É muito comum escutarmos falar que gravidez não é doença, se referindo ao excesso de cautela de algumas mulheres e até familiares ao redor da gestante. E isso é uma verdade, mas não podemos deixar também de afirmar, que a fase gestacional é uma fase delicada, que merece cuidados especiais e principalmente atenção redobrada a qualquer sintoma ou sinal diferente. Externamente tudo pode estar lindo, aparentemente bem e tudo fluindo como deve estar, mas e no desenvolvimento gestacional, como identificar que tem algo errado? Neste artigo falaremos sobre um problema silencioso da gestação e que provoca muito medo e dúvidas nesse momento, a trombose placentária.

O que é Trombose Placentária?

Trombose placentária é o nome do coágulo que pode surgir dentro das veias ou artérias da placenta, o que dificulta a passagem de nutrientes e oxigênio ao feto em desenvolvimento. Como é um problema interno, não existe como prever e muito menos imaginar que está acontecendo, a não ser pela redução ou interrupção dos movimentos fetais, que podem servir de alerta para a mãe procurar seu obstetra ou pronto atendimento imediatamente e realize um ultrassom para verificação.

A trombose placentária é uma condição considerada grave e rara de ocorrer, por isso quando constatado provoca preocupação no obstetra que está fazendo o acompanhamento pré-natal. Dependendo da gravidade e do tempo gestacional, pode ser uma indicação para uma \ de emergência, já que se não verificado a tempo, pode levar a morte fetal.
A ocorrência da trombose placentária tem maior probabilidade em mulheres que já sofrem com algum problema na circulação sanguínea, possuem trombofilia ou a famosa condição de “sangue grosso” que contribui fortemente para a ocorrência de entupimento de veias.

Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! Conheça minha história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Saiba mais!
Grávida após 4 anos!
"Após 4 anos encontrei a solução e engravidei! No vídeo conto a história e meu segredo." (Alyne, grávida de 4 meses)
Assistir agora!
Dra. Andrea: Engravidar com FamiGel
"Secura vaginal complica a vida de quem quer engravidar. FamiGel resolve esse problema" (Dra. Andrea Gomes - Ginecologista e Obstetra)
Saiba mais no vídeo
Dra. Andrea: Engravidar com FamiGel
"Secura vaginal complica a vida de quem quer engravidar. FamiGel resolve esse problema" (Dra. Andrea Gomes - Ginecologista e Obstetra)
Saiba mais no vídeo

Prevenção da Trombose Placentária

Em alguns casos infelizmente é impossível prever a ocorrência da trombose placentária, mas a melhor forma de precaução é manter exames avaliatórios em dia, principalmente se existe a ocorrência de familiares com problemas de circulação sanguínea, está acima do peso ou é diabética, que são os maiores indicativos da causa. Se for constatada a condição, quando engravida é necessário que a mulher siga alguns cuidados essenciais de precauções como o controle e acompanhamento médico especializado, o uso de meias elásticas que auxiliam na circulação sanguínea e atividades físicas regulares.

Tratamento da Trombose Placentária

Após constatação da trombose placentária é indispensável iniciar o tratamento a base de anticoagulantes como a heparina. Esse tipo de medicamento serve para manter o sangue afinado e prevenir que novos trombos se formem dentro das veias, impedindo a passagem de nutrientes e oxigênio ao feto em desenvolvimento. Outras recomendações dadas pelos obstetras nesses casos são:

  • Utilizar meias elásticas de compressão;
  • Evitar ficar muito tempo sentada ou na mesma posição;
  • Evitar ficar de pernas cruzadas;
  • Evitar viagens de avião;
  • Não comer alimentos muito gordurosos como frituras e embutidos;
  • Incluir no cardápio alimentar alimentos ricos em vitamina E

Esses são os cuidados básicos e indispensáveis para toda gestante que recebe o diagnóstico de trombose placentária. Em casos mais graves, onde a interrupção da passagem de nutrientes e oxigênio está afetando o bebê de forma que provoque riscos de vida, pode ser necessária a internação da gestante para um acompanhamento mais especifico e avaliação constante dos riscos. Quando a gestação já ultrapassa 24 semanas, são grandes as chances de sobrevivência do bebê, já que um parto prematuro pode ser indicado a qualquer momento.

O anticoagulante indicado pelo obstetra deve ser injetado de forma subcutânea na região do abdômen (próximo ao umbigo), na parte de dentro do braço ou parte interna da coxa. Não são injeções doloridas, mas como precisam ser aplicadas diariamente acabam se tornando um pouco incomodas, mas todo esforço vale pelo bem mais precioso da vida do casal. Inclusive, alguns casais para aliviar o incômodo da mulher de se auto aplicar e fazer com que o pai participe ativamente desse momento também, fica responsável pelas aplicações diariamente.

Com a gestante recebendo o acompanhamento adequado e fazendo a aplicação diária, o esperado é que mãe e bebê fiquem bem e a gestação siga tranquila até o final, no dia do parto. Muitos casais após o nascimento de seus bebês, comemoram mensalmente o “mesversário” do bebê perto de todas as injeções ministradas ao longo da gravidez, em comemoração da vitória. Esses registros ganham o nome nas redes sociais das populares “picadinhas de amor”, que é todo esforço por eles, os filhos. O amor supera a dor!

Trombose Placentária é o Mesmo de Trombose Umbilical?

A trombose placentária e a trombose umbilical provocam o mesmo problema na gestação, o de impedir a passagem de nutrientes e oxigênio ao feto em desenvolvimento. A sua única diferença é a localização do coágulo, que quando se trata da placentária está localizado nas veias e artérias da placenta e quando é umbilical, se encontra na área dos vasos do cordão umbilical.

O diagnóstico de ambos assusta, principalmente para aquelas que desconhecem que tem o problema e vão precisar desse tratamento tão rigoroso para conseguir chegar até o fim com a
gestação. Mas as taxas de sucesso do tratamento, quando bem acompanhado por um especialista é muito grande, por isso, siga confiante e siga todas as instruções medicas, vai dar tudo certo!

Outros Tipos de Trombose

A trombose é caracterizada pelo surgimento de coágulos dentro das veias e artérias, impedindo a circulação sanguínea, o que provoca dores intensas e muito inchaço. Esse problema não é comum só na gestação, mesmo sendo nela maiores riscos, por poder afetar o desenvolvimento fetal. A trombose pode afetar pessoas de ambos os sexos e em todas as faixas etárias, sendo em maior incidência em pessoas que já sofram com varizes, que ficam longos períodos deitados ou sentados, que tomam hormônios como anticoncepcionais ou até mesmo posteriormente alguns procedimentos cirúrgicos.

A trombose merece cuidados médicos urgentes, pois existe o risco de movimentação desse coágulo através da corrente sanguínea, onde pode vir se alojar em órgãos como cérebro, gerando uma trombose cerebral ou nos pulmões causando uma embolia pulmonar, que se não tratadas a tempo, pode levar o paciente a morte.

Em caso de inchaço nas pernas e braços e qualquer outro sintoma que indique a presença da trombose, procure um pronto atendimento imediatamente. Através de exames como ultrassom e tomografia é possível detectar a presença do coágulo e iniciar o tratamento com anticoagulantes que atuarão diretamente nos coágulos.
Foto: alfcermed