Por longos 3 anos tentando engravidar decidimos pela FIV, em 2014 recebemos nosso primeiro positivo, mas infelizmente perdi meu bebê com 6 semanas.  Fiz a segunda FIV em agosto de 2015 e novamente meu positivo chegou!

Quando descobri estava com aproximadamente 4 semanas, e devido ao acompanhamento do FIV ser bem rigoroso descobri logo no inicio. Foi solicitado que aguardasse ate as 7 semanas para realizar o primeiro ultrassom para que conseguíssemos ver o coração, se estava tudo bem e quantos embriões seriam, já que foram colocados dois embriões no procedimento. Com 5 semanas tive um pequeno sangramento e sem sentir nada, fui trabalhar normalmente, mas na hora de ir embora senti algo estranho e ao procurar o banheiro verifiquei um sangramento. Como já havia perdido um bebê anteriormente fiquei desesperada e logo liguei para meu marido para me levar a um hospital.

Não consegui falar com ele naquele momento e consegui falar com a mãe dele, que pediu que eu pegasse um taxi e fosse para o hospital. Fui para o Hospital Edmundo Vasconcelos, mas ao chegar lá não havia ginecologista para me atender e pediram que eu fosse para o Hospital Santa Joana que era maternidade e mais indicada para o meu caso. Esperei minha sogra e o marido chegar com o carro e ao chegar ao Santa Joana fizeram um exame de Beta para verificar se a gravidez estava evoluindo e depois um exame de toque e foi verificado que o sangramento era bem pouco.

Um exame de ultrassom foi solicitado e foi nela que descobrimos que eram gêmeos. Os dois sacos gestacionais foram visualizados, mas não conseguimos ver os embriões e nem corações e a medica me informou que ainda era muito cedo para conseguir visualiza-los. Disse também que o sangramento poderia ser por diversos motivos, mas que não tinha descolamento de placenta. Durante o trajeto de ida a maternidade entrei em contato com a clinica que fiz a FIV e foi solicitado que que eu fosse no dia seguinte para que eles me avaliassem.

No dia seguinte fui ate a clinica do tratamento e foi realizado outro ultrassom. Eu ainda estava com sangramento, mas estava escuro, sem sangue vivo. No ultrassom foi visto os dois embriões e escutado somente um dos corações, porem era visível o pulso dos dois corações no exame. Foi solicitado o repouso absoluto de 15 dias a partir daquele momento, devido ao descolamento de uma das placentas onde sofri com o sangramento continuo por mais de 15 dias.

Ate as 12 semanas, continuei sendo acompanhada pela clinica e ao mesmo tempo procurei meu ginecologista de antes do tratamento. Ele solicitou vários exames para confirmação e tudo estava bem. A principio sentia muito enjoo, náusea e não conseguia vomitar o que me deixava agoniada, uma fome de leão e muita vontade de fazer xixi mas sintomas comuns da gravidez. Após as 12 semanas os enjoos foram embora, porem um gosto amargo ficava na minha boca e sentia muita azia mas nada anormal e muito grave. Tudo foi correndo bem, exames ok, tamanho e desenvolvimento dos bebes tudo bonitinho e com 20 semanas fiz o morfológico, medi o colo do útero e não corria risco de parto prematuro.

Com o passar das semanas o cansaço começou a bater e os pés a inchar demais. Por conta desse inchaço, o cansaço estava muito grande e para trabalhar me incomodava muito. Com 23 semanas e 3 dias, fui trabalhar e logo ao chegar fui até o banheiro e ao fazer xixi notei uma mancha marrom na calcinha parecida com o sangramento do começo da gravidez. Ao limpar saiu uma gosminha cor de caramelo e após uma secreção rosada com fios rosados. Liguei imediatamente para meu medico que pediu que eu fosse para o hospital imediatamente para que ele me examinasse, já que pelo telefone nada poderia ser feito.

Minha chefe me levou ate o hospital e lá fiquei sozinha, fui atendida com prioridade por ser gravidez de gêmeos. A medica que me analisou , utilizou o aparelho de Papanicolau e informou que minha bolsa estava protusa, depois fez um toque e confirmou que eu estava com 3 cm de dilatação. Neste momento já me comunicou que eu deveria ficar internada imediatamente. Eu não sentia nada, nenhum desconforto e nem contração. Mas a medica me explicou sobre a bolsa protusa e informou que a bolsa já estava no canal vaginal por conta da dilatação e precisava me internar para segurar os bebes já que estava muito cedo para nascerem. Ligou para meu ginecologista para pedir autorização e ele pediu que me internasse. Foi solicitado que entrasse com antibióticos para evitar o risco de contaminação dos bebes já que a bolsa estava no canal vaginal.

Liguei para meu marido e pedi que fosse ao hospital, duas amigas foram mais rápido para assinar minha internação, dei meus documentos e já pediram que eu deitasse. Fui levada para o ultrassom e os bebes estavam bem, seus corações batiam como o esperado mas realmente a bolsa estava muito baixa e foi observada uma “areia” que possivelmente era já uma infecção. O antibiótico serviria para que essa infecção não se manifestasse e nos prejudicasse..

Logo após o ultrassom, já me levaram para o quarto de internação onde já foi iniciado o antibiótico que tomei por 8 dias na veia. Na primeira semana fui proibida de levantar da cama e nem para ir ao banheiro fui liberada. Tomava banho deitada e fazia minhas necessidades na cama, era constrangedor, mas era necessário que eu não me levantasse. Na segunda semana fui liberada para tomar banho, porém deveria ser breve, as necessidades continuava fazendo na cama. Já no inicio fui informada que não haveria previsão de alta e que eu poderia ficar internada até o nascimento dos bebes.

A cada semana eles realizam o ultrassom para acompanhamento do ganho de peso dos bebes que esta evoluindo muito bem e dia sim e dia não fazem exames de sangue para descartar o risco de infecções. Faço fisioterapia 2 x ao dia e utilizo meia de compressão para evitar a trombose, já que fico muito tempo parada na mesma posição.

Foi explicado que iriam avaliar sobre a situação e se não tivesse infecção poderia ser feito a cerclagem ou o pressário vaginal, para fechar o colo uterino. Mas através dos exames avaliaram e tomariam a decisão do que fazer, já que nem sempre é possível a realização deles. Após dois dias de internação, decidiram fazer minha cerclagem, após todo procedimento de preparação devido a anestesia que tomaria ela foi realizada.

Quando cheguei no pré anestésico foi questionado quantas horas estava em jejum e fui informada que tomaria uma anestesia raqui e que acompanharia acordada todo procedimento. O medico informou que antes de começar veria se daria realmente para fazer devido as condições do colo uterino.

No centro cirúrgico já com soro, o anestesista me deu a medicação e depois a anestesia, aonde não sentia mais absolutamente nada. Após o exame físico foi verificado que daria para fazer a cerclagem e foi iniciado. Eu não sentia nada, so ouvia os barulhos e quando terminou foi dito que tinha sido terminado, mas o medico pediu q eu tivesse muita paciência porque seria so o começo. Existem dois métodos, com um e dois pontos, sendo o de dois pontos mais seguro para segurar a gestação, mas no meu caso só conseguiram dar um ponto pelas condições do colo. Os médicos me falaram que eu precisaria ter somente três coisas: paciência, paciência e paciência.

Após o procedimento fui para sala de recuperação e após 1 hora e meia subi para o quarto. Embora seja um lugar ruim de ficar , eu sei que o hospital é o melhor lugar para eu ficar, estou sendo bem tratada, tiram a pressão , escuto o coração dos bebes. O problema é ficar muito tempo sozinha já que todos trabalham e recebo poucas visitas. A internet é ruim e meu passatempo é a televisão. Em casa eu correria riscos maiores, a bolsa estourar e ate chegar no hospital o que poderia acontecer? Aqui o que acontecer tem médicos a qualquer momento.

A partir do dia da cerclagem comecei o uso de progesterona para ajudar a segurar. O medico informou que por se tratar de gestação gemelar é mais difícil, mas o repouso junto da progesterona farão que segure o máximo possível. Vão tentar segurar ate 32 a 34 semanas, idade gestacional que a maioria dos gêmeos nascem. Estamos aqui firmes e fortes, agora sem sangramentos, com pouca secreção, mas considerada normal pela progesterona. O que não posso é sentir dor e nem ter sangramento. Mas graças a Deus não tenho dor e nem nada, agora é so esperar a hora dos meus bebes chegarem. Estou com 26 semanas agora, na espera pela minha Giovana e meu Guilherme!!

Este é o relato de gravidez da Luana Cristina dona do canal Luana Cristina Oliveira Santiago

Veja Também: A Minha História Com a FIV – Luana Santiago

Fotos: Acervo Pessoal