A tuberculose (TB) é uma das infecções mais comuns no mundo. Cerca de 2 bilhões de pessoas estão infectadas com a tuberculose e quase 3 milhões dessas pessoas morrem por ano. Em nosso país, a cada ano ocorrem aproximadamente 70 mil casos novos e em média, 4 mil óbitos.

Causa da Tuberculose

A tuberculose é causada por bactérias da família mico bactérias, principalmente pelo Mycobacterium Tuberculosis também chamado de bacilo de Koch. Acomete diversos órgãos do nosso corpo, mas afeta preferencialmente o pulmão, sendo então a tuberculose pulmonar a mais frequente e mais relevante para a saúde pública, já que é a responsável pela transmissão.

Os médicos fazem uma distinção entre dois tipos de infecção por tuberculose: latente e ativa.

  • Tuberculose latente – as bactérias permanecem no corpo em um estado inativo. Elas não causam sintomas e não são contagiosas, mas podem se tornar ativas.
  • Tuberculose ativa – as bactérias causam sintomas e podem ser transmitidas para outras pessoas.

Uma pessoa com sistema imunológico saudável, possui apenas 10% de chance que possibilita a bactéria da tuberculose se ativar e causar os sintomas da tuberculose.

Se o sistema imunológico for enfraquecido devido ao HIV ou a outras doenças, o risco de passar de uma infecção inativa para uma doença sintomática ativa aumenta para 70%. Bebês, crianças em idade pré-escolar, gestantes e idosos também possuem maior risco de ativação devido ao sistema imunológico mais fraco.

Causas da Tuberculose

Embora a tuberculose não se espalhe facilmente, ela geralmente é disseminada entre pessoas que estão em contato próximo (trabalhando juntas ou convivendo).

Somente pessoas que têm infecções ativas da tuberculose podem espalhar a bactéria. Tossir, espirrar, até mesmo falar pode liberá-las no ar infectando outras pessoas. Uma vez que uma pessoa está infectada, as bactérias se instalam nos alvéolos e, na maioria dos casos, serão contidas pelo sistema imunológico.

Existem vários fatores de risco que contribuem para o desenvolvimento da tuberculose. Certos grupos possuem um risco maior, como por exemplo, as que trabalham em hospitais e outras áreas onde pessoas infectadas pela tuberculose podem residir, como prisões, lares de idosos, casas para pacientes com HIV ou abrigos.

Grupo de Risco

Outras pessoas potencialmente susceptíveis incluem:

  • Diabéticos
  • Com câncer de cabeça ou pescoço;
  • Doenças que suprimem o sistema imunológico, como HIV/AIDS;
  • Doença renal;
  • Com desnutrição;
  • Medicamentos que suprimem o sistema imunológico, como os anticancerígenos;
  • Grávidas;
  • Pessoas em tratamento de radioterapia.

Tuberculose na Gravidez

Mulheres grávidas possuem 69% a mais de chances de desenvolver a doença do que o restante da população geral. A maior probabilidade de contrair a bactéria tem relação com o enfraquecimento do sistema imunológico causado pela gravidez.

O tratamento da tuberculose na gravidez deve ser iniciado sempre que a possibilidade da doença seja de moderada a alta. Embora os medicamentos usados no tratamento da tuberculose na gravidez atravessem a placenta, eles não parecem ter efeitos nocivos sobre o feto.

Recém-nascidos de mulheres com tuberculose na gravidez não tratada, podem nascer abaixo do peso e também podem contrair a doença. O teste cutâneo para a tuberculose é considerado seguro durante toda a gravidez. Entretanto, o teste de sangue não foi avaliado para o diagnóstico de infecção por tuberculose na gravidez.

Sintomas da Tuberculose

Não há sintomas associados à tuberculose inativa. Isso significa que alguém pode ter adquirido a bactéria e ainda não mostrar sinais de infecção. Os sintomas só aparecem quando a infecção se torna ativa.

Eles se desenvolvem gradualmente, e podem levar várias semanas antes de se notar que algo está errado.

Os mais comuns incluem:

  • Tosse
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Febre
  • Suor noturno
  • Dor no peito
  • Falta de ar
  • Perda de apetite

A ocorrência de sintomas adicionais depende de onde a doença se espalhou para além do tórax e dos pulmões. Por exemplo, se a tuberculose se espalha para os gânglios linfáticos, pode causar glândulas inchadas nos lados do pescoço ou debaixo dos braços.

Quando se espalha para os ossos e articulações, pode causar dor e inchaço no joelho ou no quadril. A tuberculose geniturinária pode causar dor no flanco com micção frequente, dor ou desconforto durante a micção e sangue na urina.

Diagnóstico da Tuberculose

O diagnóstico da tuberculose pulmonar primária é confirmado por uma análise conjunta de critérios clínicos, radiológicos e pela prova tuberculínica (PT).

Um teste cutâneo que permite que o médico verifique a resposta imune à bactéria tuberculose. O teste de pele envolve uma injeção no antebraço, que depois de dois ou três dias, é interpretado pelo médico.

Se for indicado por uma região dura e inchada no local da injeção, significa que o corpo foi infectado pela bactéria. Mas isso não quer dizer que a pessoa tenha a tuberculose ativa.

Raios X do tórax também podem ser realizados, e as amostras de escarro podem ser analisadas no laboratório. Nestes casos, os resultados são usados somente para descartar ou confirmar a tuberculose ativa.

O médico também pode sugerir outros testes para confirmar um diagnóstico ou verificar a doença em outras partes do corpo.

Tratamento da Tuberculose

Os antibióticos são usados para tratar a tuberculose, pois é uma infecção bacteriana. O tratamento da tuberculose é feito ambulatorial, por um período mínimo de 6 meses, diariamente, sem interrupção, e deve ser supervisionado pelo serviço de saúde mais próximo, na residência ou no trabalho do doente.

Três ou quatro antibióticos são combinados durante os primeiros dois meses de terapia e tratamento de tuberculose. Dois destes são então administrados por mais quatro a seis meses.

Dependendo do número e do tipo de antibióticos utilizados, bem como o padrão de sensibilidade da bactéria cultivada, algumas pessoas podem precisar tomar antibióticos por até 12 meses.

A maioria das pessoas tomará medicamentos todos os dias durante os primeiros 2 meses, e algumas vezes por semana para o tratamento restante. É importante tomar a medicação da maneira que o médico indicar, e durante o curso completo do tratamento.

Isso ajuda a prevenir os tipos de bactérias da tuberculose que são resistentes aos antibióticos, que demoram e são mais difíceis de tratar.

Se um determinado tipo de infecção por tuberculose é resistente ao tratamento antibiótico regular (uma condição conhecida como TB resistente a múltiplos medicamentos ou MDR-TB), uma combinação de diferentes medicamentos para tratamento da tuberculose deve ser tomada por 18 a 24 meses.

Uma vez que os sintomas desapareçam, o médico pode re-testar o escarro para ver se as bactérias da tuberculose ainda estão presentes. Caso haja uma infecção da doença em outras partes do corpo (por exemplo, ossos ou articulações), é possível exigir tratamento por mais de um ano.

Para evitar a disseminação da tuberculose, é importante obter um tratamento rápido e segui-lo até a conclusão. Isso pode parar a transmissão das bactérias e a aparência de cepas resistentes aos antibióticos.

É importante seguir o tratamento durante o tempo que o médico recomendar. Se a pessoa parar de tomar seus medicamentos antes que o médico sugira, a tuberculose pode se repetir. Ela poderá ter tuberculose ativa, ou as bactérias da doença podem tornar-se resistentes aos medicamentos que estiver tomando.

Existe Alguma Vacina para a Tuberculose?

A BCG é a vacina que limita a propagação das bactérias após a infecção por tuberculose. Ela é aplicada em recém-nascidos e diminui as chances de desenvolver formas graves da doença, como a meningite tuberculosa, mas não é eficaz contra a tuberculose pulmonar.

Só está disponível em países ou comunidades onde o risco de infecção por tuberculose é superior a 1% ao ano. Em outros países como o Canadá por exemplo, há controvérsia sobre o uso desta vacina, pois alegam que a mesma não previne a infecção inicial.

Prevenção da Tuberculose

Algumas medidas gerais podem ser tomadas para prevenir a propagação da tuberculose ativa:

Se for diagnosticado com tuberculose ativa deve-se:

  • Manter a casa bem arejada;
  • Quando tossir cobrir a boca com um lenço de preferência descartável;
  • Lavar bem as mãos;
  • Ficar o maior tempo possível ao ar livre;
  • Se possível, dormir sozinho em um quarto separado e devidamente ventilado;
  • Não compartilhar copos ou talheres com outras pessoas;
  • Evitar usar transportes públicos ou quando utilizar, fazer uso de máscara;
  • Evitar aglomerações como shoppings ou boates para não propagar a doença

Veja Também: Vacinação Infantil – Proteção para a Vida Toda
Fotos: Yale Rosen