Qual mamãe não tem curiosidade em conhecer o seu bebê? Parece que essa vontade fica ainda maior no final da gestação, então a pressa para que o parto aconteça vem com tudo. O problema é quando o parto antecipado é forçado pela mamãe e na grande maioria das vezes, pelo médico. O parto com 37 semanas teoricamente não seria prematuro, porém, ele pode trazer tantos riscos como um parto com 34, 35 semanas você sabia?

O problema é a contagem para a mamãe. Todos os médicos dizem que o 9º mês começa à partir da 37ª semana de gestação, então na cabeça da mulher, com 37 semanas o bebê estará totalmente formado e com capacidade suficiente para nascer bem e com plenos pulmões. Mas não é bem assim… Como mamãe de 3 viagens, sempre tive esta informação: à partir das 37 semanas de gravidez, o parto pode acontecer a qualquer momento. Isso soa como uma sirene dentro da cabeça de uma gestante ansiosa e cheia de incômodos do final da gravidez. Por isso, esclarecer alguns pontos é para lá de importante!

Primeiramente devemos relembrar a contagem da gravidez. Levaremos em consideração que o inicio deve ser à partir do primeiro dia da ultima menstruação. A DUM como os médicos chamam, é a primeira base da contagem da gestação. O médico iniciará os cálculos com base nela e posteriormente confirmar com o ultrassom. O problema acontece quando a data da ultima menstruação, não bate com a data da gravidez.

Normalmente uma diferença de até 7 dias, é relevante aos olhos médicos, porém, além desse prazo, a diferença pode ser considerada pela diferença da concepção e implantação. Por exemplo, a mulher que menstrua dia 5 com ciclo de 28 dias, deveria ovular por volta do dia 19 do mês. Esse dia que cai por volta de 14 dias após o inicio do sangramento menstrual. Porém, a ovulação pode acontecer por volta do dia 29 do mês causando atraso nas contas e por consequência, reduz a idade gestacional em praticamente 2 semanas! Então, a mulher que pelas contas achava que estaria com 37 semanas, estaria na verdade com 35! Duas semanas essas, que fariam totalmente a diferença na hora do parto para a maturidade do bebê.

Quais os Riscos do Parto Com 37 Semanas?

Geralmente o parto com maior incidência de problemas para o bebê é o parto cesariana eletivo, já que seria uma data pré-agendada pelo médico para retirada do bebê do útero sem saber com total certeza da maturidade pulmonar. Esta maturação do pulmão é fundamental para um parto bem sucedido, o qual não traria problemas maiores para o bebê fora do útero. A maturidade pulmonar do bebê pode acontecer antes mesmo das 37 semanas de gravidez, mas em outros casos, o pulmão ainda não atingiu o ideal mesmo com 39 semanas de gestação. A maturação depende de uma enzima secretada pela placenta a qual mostra os graus de velhice. Esses graus da placenta podem ir do 0 ao 3 e são perfeitamente normais.

Conforme a placenta envelhece, ela ajuda a amadurecer os pulmões do feto para prepara-lo para a vida fora do útero. Estudos indicam que o trabalho de parto, é iniciado com o excesso dessa secreção da placenta. O organismo consegue detectar quando o pulmão está totalmente formado e pronto para receber oxigênio respirado por si só.

Quando o parto acontece sem nenhum indicio de que o órgão está pronto para funcionar, o bebê corre o risco de ter problemas respiratórios logo após o nascimento pela pouca maturidade pulmonar. O bebê pode nascer “cansado” se esforçar muito para respirar e em alguns casos, necessitar de ajuda de oxigênio, e balão de oxigênio. O parto com 37 semanas, mesmo sendo considerado o 9º mês de gravidez, não garante essa maturidade pulmonar.

Existem meios para prevenção de problemas desse tipo. Quando o parto ameaça acontecer antes de completar os 9 meses, o médico pode indicar que a mãe use um medicamento para acelerar esse amadurecimento. O Celestone Soluspam, ou simplesmente Celestone faz o papel desses hormônios liberados pela placenta e auxilia nesta maturação precipitada. A mulher deve tomar cerca de 3 doses, podendo ser aumentadas conforme necessidade.

Também existe um exame apropriado para verificar a maturidade dos pulmões do bebê. Este tem como finalidade verificar a quantidade de corpos lamelares através do liquido amniótico. Se a quantidade for superior a 70%, então significa que o bebê já poderá vir ao mundo sem ter problemas imediatamente após ao nascimento.

Um exame rápido e simples solicitado pelo médico, mas que não está disponível em todos os centros médicos de todas as cidades. Ele custa em torno de R$500 em clinicas especializadas. Este tipo de exame é necessário, quando a gravidez corre risco de ser interrompida muito precocemente, mas também está disponível para gestantes à termo (acima de 37 semanas).

Então amiga, é importante lembrar que o risco de se ter um parto com 37 semanas, não é necessariamente para a mulher, mas sim para o bebê. O depoimento do meu obstetra quando estava na ultima gestação, me fez ver o problema em que várias mulheres se metem quando têm muita pressa em dar a luz. O ideal é deixar o bebê mostrar quando quer nascer, ou se você opta por uma cesariana eletiva, procure deixar o parto para próximo das 39 e 40 semanas de gestação. Até lá, é mais garantido que o pulmão do seu bebê, esteja mais apto para o nascimento.

Relato: Quando estava grávida do Eduardo, a data da ultima menstruação era quase 4 semanas de diferença para a idade fetal real. A gravidez aconteceu na segunda quinzena de janeiro, quando eu menstruei no inicio de dezembro. Às 37 semanas de gestação contadas pela DUM, o médico vendo um pequeno pico de pressão, resolveu fazer um parto “necessário”. NA verdade eu me assustei, pois, ele como médico deveria saber que não estava com 37 semanas e sim com quase 34 que geraria um parto muito prematuro.

Como fiquei muito apreensiva, resolvi ter uma segunda opinião, a qual a medica me aconselhou a esperar mais alguns dias. Como resultado final, fugi do médico “doido” com excesso de cautelas (a pressão estava 13X9) e tive o meu bebê com quase 41 semanas de gestação real contadas à partir da concepção, da primeira ultrassom com um médico excepcional. Tenho certeza de que se houvesse o parto com 37 semanas, o Eduardo nasceria com baixa maturidade pulmonar e problemas como aconteceu com a Joana. Mamães, todo cuidado é pouco!

Veja também: Líquido Amniótico – Baixo ou em Excesso Traz algum Problema?

Foto: Tasja76,obraz55