Criança com Queda de Cabelo – Entenda e Saiba o que Fazer

A queda de cabelo não é um problema exclusivo de adultos, algumas crianças também podem ser acometidas por este mal. A queda de cabelo infantil costuma ser responsável por 3% a 8% das consultas pediátricas.

A criança com queda de cabelo, primeiramente deve ter o seu histórico analisado. Os pais precisam observar se houve algum caso de infecção recente, a administração de algum medicamento, se houve mudança nos hábitos da criança, principalmente alimentares, entre outros fatores.

Há um problema conhecido como tinea capitis, trata-se de uma infecção por fungos dermatófitos e é uma das variações mais comuns da alopecia. Já a alopecia areata é uma das causas mais comuns de queda capilar, que não gera cicatriz, pode ser recorrente, se localizar em alguma região da cabeça ou se estender por todo o couro cabeludo.

IMPORTANTE: Em caso de queda capilar recorrente na criança, o diagnóstico deve se dar por meio de exames em laboratório para a identificação do agente causador do problema e posterior indicação de tratamento adequado.

Curiosidades Sobre a Queda de Cabelo Infantil

De acordo com dados científicos, uma pessoa perde geralmente entre 100 e 150 fios de cabelo por dia, assim como a cada 24 horas cresce 0,35 mm. Essa queda capilar natural é como um ciclo programado geneticamente, a troca de todos os fios capilares ocorre entre os 3 e 5 anos da criança, mas isso pode variar de pessoa para pessoa.

A queda de cabelo em crianças de 2 anos de idade pode estar relacionada a algum problema como alopecia ou a algum tipo de problema atípico que também pode acometer outras regiões como unha e dentes. Mas vale lembrar que a maioria dos especialistas aponta que a troca capilar pode se dar por até dois anos de idade.

Praticamente todos os recém-nascidos perdem alguns ou todos os fios capilares até os seis meses de vida e essa renovação capilar é natural. Depois dessa fase, a criança pode perder fios por atrito com o colchão no qual dorme, por alguma reação a algum produto de higiene como shampoos e sabonetes. A queda de cabelo na infância pode ter relação com reação medicamentosa e até mesmo com deficiência de nutrientes na dieta alimentar.

Já a queda de cabelo em crianças de 7 anos de idade pode ser reflexo de quadros mais complexos como: depressão, quadros infecciosos, algum distúrbio comportamental, crise de ansiedade e estresse. O ideal é que os pais sempre fiquem atentos e em sinal de anormalidades, levem a criança para consulta pediátrica a fim de uma devida investigação sobre o quadro de saúde.

Há casos em que após o diagnóstico, a criança deverá tomar algum tipo de vitamina ou utilizar algum tipo de loção para o tratamento da queda capilar. O importante é que os pais sempre fiquem atentos e em casos em que houver regiões calvas em determinados locais do couro cabelo, o recomendado é que um dermatologista seja procurado com urgência.

Tricotilomania

A tricotilomania é considerada um dos casos mais graves de queda capilar, trata-se do hábito de puxar os fios e esta é uma doença que pode levar à calvície, este é um problema que precisa ser medicado o mais rápido possível e a criança deverá ser submetida a tratamento psicológico adequado, já que em muitos casos, o desenvolvimento da doença também está relacionado a alguma alteração psicológica.

Causas da Queda de Cabelo na Infância

Pode ter origem congênita – Quando fatores hereditários possuem ligação com a perda capilar da criança.

Origem traumática – Quando a queda de cabelo está relacionada com alguma lesão no couro cabeludo.

Origem Neurótica – Se enquadra nesta categoria a tricotilomania que é quando a própria criança arrança os fios capilares.

Relação com a seborreia – A dermatite seborreica pode estar relacionada com a queda capilar na infância, leva à descamação, eritema e coceira, mas ainda assim, não se trata de um problema que leva à queda capilar de maneira tão significativa.

Fatores secundários – É quando a queda dos fios pode ter relação com a administração de algum medicamento, doença ou com alguma anormalidade na saúde da criança.

Relação com o emocional – A alopecia areata é caracterizada pela perda rápida de fios capilares e está intimamente ligada a fatores emocionais. Só depois da solução destes problemas, os fios voltam a nascer.

Fator bioquímico – Algumas alergias também podem levar à queda capilar como alergia ao glúten, trigo ou lactose, mas a causa de queda capilar não é o principal sintoma destes problemas.

Dicas para Reduzir a Queda de Cabelos

Dentre as dicas básicas para evitar queda capilar em crianças está: não pentear cabelos cacheados secos, isso pode causar a quebra dos fios e propiciar a queda; recomenda-se lavar a cabeça da criança dia sim e dia não; em caso de cabelos cacheados ou crespos, a utilização de cremes para pentear é recomendada; não deixe a criança dormir com os cabelos molhados; produtos de uso adulto não devem ser utilizados.

Em caso de perda de fios que se mostre anormal, é importante que os pais informem o ocorrido ao pediatra para que a criança seja encaminhada a um profissional dermatologista para o tratamento adequado.

Veja Também: Como Acabar com Piolhos

Foto: Pezibear