Rubéola é uma doença causada por um vírus (Rubivírus), que se pega facilmente por vias respiratórias através de tosses, espirros e secreção nasal. Também é bem comum a mãe contaminada passar o vírus para o feto, podendo causar ao bebê danos graves.

Manifestação dos sintomas

Os sintomas podem demorar um pouco para aparecer, porém o contágio do vírus já pode ocorrer 7 dias antes do doente perceber alguma reação. Ainda há casos de pessoas que são contaminadas pela rubéola, mas não manifestam nenhum tipo de sintoma, acaba até passando despercebida.

Mesmo para estas pessoas que não manifestam sintomas, é possível detectar a doença através de exames de sangue, pela presença de imunoglobulinas (IgM ou IgG). Exames este solicitado pelo obstetra durante o pré-natal.

Consequências da Rubéola na Gravidez.

Uma vez que a grávida é contaminada pelo vírus da rubéola, ainda não há métodos, pelo menos por enquanto, que proteja totalmente o bebê, impedindo sua contaminação. A recomendação é procurar o médico imediatamente para que ele possa, através de exames, identificar se o bebê foi afetado pelo vírus. E claro, a forma mais efetiva é a prevenção!

A rubéola quando atinge adultos não é considerada uma doença grave. Já para gestantes ela é bem agressiva, principalmente pelas consequências que o feto pode vir a sofrer. Os riscos de aborto espontâneo aumentam consideravelmente nos casos de contaminação, principalmente no primeiro trimestre da gestação, além disso a mais grave consequência é uma série de danos causados ao desenvolvimento do feto, a síndrome da rubéola congênita (SRC), gerando complicações.

Geralmente provoca algum tipo de malformação fetal como: surdez (que geralmente só é diagnosticado quando o bebê nasce e é a mais comum), alterações nos olhos (cegueira, catarata, glaucoma, microftalmia e retinopatia), deficiência cardíaca, microcefalia e problemas no fígado como a fibrose.

Quando tomar a vacina de rubéola

Essas malformações fetais podem ocorrer nos casos em que a mãe tiver sido contaminada pelo vírus ou até mesmo se ela tomou a vacina da rubéola já grávida, mesmo sem saber. Por estas razões que a vacina é recomendada logo quando a mulher planeja engravidar, pelo menos um mês antes do início da gravidez.

Se este for seu caso, procure não se preocupar demais. Apesar da possibilidade da doença se manifestar mesmo com a vacina, não existem relatos concretos de casos de fetos que foram contaminados desta forma.

Situação de alto risco

A rubéola pode causar consequências mais graves ao bebê, se a mãe for contaminada durante a gravidez, principalmente durante os 3 primeiros meses, fase em que o feto tem mais chances de contrair a doença. Logo depois deste período, o risco é menor e após o 4° mês da gestação complicações mais graves são praticamente descartadas.

Exame de Rubéola- Igg e Igm

Nos primeiros exames realizados no pré-natal, o médico normalmente solicita um exame de sangue com sorologia para a rubéola. Este é um exame feito para detectar se você tem presente anticorpos deste vírus no sangue e assim tomar as devidas precauções diante do diagnóstico.

No exame é identificado se há anticorpos igg ou igm, que indicam a presença do vírus. Se confirmada a presença de anticorpos igg significa que você tem imunidade ao vírus, mas foi uma contaminação mais antiga, já a presença do Igm significa que você contraiu a doença recentemente.

O vírus logo quando chega em nosso organismo, produz primeiramente os anticorpos igm, por conta disso que quando se este é detectado no exame o diagnóstico sugere uma infecção recente.

No caso de ser constatado a presença de anticorpos igg, indica que você contraiu a doença no passado e o sistema imunológico já combateu o vírus. Ele “produz” anticorpos de memória que são chamados de igg. Estes anticorpos ficam no corpo por toda a vida e mesmo que a pessoa fique em contato com o vírus o sistema já estará “armado” para combatê-lo.

Como é feito o exame para detectar a rubéola

O exame é feito através da coleta de sangue por uma veia como os exames normais e o preparo geralmente é somente oito horas de jejum. A sorologia para rubéola serve para diagnosticar se a pessoa já teve contato com esse vírus ou se já tomou a vacina.

É um exame muito eficaz na hora do diagnóstico e é solicitado no pré-natal ou em consultas médicas de mulheres que estão se preparando para engravidar. O resultado sai rápido e de forma bem clara e objetiva.

Resultados possíveis

Igm e igg não reagente: significa que nunca houve um contato com o vírus e que não houve também a vacinação ou ainda se ocorreu, não foi eficaz. Logo precisa de muito cuidado para não ser contaminada durante a gravidez.

Igm não reagente e igg reagente: significa que está imune a rubéola, pois está presente no sangue os anticorpos de memória, ou seja, que você já teve contato ou foi vacinada com eficácia. Logo tem um baixo risco de contaminação.

Igm reagente e igg não reagente: significa que você foi contaminada recentemente com o vírus (entre 2 ou 6 semanas). Atenção, este é o cenário que exige maior alerta para as gestantes e cuidados especiais com o bebê.

Sintomas da Rubéola

Os sintomas da rubéola podem duram em média até cinco dias. Os mais comuns são:

  • Sintomas de resfriado (nariz escorrendo, dor de garganta, tosse);
  • Febre (moderada);
  • Irritação nos olhos ou até conjuntivite;
  • Cansaço;
  • Ínguas na região do pescoço;
  • Dor nas juntas.

Uma característica comum da rubéola são as manchinhas avermelhadas no rosto, que podem se espalhar para outras partes do corpo e na maioria dos casos elas costumam coçar bastante.

Se você pegar rubéola durante a gestação não há muito que possa ser feito para proteger o bebê. Mas não deixe de procurar o médico para saber quais exames realizar para acompanhar o desenvolvimento do pequeno e se certificar de que tudo esteja correndo bem.

Tratamento da Rubéola

Não existe nenhum tratamento efetivo contra a rubéola, somente recomendações principalmente quando a doente é gestante, como repouso e ingestão de bastante líquido. Alguns medicamentos contra febre e analgéticos são geralmente receitados.

A melhor forma de prevenção é tomar a vacina e tentar se manter distante de pessoas que estejam com rubéola. A vacina é aplicada na tríplice-viral que previne também contra sarampo e caxumba e na tetra viral, que também protege contra a caxumba, sarampo e catapora.

Veja Também: Primeira Gravidez – Exames e Procedimentos Iniciais
Fotos: 3907349, Content Providers(s): CDC