Muitas mulheres desejam ter um parto natural, outras tem medo. Muitas também não sabem como agir quando o bebê não está na posição mais comum e acabam ouvindo falar do parto pélvico.

Não é incomum ouvirmos histórias sobre parto pélvico, sobre o que faz bem ou mal e diversos outros mitos que as pessoas carregam consigo. Mas além de todas as histórias, o que será que realmente causa esse tipo de parto e será que ele oferece riscos para o bebê? Para saber isso, vamos nos aprofundar um pouco mais em cada um desses aspectos.

O que é o Parto Pélvico?

Um parto pélvico nada mais é do que um parto feito na posição pélvica, ou seja, sentado dentro do útero. É extremamente comum que, a partir do sétimo mês de gestação, o crescimento do feto ocorra de forma mais acelerada e o bebê comece a virar de cabeça para baixo, ficando na posição cefálica, que é a de cabeça para baixo.

Essa é a posição que cerca de 90% dos bebês apresentam, por isso o parto pélvico é considerado tão raro e ao mesmo tempo tão desconhecido para tantas pessoas. No parto pélvico, primeiramente saem os quadris da criança e por fim, a sua cabeça.

O parto pélvico é considerado um dos tipos de parto mais desafiadores para a mãe exatamente por ser tão raro e desconhecido para tantas, o que causa um certo receio sobre os riscos que ele realmente carrega consigo. Mas é sempre importante saber que, quando há uma equipe médica preparada para essa situação, esse tipo de parto pode ser realizado com tranquilidade e sem oferecer muitos riscos.

O Que Causa o Parto Pélvico?

Não se sabe exatamente o motivo pelo qual alguns bebês simplesmente não se viram para a posição cefálica algumas semanas antes do parto acontecer. Apesar disso, existem alguns estudos que apontam que a causa pode estar relacionada com uma má adaptação do bebê ao útero, o que não significa necessariamente que haja algum problema físico com ele. Também existem estudos que apontam que causas genéticas também podem influenciar para que um parto pélvico ocorra.

Grávida 4 anos depois do 1°!
"Lutei quase 4 anos para engravidar de novo! Saiba o que mudou a minha história." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida 4 anos depois do 1°!
"Lutei quase 4 anos para engravidar de novo! Saiba o que mudou a minha história." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!

Riscos do Parto Pélvico

Dizer que o parto pélvico é um tipo de parto perigoso e que não é muito recomendado foi por muito tempo um consenso entre os médicos, mas é algo que vem mudando com o passar do tempo e a chegada de novos estudos. Sabe-se hoje em dia é o parto pélvico pode ocorrer de forma tranquila e segura, contanto que haja uma equipe preparada para realizar esse tipo de operação.

Mas, ainda que esse tipo de parto seja mais rápido que quando um bebê tem uma apresentação cefálica, é claro que existem alguns riscos que serão corridos. Dentre as complicações que podem ocorrer, as respiratórias são as mais comuns. Ainda assim, é importante lembrar que complicações e riscos podem acontecer com todos os tipos de parto normal e com a cesariana também.

Como fazer o Bebê Virar?

Muitas dúvidas ocorrem durante a gravidez, por exemplo, como saber se o bebê encaixou ou com quantos meses o bebê vira para a posição cefálica. Se uma mulher perceber que o seu bebê apresenta a posição pélvica e quer que ele vire para a posição cefálica, existem algumas técnicas que podem ser feitas, com o acompanhamento de um médico, para tentar fazer o bebê ficar na posição desejada.

Exercícios para o Bebê Virar

A maioria dos exercícios feitos para que o bebê vire consistem em tentar dar mais espaço para o bebê dentro do útero e fazer com que ele “perceba” que é possível virar de cabeça para baixo. Para realizar esse tipo de exercício, uma mulher deve ter roupas adequadas e confortáveis, sem que incomode principalmente a barriga

Versão Cefálica Externa

Também conhecida como VCE, a versão cefálica externa é uma manobra que consiste em tipos de massagens feitas por um especialista que induzem o bebê a virar de cabeça para baixo no útero. Para que essa manobra seja realizada, alguns procedimentos são feitos antes, como avaliações para verificar a verdadeira posição do bebê.

Após isso, a mulher se inclina em uma determinada posição enquanto o especialista realiza a manobra, sempre medindo a frequência cardíaca fetal durante esse processo. Existem riscos a serem corridos quando uma mulher opta por realizar a versão cefálica externa, por isso esse é um assunto que deve ser amplamente debatido com o médico antes de uma decisão ser tomada.

Quando uma Cesariana é Necessária?

Quando surge a opção de realizar uma cesariana seja por medo de ter problemas com o parto pélvico ou mesmo por falta de informação, é necessário que haja uma conversa entre a mulher e o médico para decidir qual é a melhor forma de ter o bebê, sempre pensando nas complicações a curto e também a longo prazo que cada tipo de parto pode trazer. Por isso, apenas um médico pode dizer que a cesariana é realmente necessária.

A falta de informação sobre os tipos de parto e sobre os riscos que cada um oferece muitas vezes leva as mães ao desespero, principalmente as de primeira viagem. Mas é sempre importante pesquisar e entender sobre situações como o parto pélvico, que podem parecer assustadoras em um primeiro momento, mas que são fáceis de lidar e, quando tratadas com seriedade, não são exatamente um problema na vida da gestante.

Não importa qual seja o tipo de parto que você deseja ter, o mais importante é sempre ter cuidado, um bom acompanhamento com um médico especialista e estar sempre informada sobre o que é ou não verdade sobre o assunto. Dessa forma você fica mais tranquila e, consequentemente, sua gravidez também.

Veja Também: Minha Experiência com a Recuperação do Parto
Foto: Medical Prudens