dor da ovulação”, é uma dor parecida com uma cólica, no lado inferior do abdômen e que ocorre devido à liberação do óvulo.

Compreender o seu ciclo menstrual é o primeiro passo para tornar mais viável a concepção, já que, dessa forma, é possível planejar as relações e direcionar as tentativas. O melhor dia para engravidar é justamente o período que antecede a ovulação: como o espermatozoide sobrevive até 5 dias no corpo da mulher, ele já fica esperando o óvulo ser liberado para, então, realizar a fecundação. Por isso, utilize os testes de ovulação, fique atenta aos sintomas e conheça o seu corpo para maximizar as chances do seu positivo.

SOBRE A MARCA: A Famivita reinventa e abre caminhos para chegar à gravidez sem necessidade de recorrer a tratamentos complexos e caros. Todos os produtos são desenvolvidos em conjunto com especialistas em fertilidade, médicos e as próprias mães, tendo o devido reconhecimento perante a Anvisa. Você pode encontrar todos os produtos Famivita aqui e pode verificar histórias reais e de sucesso de mulheres que conseguiram engravidar usando os nossos produtos aqui.

SOBRE A AUTORA – PATRICIA AMORIM: Mãe de Joana, de Eduardo e de Melissa com um total de 7 anos de experiência em tentativas para engravidar. Ela é a idealizadora da marca Famivita e de um dos maiores portais de maternidade do Brasil, o Trocando Fraldas, que conta mais de 3 milhões usuárias mensais. Seu canal do YouTube possui mais de 250 mil inscritas.