Você já ouviu falar sobre TDAH? E autismo? Esses são termos super conhecidos e que se referem à condições que se desenvolvem durante a infância. O que eles têm em comum é que ambos são transtornos do neurodesenvolvimento.

Mas você sabe o que faz com que um transtorno seja classificado dessa forma? E sabe quais condições fazem parte dessa classe de transtornos? Bom, é o que vamos ver ao longo desse artigo!

criança lendo livro

Qual a origem desses transtornos?

Os transtornos do neurodesenvolvimento são associados com alterações no funcionamento do cérebro. Essas alterações se iniciam já no período gestacional ou durante a infância e se caracterizam por déficits que irão impactar diversas áreas da vida, como o desempenho social, acadêmico e, futuramente, profissional.

Esses transtornos podem ter origem genética, ou estarem relacionados a alterações ou fatores ambientais durante a gestação, como exposição ao estresse, toxinas, medicamentos, etc.

O início dos sintomas geralmente ocorre durante a infância e persistem durante toda a fase de desenvolvimento.

Quais são os principais transtornos?

Os transtornos do neurodesenvolvimento mais conhecidos são:

  • Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): caracteriza-se por dificuldades no controle da atenção e impulsividade. Estima-se que cerca de 5% das crianças que já frequentam a escola têm TDAH.
  • Transtorno do Espectro Autista: caracteriza-se por prejuízos na comunicação e aproximação social, podendo apresentar comportamentos repetitivos e movimentos estereotipados.
  • Distúrbios de Aprendizagem: caracteriza-se por dificuldades da leitura, escrita ou que envolvam capacidades matemáticas. A dislexia, por exemplo, é um dos distúrbios de aprendizagem mais conhecidos.

Para um correto diagnóstico de tais condições, é necessário acompanhamento com um algum profissional da área, como neuropsicólogos e/ou outros médicos, por exemplo, para que possa ser identificado também o melhor tratamento a partir das condições da criança.

A escola é fundamental para o correto diagnóstico de qualquer transtorno que a criança possa ter, pois é nesse ambiente que ela se relaciona e passa boa parte do tempo, além de ser na escola que o professor percebe as dificuldades da criança quanto às questões escolares (dificuldade de leitura, de escrita, etc.).

Assim, a parceria escola e pais é fundamental para que a criança possa ter o tratamento correto para o seu diagnóstico. A identificação precoce irá prover uma melhor qualidade de vida à criança e, assim, ela poderá ter melhores chances de conviver com sua condição.