O sonho de praticamente todos os casais é de constituir uma família, mas em alguns casos dificuldades aparecem no caminho atrapalhando sua realização. Apesar de existirem diversos casos de problemas com mulheres, muitas vezes a maior dificuldade para se reproduzir está no homem. Normalmente se trata da quantidade de espermatozoides que é ejaculada, usualmente um número muito baixo para poder engravidar sua parceira. Mas o que fazer quanto à isso? Bom, existem alguns tratamentos e procedimentos que podem ser feitos para que esse problema seja resolvido, como é o caso da punção testicular.

É claro que a punção testicular não é o único procedimento existente para possibilitar um casal a ter filhos. É sempre importante investigar as causas profundamente antes de se tomar alguma decisão, e é claro que o acompanhamento médico é indispensável para que tudo ocorra bem.

Diferente de alguns tipos de intervenções cirúrgicas que também podem ser realizadas, a punção testicular pode ajudar a encontrar espermatozoides vivos ainda na origem do canal reprodutor masculino, o que pode resolver o problema do casal.

O que é a Punção Testicular?

A punção testicular é um dos procedimentos mais usados em casos de infertilidade masculina. Ela consiste, basicamente, na retirada dos espermatozoides dos epidídimos ou mesmo dos testículos com o uso de uma agulha. Esse método costuma ajudar pois, existem muitos casos de homens que não possuem espermatozoides vivos na ejaculação, ou seja, possuem a famosa azoospermia, mas que os possuem no início de seu sistema reprodutivo.

Quando Precisa Ser Feita?

Através de alguns tipos de exames, um médico pode perceber que não existem espermatozoides na ejaculação de um homem. O nome que se dá a esse fenômeno é azoospermia.

É nesse momento em que o médico pode sugerir que o homem faça a punção testicular, que consiste na extração de esperma feita por uma agulha diretamente de seus testículos ou epidídimos. No procedimento é usado uma agulha muito fina com seringa.

Mesmo assim, normalmente o paciente é sedado antes do procedimento começar, ainda que, em alguns casos, ele precise apenas de uma anestesia local para que a punção testicular ocorra.

Técnicas da Punção Testicular

Existem diferenças nos tipos de anestesia que cada paciente precisa tomar ao realizar uma função testicular porque existem diferentes tipos de se fazer esse procedimento. Cada um deles com um nível de complexidade maior. Os três tipos de punção testicular existentes são:

  • PESA (Aspiração Percutânea de Espermatozóides do Epidídimo)
  • TESA (Aspiração Percutânea de Espermatozóides do Testículo)
  • TESE (Extração por Biópsia de Espermatozoide do Testículo)

Iremos falar sobre cada um desses procedimentos separadamente para nos aprofundarmos mais na explicação sobre o nível de complexidade e o quão invasivos eles podem ser para o corpo de um homem.

PESA (Aspiração Percutânea de Espermatozóides do Epidídimo)

É a técnica menos invasiva e mais tranquila de punção testicular, já que o líquido retirado é do epidídimo sem necessidade de abertura do escroto. Normalmente é o procedimento feito para homens que fizeram vasectomia. Outra vantagem é que, por ser um procedimentos mais simples, apenas o uso de uma anestesia local é o suficiente para que o procedimento seja realizado.

TESA (Aspiração Percutânea de Espermatozóides do Testículo)

A TESA é a técnica utilizado pelos médicos caso não sejam encontrados espermatozoides vivos no epidídimo. No geral, é um procedimento bem parecido com o citado anteriormente, mas com a diferença de que é feito diretamente nos testículos, onde os espermatozoides são produzidos.

TESE (Extração por Biópsia de Espermatozoide do Testículo)

A TESE é um procedimento muito mais invasivo e complexo do que os outros dois, pois se trata de uma pequena cirurgia. Nesse tipo de punção testicular, é feito um corte de cerca de 2 centímetros na pele do escroto para que o epidídimo seja exposto. Depois disso, o líquido é aspirado diretamente de um dos túbulos do epidídimo.

Biópsia Testicular

É importante que não se confunda a biópsia testicular com a punção testicular. Nesse caso, o procedimento feito é um tanto diferente, já que uma cirurgia é feita, retirando uma pequena porção do órgão para que os espermatozoides possam ser captados diretamente da amostra. Apesar de terem a mesma finalidade, os procedimentos são feitos de formas bem diferentes.

Contraindicações

Em termos gerais, as contraindicações para se fazer esse procedimento são muito poucas, até mesmo porque ele é algo simples e quase nada nocivo para o corpo do homem, mesmo o TESE, que é o tipo de punção testicular mais invasivo. A maior contraindicação é para homens que possuem alguma doença testicular grave, já que esse procedimento poderia piorar o quadro clínico do indivíduo.

Ter filhos e construir uma família é o sonho de muitas pessoas, mas infelizmente, em alguns casos, percalços acontecem. Mas isso não significa necessariamente que um casal não poderá ter filhos e realizar seu sonho, ainda mais hoje em dia que, com todos os avanços na medicina, diversos tratamentos já podem ser feitos para resolver problemas de reprodução tanto feminina quanto masculina.

A punção testicular é um desses casos, já que é um tratamento cada vez mais confiável e tranquilo de ser feito por homens. Sempre há uma alternativa para que esse tipo de problema seja resolvido e, mesmo que esse tratamento não seja a solução, ainda há outras formas de realizar o sonho de um casal. O mais importante é estarem juntos e batalharem sempre lado a lado para superarem todas as dificuldades.

Veja Também: Como Aumentar a Produção de Esperma?
Foto: User Jojo