A gravidez é um período da vida da mulher onde muitas preocupações surgem. Ouvimos falar de tantos cuidados e de tantas doenças que muitas vezes algumas ficam perdidas e não sabem exatamente como cuidar ou se prevenir de todas elas. Muitas tentam não se informar sobre coisas ruins que podem acontecer com grávidas, mas é necessário se informar sobre tudo o que pode afetar o seu corpo neste período, como é o caso da síndrome de hellp.

Durante a gravidez, o corpo da mulher sofre severas mudanças, provavelmente as mais profundas de sua vida e, algumas vezes, isso pode acabar deixando seu corpo mais vulnerável. Com o sistema imunológico se alterando o tempo todo, diversas doenças como alguns tipos de infecções urinárias, pré-eclâmpsia e hepatite podem surgir para complicar uma gravidez. Mas raramente ouvimos falar sobre uma delas, que é rara, porém perigosa como no caso a síndrome de hellp.

O que é a Síndrome de Hellp?

A síndrome de hellp é uma doença rara e muito perigosa, que oferece risco tanto à mãe quanto ao bebê. Ela normalmente surge como uma complicação da pré-eclâmpsia, que é a hipertensão gerada por causa da gravidez.

Estima-se que 8% das mulheres que possuem a primeira doença, acabam desenvolvendo também a síndrome de hellp, mesmo assim, ela também pode aparecer isoladamente. A doença consiste basicamente em um aumento desenfreado da pressão arterial durante a gravidez.

Riscos da Síndrome

Porém sintomas muito mais forte e mais perigosos do que a pré-eclâmpsia e que pode causar um acidente vascular cerebral que pode levar a mulher a morte. Por ser uma doença tão perigosa, a síndrome de hellp precisa ser tratada o mais rápido possível.

Diagnóstico

O diagnóstico da doença é feito através de exames e precisa ser feito o mais rápido possível para que o obstetra avalie qual é o nível de gravidade da doença. É recomendado para as grávidas que, se sentirem alguns dos sintomas da síndrome de hellp, que avisem imediatamente o seu médico ou médica para que um exame possa ser feito e a mulher possa ser avaliada.

Causas da Síndrome de Hellp

A síndrome de hellp ocorre por uma série de questões e fatores que acabam fazendo com que a contagem de plaquetas no sangue diminua, além de ocorrer a fragmentação das células do sangue.

Mulheres que possuem problemas cardíacos, lúpus, diabetes ou problemas crônicos nos rins tem mais tendência a desenvolverem a síndrome de hellp, o que não significa que elas irã necessariamente sofrer da doença. Como já dito anteriormente, a pré-eclâmpsia também pode se complicar até se tornar uma síndrome de hellp.

Sintomas da Síndrome de Hellp

Essa doença é muito conhecida por ter uma série de sintomas diferentes e, exatamente por essa razão, ser de difícil de diagnosticar. Alguns dos principais sintomas da síndrome de hellp são:

  • Dores de cabeça
  • Mal estar constante
  • Náuseas e vômitos
  • Inchaço
  • Pressão alta
  • Alterações na visão
  • Pressão arterial alta
  • Dor ao respirar fundo

Alguns desses sintomas combinados podem indicar que a gestante está desenvolvendo a doença. É claro que esses não são todos os sintomas e só se pode ter certeza de que a mulher está com síndrome de hellp depois de exames realizados e um diagnóstico correto do obstetra.

Tratamento da Síndrome de Hellp

Não existe nenhum tratamento para essa doença e a única forma de freá-la é acabando com a gravidez. Por isso, muitas mulheres precisam fazer uma cesariana de emergência ou um parto induzido. Em alguns casos mais graves, a mulher pode acabar perdendo o bebê e até mesmo morrendo.

Isso pode acontecer porque a síndrome de hellp, quando não tratada, pode acabar se complicando e causando problemas como edema agudo dos pulmões, ruptura do fígado, insuficiência renal, diversos tipos de hemorragias ou até mesmo falência cardíaca.
Ainda que raros, existem casos onde o médico pode tratar a paciente com medicamentos que induzam o amadurecimento pulmonar do bebê, fazendo com que o parto induzido não seja necessário, ou que sua necessidade seja adiada, pelo menos.

Como Prevenir a Síndrome de Hellp?

Não há como prevenir a doença especificamente, uma vez que ela se desenvolve na maioria das vezes como complicação de outras condições já apresentadas pela mulher. Porém, existem alguns conselhos que podem ser úteis para mulheres que fazem parte desse grupo de risco, como ter certeza de que está em boa forma física antes de engravidar e fazer um acompanhamento correto com um obstetra.

É claro que essas coisas não irão necessariamente impedir que a síndrome de hellp se desenvolva, mas podem ser muito úteis mesmo se a doença aparecer, já que o seu corpo estará mais preparado e, consequentemente, será menos afetado.

Também é comprovado que o diagnóstico precoce é de muita ajuda tanto para a vida da mulher quanto para a do bebê. Por essa razão, o maior conselho dado pelos médicos é que a mulher procure ajuda assim que suspeitar que pode estar sofrendo com a síndrome de hellp.

Existem diversos tipos de doenças ou complicações que uma mulher pode ter durante a gravidez, cada uma delas com um nível de gravidade diferente e que exige um certo tipo de tratamento.

Doenças como a síndrome de hellp assustam muito porque parecem não oferecer muitas opções para a mulheres, mas sempre existem caminhos que podem ajudar em um momento difícil como esse.

Apesar de ser uma doença grave e que pode prejudicar ou até mesmo acabar com vidas, a síndrome de hellp precisa ser encarada como uma doença que é curável, onde há chances de a mulher e o bebê saírem bem.

É também sempre importante uma mãe saber que, se teve esse tipo de doença uma vez, é provável que isso ocorra em uma gravidez futura e, por isso, precisa tomar diversos tipos de cuidados antes de engravidar mais uma vez.

Veja Também: Síndrome do Alcoolismo Fetal
Foto: Canon EOS 5D Mark II