Se tem doença que derruba a gente, o nome dela é gripe. Mal-estar, moleza, febre e indisposição. Como se não bastasse surgiu ainda uma variaçãodo vírus da gripe ainda mais perigoso e que tem nos preocupado muito, a gripe h1n1.

O que é a H1N1

Também conhecida como gripe suína ou Influenza tipo A, a h1n1 ficou conhecida mundialmente entre os anos de 2009 e 2010, após surtos da doença que tomou proporções alarmantes. Mais de 20 países registraram casos da gripe suína durante este período, provocando milhares de mortes principalmente entre pessoas de 5 a 24 anos.

Apesar das complicações causadas pela h1n1 serem muito mais graves que a da gripe comum, os sintomas das duas são bem parecidos e a forma de transmissão também é a mesma.

Principais Causas

O vírus h1n1 foi descoberto primeiramente em porcos, com as inúmeras mutações que sofreu com o decorrer do tempo, passou a se tornar também uma ameaça para as pessoas. Como chegou assim de repente, o vírus influenza A, nesta sua variação, era desconhecido ainda e justamente por isso conseguiu se alastrar rapidamente.

Não estávamos preparados para combate-lo, nem com tratamentos e nemtínhamos vacinas já desenvolvidas e com a eficácia comprovada. O que acabou se tornando um surto rapidamente, com muitos e muitos casos graves.

Sintomas e diagnóstico da H1N1

Os sintomas da gripe h1n1, por serem muito semelhantes aos da gripe comum, pode facilmente equivocar um primeiro diagnóstico, por isso é importante reconhecer algumas manifestações específicas que possibilitam a constatação do vírus H1N1, influenza do tipo A.

É comum os pacientes com gripe h1n1 apresentarem repentinamente febre alta (acima de 38°C), dor de cabeça, de garganta, dores nos músculos e articulações, coriza, além de falta de apetite. Problemas de trato respiratório como tosse também são comuns. Já outros sintomas como diarreiae vômitos não são tão recorrentes, mas ainda assim, possíveis de acontecer.

Se você observar estes sintomas, o ideal é procurar um médico o mais rápido possível, para averiguar e solicitar os exames indicados para um diagnóstico preciso. Se durante o atendimento clínico pedirem para que seja colocado máscara cirúrgica não se assuste, este procedimento é recomendado para diminuir as possibilidades de transmissão do vírus. Caso você tenha realmente contraído a doença, você não vai querer transmitir a gripe para mais ninguém né?

Formas de contaminação da H1N1

Depois de uns 7 dias do início da manifestação dos sintomas, um adulto já pode transmitir a doença. Se o doente for uma criança, ela pode ser um agente transmissor desde dois dias antes do aparecimento dos primeiros sintomas e até 14 dias depois.

A contaminação pode ocorrer pelo contato direto com animal infectado, mas não pela ingestão da sua carne depois de cozida. Alguns dados já indicam que a carne do animal (do porco por exemplo) se passar por um cozimento em temperatura acima de 71°C o vírus é eliminado deixando de ser um risco para a saúde.

A forma mais comum de transmitir a gripe h1n1 é de uma pessoa contaminada para outra por via aérea ou através de objetos contaminados e até por meio da saliva e secreções respiratórias.

Fatores de risco

Pessoas de qualquer faixa etária estão sujeitas a contrair a gripe h1n1. A maior parte dos casos registrados foram de pessoas entre cinco até 24 anos e ao contrário do que se imagina, houveram poucos casos diagnosticados em idosos acima de 64 anos de idade.

Pessoas com doenças crônicas, com problemas respiratórios, obesos, gestantes e as crianças pequenas são mais vulneráveis a gripe suína, portanto requer maiores cuidados. Vacinação é uma ótima forma de prevenção.

Os fatores de risco da gripe h1n1 incluemtambém algumas velhas situaçõesque igualmente oferecem riscos para tantas outras doenças, principalmente respiratórias, como permanecer por longo tempo em ambientes fechados, contato com pessoas doentes e má higienização das mãos.

Prevenção e Tratamento

Além dos cuidados primordiais de prevenção, existem outros cuidados importantes que podem ajudar a manter este vírus bem longe de você. Fique atenta para as dicas a seguir e preservar ao máximo a sua saúde e de sua família:

  • Além de lavar bem as mãos com água e sabão é importante desinfetá-las com álcool em gel.
  • Evite aglomerações, procure ambientes arejados sempre que possível.
  • Não compartilhe utensílios de uso pessoal (copo e talheres).
  • Evite viajar para lugares que estejam com muitos casos da doença.
  • Evite contato com pessoas doentes. Lembre-se que este vírus é facilmente transmitido por vias aéreas.
  • Descarte o lenço ou papel que utilizar para espirrar ou tossir.
  • Beba bastante líquido sempre!

Vacina da h1n1 – Onde encontrar

Coma chegada da gripe h1n1 assim de surpresa, foi necessário acelerar o processo para o desenvolvimento da vacina, produzida com o próprio vírus da doença, porém inativo.Os efeitos colaterais da vacina não são importantes, principalmente pela sua finalidade, de nos preservar contra uma doença que aí sim, pode causar danos graves à nossa saúde.

A distribuição da vacina está disponível na rede pública de saúde que a oferece gratuitamente em campanhas e para o grupo de risco que são profissionais da saúde, gestantes, idosos com mais de 60 anos, crianças até 5 anos e a população carcerária.

As redes particulares também estão preparadas e oferecem a imunização com dois tipos de vacina: a trivalente, que protege contra o h1n1 e mais dois vírus e a quadrivalente/tetravalente, que imuniza contra 4 vírus diferentes, claro, incluindo a influenza A. Os dois tipos são eficazes, mas o efeito é calculado depois de duas semanas após a aplicação. Não podemos dizer que a vacina oferece 100% de garantia contra o vírus da gripe h1n1, mas é atualmente a proteção mais eficaz.

Veja Também: Pneumonia em Crianças – Como Descobrir?

Fotos: Canon EOS 5d Mark Iii, Prefeitura Municipal Itanhaem